Preparação do Brasil para os Jogos Mundiais Militares é apresentada na Comissão do Esporte

A Comissão do Esporte realizou audiência pública nesta tarde para discutir a preparação do Brasil para a 7ª edição dos Jogos Mundiais Militares, que ocorrerão em Wuhan, na China, de 18 a 27 de outubro deste ano. A competição acontece a cada quatro anos. O debate foi proposto pelo deputado Luiz Lima (PSL-RJ). "O desporto militar brasileiro tem uma longa tradição de títulos, medalhas e conquistas, que há mais de um século enriquece a história esportiva do Brasil", disse o parlamentar.
11/09/2019 20h15

Reynaldo Lima/Arquivo CESPO

Preparação do Brasil para os Jogos Mundiais Militares é apresentada na Comissão do Esporte

Audiência pública mostrou preparação do Brasil para os Jogos Mundiais Militares

O Diretor do Departamento de Desporto Militar do Ministério da Defesa, General Jorge Antonio Smicelato, explicou o funcionamento do Programa de Atletas de Alto Rendimento, criado em 2008 para apoiar os atletas de rendimento, sem esquecer o fortalecimento da soberania e defesa nacional. “Esse programa, em conjunto com os clubes, com as confederações e o Comitê Olímpico traz êxito para o desenvolvimento do esporte de alto rendimento no Brasil”, destacou o General.

 Os Jogos Mundiais Militares são organizados pelo Conselho Internacional do Esporte Militar (CISM), que conta com 140 membros e foi fundado em 1948 com o objetivo de selar a amizade entre as nações por meio do esporte. A primeira edição aconteceu na Itália em 1995. O Brasil passou de mero figurante nas primeiras quatro edições da competição para 1º colocado na edição de 2011, realizada no Rio de Janeiro, e 2º colocado na edição de 2015, na Coreia do Sul. “Estaremos presentes com uma delegação de 489 profissionais, sendo 352 atletas. Nossa meta é ficarmos ranqueados entre os três primeiros colocados na competição deste ano”, anunciou Smicelato.

Presente à audiência, o vice-presidente do Comitê Olímpico do Brasil, Marco La Porta, relatou sua vivência no esporte militar e destacou a importância do trabalho coordenado entre os componentes do sistema esportivo para o sucesso do esporte brasileiro. “Sou produto do esporte militar e posso constatar como a participação do Brasil evoluiu ao longo desses anos e como subimos de patamar”, apontou o dirigente.

Ações do documento