Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

04/12/2018 - 20h03

Análise do projeto da Escola Sem Partido é adiada mais uma vez

Apesar dos dez dias de intervalo desde a última reunião da comissão especial que discute o projeto da Escola Sem Partido (PL 7180/14), os ânimos não se acalmaram nesta terça-feira (4). A segurança foi reforçada, a reunião foi transferida para um espaço maior e senhas foram distribuídas igualmente entre os manifestantes favoráveis e contrários à proposta.

Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
Reunião ordinária
Deputados se posicionaram diante da mesa da presidência da comissão para cobrar explicações; houve tumulto

O texto impede que professores expressem, em sala de aula, convicções ou preferências pessoais em temas ideológicos, religiosos, morais, políticos e partidários. O projeto também proíbe que alunos sejam favorecidos ou constrangidos por estas posições. Enquanto esperavam o início das discussões, manifestantes dos dois lados se provocaram mutuamente com a exibição de cartazes e desentendimentos pontuais.

Uma mudança nas regras para aceitação de requerimentos, anunciada pelo presidente da Comissão, Marcos Rogério (DEM-RO), um pouco antes de abrir a reunião, causou descontentamento entre os deputados. A discussão e votação desses requerimentos ficou tumultuada. Deputados de oposição condenaram o projeto de lei, que, segundo eles, propõe a criminalização dos professores, como salientou o deputado Bacelar (Pode-BA).

"O Brasil está olhando para cada um e perguntando por que Vossas Excelências são inimigos dos professores brasileiros. Vejam o mal que Vossas Excelências estão fazendo à educação brasileira, nos levando ao ridículo", disse.

Já o deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), favorável à proposta, acusou os opositores ao projeto de defenderem os debates, em sala de aula, só de algumas questões.

"Queremos discutir tudo: Primeira Guerra Mundial, Revolução Russa, o Fascismo. Queremos discutir a Segunda Guerra Mundial, a Guerra Fria, discutir tudo, inclusive a pré-história. Discutir sem partidarização e sem partido", afirmou.

A troca de acusações entre os parlamentares aumentou de tom, até que muitos deputados se posicionaram diante da mesa da presidência da comissão para cobrar explicações. Houve tumulto.

Diante da confusão e do início da ordem do dia no Plenário da Câmara, o presidente da comissão, deputado Marcos Rogério, decidiu suspender a sessão. E criticou o que chamou de "obstrução física" da oposição.

"O problema é que a oposição, quando não tem voto, tenta ganhar no grito com questões de ordem invasivas, sem fundamentação, sem lógica regimental. Aí, a presidência não pode ser pautada devido às questões de ordem sem fundamento, que é parte de um processo de obstrução”, reclamou. “Eu tenho que seguir o regimento."

Ouça esta matéria na Rádio Câmara

A reunião da comissão que discute o projeto da Escola sem Partido não foi retomada depois de encerrada a sessão do Plenário e foi transferida para esta quarta-feira.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Cláudio Ferreira
Edição – Ana Chalub

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Nico | 05/12/2018 - 10h42
Gostaria de saber quantos desses que são contra esse projeto são professores? E aos que são, qual o problema em focar no desenvolvimento do cidadão como preconiza nossa lei de diretrizes e bases para a educação? Com a imensidão do conteúdo técnico em diversos temas (matemática, português, física, biologia, sociologia, filosofia, inteligência emocional, nutrição alimentar e etc), os opositores "professores" ainda acham que devem ater-se ao condicionamento político, religioso e partidário dos seus alunos? É simplesmente sem fundamento nenhum essa oposição.