Seminário debate importância de comunidades tradicionais para o Cerrado

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados realiza seminário nesta quarta-feira (11) para discutir a importância dos povos e comunidades para a conservação do Cerrado. Autor do requerimento para a realização do evento, o deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP) lembra que atualmente o Cerrado é o bioma mais ameaçado do País e que comunidades tradicionais que nele vivem - como povos de terreiro, ciganos, geraizeiros, quebradeiras de coco babaçu e retireiros do Araguaia - promovem o uso sustentável e contribuem com a conservação da biodiversidade local.
09/09/2019 19h34
Reprodução Tv Câmara
Cerrado é considerado fundamental para garantir a oferta hídrica no Brasil

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados realiza seminário nesta quarta-feira (11) para discutir a importância dos povos e comunidades para a conservação do Cerrado.

Autor do requerimento para a realização do evento, o deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP) lembra que atualmente o Cerrado é o bioma mais ameaçado do País e que comunidades tradicionais que nele vivem - como povos de terreiro, ciganos, geraizeiros, quebradeiras de coco babaçu e retireiros do Araguaia - promovem o uso sustentável e contribuem com a conservação da biodiversidade local.

"As práticas e saberes empregados nos modos de vida desses segmentos da sociedade brasileira contribuem para a regulação do clima", afirma. Agostinho destaca ainda que a extinção do Cerrado acarretaria sérias consequências para outros biomas, como o Pantanal, e para os reservatórios de água do Brasil.

Além de parlamentares, participam dos debates:

  • a professora do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Brasília Mercedes da Cunha Bustamante;
  • a coordenadora-geral da Rede Cerrado, Maria do Socorro Teixeira Lima;
  • a representante do Conselho Nacional de Povos e Comunidades Tradicionais, membro da Comunidade de Retireiros do Araguaia, Lidiane Taverny Sales;
  • o representante de comunidade geraizeira Braulino Caetano dos Santos;
  • a representante de comunidade quilombola do Cerrado Maria de Fátima Batista Barros;
  • a representante da Mobilização dos Povos Indígenas do Cerrado Tsitsina Xavante;
  • representantes da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal.

O seminário começará às 13h30 no auditório Nereu Ramos da Câmara dos Deputados. O internauta poderá assistir e participar enviando perguntas aos debatedores.

Ações do documento