Às vésperas da COP 23, Presidente da CMADS participa da Marcha Mundial do Clima, em Brasília.

O evento, que antecede a 23º Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, é realizado simultaneamente em mais de 100 países e visa chamar a atenção da sociedade e do governo para as mudanças climáticas.
01/11/2017 16h45

CMADS

Às vésperas da COP 23, Presidente da CMADS participa da Marcha Mundial do Clima, em Brasília.

Presidente Interino da Câmara, Deputado Fábio Ramalho, recebe parlamentares e ativistas para discutir as questões climáticas

O Presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Deputado Nilto Tatto (PT/SP), participou na manhã desta quarta-feira, 01 de novembro de 2017, da Marcha Mundial do Clima. O evento, que antecede a 23º Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, é realizado simultaneamente em mais de 100 países e visa chamar a atenção da sociedade e do governo para as mudanças climáticas.

Após o ato no gramado do Palácio do Congresso Nacional, ativistas e parlamentares se reuniram com o Presidente interino da Câmara, Deputado Fábio Ramalho, para pedirem que as pautas ambientais e climáticas sejam tratadas como prioritárias na Casa. Os ativistas destacaram que os efeitos das mudanças climáticas, em especial àqueles relacionados à água, como as secas extremas, desabastecimento e enchentes, já podem ser sentidos e estão cada vez mais frequentes. Por este motivo, as ações de adaptação e mitigação aos efeitos das mudanças climáticas devem ser urgentes e prioritárias.

Em sua fala, o Deputado Nilto Tatto pediu celeridade na constituição da Comissão Especial que deve analisar o PL 6670/2016, de iniciativa popular, que institui a Política Nacional de Redução de Agrotóxicos e dá outras providências. O Deputado destaca que a agricultura é responsável por grande parte das emissões de gases de efeito estufa e que a transição para uma agricultura de baixo carbono com bases agroecológicas se torna uma saída para o problema das mudanças climáticas.

O Deputado Nilto Tatto também pediu atenção ao Protocolo de Nagoya sobre Acesso a Recursos Genéticos e Repartição de Benefícios decorrentes de sua utilização. O Protocolo de Nagoya é um acordo internacional que estabelece condições mais previsíveis ao acesso de recursos genéticos e garante a repartição dos seus benefícios com quem os forneceu, criando, desse modo, incentivos para a conservação da biodiversidade e para o uso sustentável de recursos genéticos. O Protocolo, adotado pelos países participantes da COP-10 em 2010, ainda não foi ratificado pelo Brasil. 

Ações do documento