Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados participa de reunião da ONU em Genebra; colegiado vai entregar relatório sobre violações praticadas pelo governo federal

A Revisão Periódica Universal (RPU) é o mecanismo da Organização das Nações Unidas (ONU), que analisa a situação de direitos humanos nos países que fazem parte da organização internacional. O 3° ciclo de revisão do Brasil foi em 2017 e o país recebeu 246 recomendações. O Estado Brasileiro se comprometeu a, em 2019, elaborar e enviar um relatório de meio período sobre o que foi feito sobre essas recomendações, e realizar uma consulta pública para fazer esse documento. Porém, o governo federal já comunicou que não vai entregar esse relatório. A entrega deveria ocorrer na próxima semana, quando o Conselho de Direitos Humanos da ONU se reúne em Genebra, Suíça, para avaliar o que foi feito em relação às recomendações. A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM) fez audiência pública para discutir o relatório do governo e a consulta pública. Participaram representantes da sociedade civil e do governo federal. Os movimentos sociais afirmaram que não houve consulta. Agora, a CDHM estará em Genebra, de 16 a 20 de setembro, e vai entregar um relatório apontando uma série de números e situações que mostram a falta de compromisso do atual governo com os direitos humanos, além de não cumprir orientações de organismos internacionais. Os parlamentares Helder Salomão (PT/ES, presidente da CDHM e Erika Kokay (PT/DF), vão entregar o documento.
11/09/2019 17h55

Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados participa de reunião da ONU em Genebra; colegiado vai entregar relatório sobre violações praticadas pelo governo federal

Símbolo do Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos

Relatório

Na segunda-feira (17/9), a CDHM vai entregar para o Conselho de Direitos Humanos da ONU um relatório sobre a situação dos direitos humanos no Brasil. O documento “Direitos Humanos no Brasil 2019” pontua o caminho contrário do governo federal em relação às recomendações da Revisão Periódica Universal. São 25 pontos tratando, por exemplo, do genocídio da juventude negra, letalidade policial e execução sumária; a situação do sistema carcerário e os massacres; extinção dos mecanismos de controle e participação social; violência no campo; desigualdade racial; violência contra as mulheres; redução das políticas de drogas, saúde mental e HIV/Aids e ataques à preservação do meio ambiente.

Helder Salomão afirma que “será um relatório firme, vigoroso, uma denúncia fruto de audiências públicas e com a voz da sociedade civil e do parlamento. Queremos compartilhar em Genebra os sérios problemas que estamos vivendo, retrocessos promovidos por autoridades constituídas, e deve haver um posicionamento global diante disso”.

 “O Brasil vive uma escalada autoritária. O discurso de ódio do presidente da República tem sido combustível para a violação de direitos humanos, a destruição ambiental e o ataque aos princípios democráticos mais basilares”, afirma Erika Kokay.

Cortes nas políticas públicas

O investimento público previsto no Orçamento para 2020 é o menor da série histórica. Programas voltados à população mais pobre, como o Minha Casa Minha Vida, o Bolsa Família e o financiamento estudantil, terão as menores destinações desde que foram criados. O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos sofreu 41% de redução.

“O Brasil enfrenta uma política de austeridade recessiva. A Emenda Constitucional 95, de 2016, congelou os gastos e investimentos públicos por 20 anos, preservando o pagamento de juros. Isso implica em redução de todas as políticas públicas e no aumento da desigualdade”, destaca Helder Salomão.

Como é feita a avaliação

A avaliação de um Estado se baseia em três documentos: o informe nacional elaborado pelo país que está sendo examinado; uma compilação de informações das ONU sobre o Estado preparada pela Oficina do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), e um resumo da informação apresentada por outros interessados, como as organizações da sociedade civil. Com base nesse material, os representantes dos países membros da ONU fazem as recomendações para o país avaliado. O Brasil já passou por três ciclos de avaliação da Revisão Periódica Universal, em 2008, 2012 e em 2017. 

Pedro Calvi / CDHM

 

Ações do documento