Presidente da CDHM pede que pagamento de auxílio financeiro às vítimas da barragem de Fundão seja feito

A presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM) enviou, nesta quinta-feira (9), ao Coordenador da Força Tarefa Rio Doce do Ministério Público Federal em Minas Gerais, José Leite Sampaio; ao Diretor-Presidente da Fundação Renova, André Giancini de Freitas e ao Procurador-Geral de Justiça de Minas Gerais, Antônio Sérgio Tonet, um pedido de providências urgentes quanto a uma denúncia feita pela Comissão de Atingidos de Tumiritinga. O grupo é formado por famílias atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão em 5 de novembro de 2015, quando 19 pessoas morreram e centenas ficaram desabrigadas. De acordo com a Comissão de moradores, a Fundação Renova não estaria fazendo o pagamento do Auxílio Financeiro Emergencial (AFE) às famílias impactadas pelo desastre.
10/07/2020 14h25

Foto: Corpo de Bombeiros / MG

Presidente da CDHM pede que pagamento de auxílio financeiro às vítimas da barragem de Fundão seja feito

Rompimento da barragem de Fundão, 2015

As empresas Samarco, BHP Billiton e Vale S.A. operavam a barragem e, de forma voluntária, fizeram um acordo com as famílias para recuperar, reparar e inclusive indenizar os atingidos. Assim, foi criado o AFE, através da Fundação Renova, como um programa de reparação autônomo para diminuir o impacto social e econômico causado na bacia do Rio Doce pelo desastre.

 

A denúncia da falta de pagamento do auxílio foi trazido à presidência da CDHM pelo vice-presidente do colegiado, Padre João (PT/MG).

 

“É urgente que a Renova e as empresas responsáveis mantenham e executem o pagamento do auxílio às famílias de Tumiritinga. O valor, mesmo pequeno, garantirá a subsistência das pessoas enquanto não se conclui o processo de reparação e compensação como um todo”, explica o presidente da CDHM, Helder Salomão (PT/ES).

 

Pedro Calvi / CDHM

Edição Mariana Trindade / CDHM

Ações do documento