Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

26/07/2017 - 08h34

Proposta reduz para um quarto o tempo de inabilitação de militar para função pública

Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados
Reunião Ordinária. Dep. Cabo Sabino (PR - CE)
Sabino: proposta é fruto de debates regionais com entidades representativas da categoria

Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 5720/16, do deputado Cabo Sabino (PR-CE), que reduz de 20 para 5 anos o limite máximo de inabilitação do militar condenado por crime com pena de reclusão acima de quatro anos, praticado com abuso de poder ou violação do dever militar.

O texto também aumenta a inabilitação mínima, prevista no Código Penal Militar (Decreto-Lei 1.001/69), de 2 para 3 anos.

Segundo Cabo Sabino, a inabilitação atual é um “excesso” previsto no código. “Essa quantidade de tempo nos parece descabida, principalmente de compararmos com outras legislações cuja pena é correlata”, afirmou, ao citar que a condenação de um político pode gerar até oito anos de inelegibilidade.

“Os militares não são cidadãos de segunda categoria e não devem ser tratados com rigor excessivo”, disse Cabo Sabino. Para ele, penas duras devem ter uma justificativa, o que não seria o caso da inabilitação atual.

Tramitação
A proposta será analisada pelas comissões de Relações Exteriores e de Defesa Nacional; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, segue para o Plenário.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Tiago Miranda
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

carlos costa | 27/07/2017 - 09h22
Os militares não são cidadãos de segunda categoria e não devem ser tratados com rigor excessivo”, disse Cabo Sabino. Para ele, penas duras devem ter uma justificativa, o que não seria o caso da inabilitação atual. A minha pergunta: Então nós cidadão devemos ter aposentadoria com 25 anos, portar arma, abusar de direitos, entre outras vantagens. O engraçado é, quando a desvantagem é do cidadão não se fala nada, quando desse povo aí deve existir a igualdade. Francamente!