16/04/2019 - 12h19

Maia pede cautela na análise da proposta de reajuste do salário mínimo

Governo sugere apenas a reposição das perdas com a inflação, assim sendo o salário mínimo passará de R$ 998 para R$ 1.040

Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Reunião de líderes para definição da pauta da semana. Presidente da Câmara dos Deputados, Dep. Rodrigo Maia (DEM-RJ)
Maia: "Qualquer encaminhamento populista gera um benefício no curto prazo, e prejuízo no longo prazo"

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, afirmou que é preciso avaliar o impacto das mudanças na política de valorização do salário mínimo a longo prazo antes de tomar uma decisão diferente da proposta do governo.

O projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2020 prevê que o salário mínimo será reajustado para R$ 1.040 no próximo ano, sem ganho real (acima da inflação). O número foi divulgado nesta segunda-feira (15) pelo secretário-especial de Fazenda, Waldery Rodrigues.

Para Rodrigo Maia, a Câmara precisa ter prudência antes decidir por uma valorização do salário mínimo acima das condições do orçamento público. “Vivemos uma crise fiscal muito grande, tudo que o Parlamento puder fazer para valorizar os brasileiros é importante e a gente precisa fazer. Agora, qualquer encaminhamento populista gera um benefício no curto prazo, e prejuízo no longo prazo”, avaliou o presidente.

Maia lembrou a desvalorização das ações da Petrobras (próxima de R$ 32 bilhões) na semana passada causada pela interferência do Planalto no aumento do óleo diesel. Segundo ele, a ação do governo é um exemplo de decisão precipitada que pode ser positiva a curto prazo, mas prejudicial no futuro. Por isso, compara Maia, é necessário equilíbrio dos parlamentares para avaliar a nova política de valorização do salário mínimo.

“Vamos avaliar a decisão do governo junto dos parlamentares. Vamos ter frieza, paciência e equilíbrio para decidir no médio e longo prazo. Tomar uma decisão diferente do governo no curto prazo pode ser uma decisão correta, mas no médio e longo prazo pode ter impacto negativo e o resultado ser pior do que uma mudança na regra proposta pelo governo”, avaliou Maia.

Ouça esta matéria na Rádio Câmara
Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

daniEL | 18/04/2019 - 11h52
Caramba!!! Aconteceu de novo! O piadista da vez, Rodrigo Maia ataca novamente! “Vivemos uma crise fiscal muito grande, tudo que o Parlamento puder fazer para valorizar os brasileiros é importante e a gente precisa fazer.". Kkk. Corrigir salário mínimo acima da inflação? De jeito nenhum! Dar chance aos pobres de colocarem mais alguns ovos em sua alimentação, pra não morrer de fome? Melhor evitar isso e deixar toda a verba milionária à disposição APENAS dos inúmeros e super justos benefícios aos políticosm, né? Cortar benefícios de polítics e ex-governs e ex-prefeitos, nem pensar, né? HIPÓCRITA!