Avanços e contrastes marcam audiência pública com confederações olímpicas

A Comissão do Esporte reuniu cinco confederações olímpicas das modalidades de lutas na terça-feira (12), dando continuidade à série de audiências públicas propostas pelo deputado Luiz Lima (PSL-RJ). Dessa vez, estiveram presentes as modalidades de boxe, esgrima, judô, taekwondo e wrestling. Durante a audiência, os presidentes e atletas falaram sobre a atual estrutura das confederações, os resultados recentes das principais competições e fizeram uma projeção para os Jogos Olímpicos de 2020 em Tóquio.
12/11/2019 21h00

Reynaldo Lima/Arquivo CESPO

Avanços e contrastes marcam audiência pública com confederações olímpicas

Recordista de medalhas nos Jogos Olímpicos, o judô fala sobre sua preparação

Participaram da audiência: pelo wrestling, a presidente da Comissão de Atletas, Aline Silva (por web conferência), o presidente da Confederação Brasileira de Wrestling , Pedro Gama Filho, e o Superintendente da entidade, Roberto Leitão; pelo taekwondo, o integrante da Comissão de Atletas, Diogo Silva, e a diretora técnica da Confederação Brasileira de Taekwondo, Natália Falavigna; pelo judô, o representante da Comissão de Atletas, Victor Penalber, o gerente de Alto Rendimento, Ney Wilson, e o presidente da Confederação Brasileira de Judô, Sílvio Acácio Borges; pela esgrima, a representante da Comissão de Atletas da Confederação Brasileira de Esgrima, Silvia Rothfeld; e, pelo boxe, o integrante da Comissão de Atletas, Julião Neto, e o presidente da Confederação Brasileira de Boxe, Mauro José da Silva. Justificou sua ausência, o presidente da Confederação Brasileira de Esgrima, Ricardo Pacheco Machado.

Recuperação

A medalhista olímpica e hoje diretora técnica da Confederação Brasileira de Taekwondo, Natália Falavigna, relatou as melhorias ocorridas após uma situação de quase desmonte desse esporte no País. Em novembro de 2016, a Justiça determinou o afastamento do então presidente da Confederação Brasileira de Taekwondo, Carlos Fernandes, e de outros membros da diretoria, que passaram a responder por peculato, associação criminosa e fraude em licitações e documentos.

“A confederação tinha R$ 6 milhões em dívida, estava sem receber recursos da Lei Piva, estava sem as certidões negativas junto ao ministério. Além disso, tinha 33 apontamentos no Serasa, fora todo o contexto conturbado, fora a falta de regulamento, de regras e tudo mais que vocês possam imaginar. A partir daí, a gente começou a reestruturar uma confederação”, disse Falavigna.

Autor das denúncias, o campeão pan-americano Diogo Silva, hoje membro da recém-criada Comissão de Atletas da Confederação Brasileira de Taekwondo, comemorou a construção de uma nova cultura em que as decisões não são mais tomadas de portas fechadas.

“Eu entrei na seleção brasileira com 19 anos. Eu saí aos 30 e continuei competindo até os 34 anos. A primeira vez que pude participar de uma assembleia geral, que é onde se tomam as decisões do que vai acontecer comigo ou com os atletas, foi aos 36 anos. Passei a minha carreira toda sem saber como funciona politicamente uma gestão, qual é o recurso, como ele é direcionado, e sem poder discutir isso. Todas as decisões eram tomadas sem que o atleta sequer fosse consultado. No ano de 2018, temos a primeira assembleia aberta ao público. Isso é um avanço histórico dentro da nossa gestão”, declarou Silva.

Esgrima

Os bons ventos de mudança ainda não alcançaram a Confederação Brasileira de Esgrima, segundo a representante da comissão de atletas, Silvia Rothfeld. Entre os problemas apontados estão a perpetuação das mesmas pessoas no poder e uma transparência que só existe no papel.

 “A esgrima fez parte de todas essas investigações junto com o taekwondo, que eram denúncias minhas. O plano de gestão, ética e transparência está muito bonito dentro do Comitê Olímpico do Brasil. As exigências estão acontecendo dentro das confederações, mas efetivamente isso está mudando? Olha o histórico do nosso presidente. Ele era vice do anterior e se candidata. Essa perpetuação dos poderes que não dá mais”, afirmou.

Exemplos de má gestão do esporte não estão restritos ao Brasil. A Associação Internacional de Boxe foi suspensa pelo Comitê Olímpico Internacional e não poderá fazer a gestão da modalidade em Tóquio. A entidade enfrenta acusações de má administração.

Com Agência Câmara/Verônica Lima

Ações do documento