Audiência com Mantega discute combate aos efeitos da crise

15/04/2009 10h40

Agência Câmara

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, participa nesta manhã, na Câmara, de audiência pública sobre o combate aos efeitos da crise econômica mundial. O evento é promovido pelas comissões especiais que analisam os efeitos da crise e pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio; e de Finanças e Tributação. A audiência será realizada às 10 horas, no plenário 2.

"Precisamos de propostas concretas, com respostas ao que está acontecendo aqui e lá fora", disse o deputado Lelo Coimbra (PMDB-ES), que é presidente da comissão especial que analisa o impacto da crise econômica na agricultura. Essa comissão é uma das cinco criadas pela Câmara para propor ações para reduzir o impacto da crise financeira mundial no País.

Impacto na agricultura
No âmbito da agricultura, os deputados temem que a falta de crédito e a queda dos preços dos produtos nos mercados interno e externo reduzam a renda dos agricultores neste ano, principalmente dos pequenos e médios produtores.

"A produção já caiu 5% ou 6%. O governo ainda não se deu conta de que a crise chegou ao campo", disse o deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), coordenador da Frente da Agropecuária, grupo suprapartidário que reúne a bancada ruralista.

Segundo ele, a safra 2008/2009, que será colhida neste semestre, é tema de preocupações imediatas, porque o governo ainda não sinalizou se terá recursos para comprar excedentes e garantir a renda dos agricultores. Além disso, o deputado afirma que a colheita acontecerá em um momento de queda de preços. Sem renda, o produtor não conseguirá honrar as dívidas assumidas no início do plantio nem terá como obter recursos bancários para a próxima safra.

Desempenho inferior
Para os integrantes da frente, o desempenho da agropecuária neste ano ficará abaixo do previsto pelo governo. O Banco Central projetou um crescimento de 1,2% para o País em 2009. Entre os setores, o único em que o BC apostou em queda foi o da agricultura - uma retração de 0,1%. "Vai cair mais do que isso. A área de suínos, por exemplo, já trabalha no prejuízo há seis meses", disse o deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS).

Um dos sinais da crise, segundo os parlamentares, pode ser visto na venda e produção de fertilizantes. Dados da Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda) mostram que a produção caiu 32,7% no primeiro bimestre do ano, em comparação com igual período de 2008. Já as vendas retrocederam para os indicadores de 2006.

"O setor está em colapso. O crédito não chega na ponta e os prognósticos são ruins", avaliou o líder do DEM, deputado Ronaldo Caiado (GO). De acordo com ele, os efeitos da crise vão ficar mais evidentes no momento em que o produtor for colher a safra e iniciar a comercialização.

Situação desconhecida
Segundo os deputados, a crise na agricultura ainda não é percebida pela população por falta de organização do setor. Heinze lembra que a demissão de 4,2 mil trabalhadores da Embraer, em fevereiro, provocou polêmica. "Um único frigorífico brasileiro demitiu recentemente mil trabalhadores e ninguém soube", comparou Caiado.

Leia mais:
Mantega: governo tem o compromisso de manter investimentos
Mantega: fundo pode garantir empréstimos a pequenas empresas
Para Temer, Brasil precisa aproveitar crise para crescer
Começa audiência pública com ministro Guido Mantega

Mantega diz que o pior da crise econômica já passou

Notícias anteriores:
Economista defende maiores garantias para empréstimo agrícola
Economista faz alerta sobre inadimplência no setor agrícola

Reportagem - Janary Júnior
Edição - Pierre Triboli

Tel. (61) 3216.1851/3216.1852
Fax. (61) 3216.1856
E-mail:agencia@camara.gov.br

Ações do documento