Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

03/09/2014 - 19h05

Crianças poderão votar em eleição virtual no portal Plenarinho

Já estão definidos os candidatos fictícios do projeto Eleitor Mirim, promovido pela Câmara dos Deputados por intermédio do seu site infantil Plenarinho (http://www.plenarinho.gov.br). O projeto tem caráter pedagógico, é voltado para alunos do 5º ao 9º ano do ensino fundamental e simula uma eleição direta virtual para deputado federal.

Os candidatos são fictícios, mas têm número, pertencem a um partido (igualmente fictício) e apresentarão plataforma política.

Os concorrentes no pleito de 2014 são:

  • Felicinha, do Partido da Criança Feliz (PCF). Criada pela professora Sueny dos Santos Lira Costa e seus estudantes da Escola Estadual Rezende de Almeida, de Itaparatins (TO);
  • Maria Açaí, do Partido Salvação do Verde (PSV). Criada pela professora Naglla Quemel e seus estudantes do 5º ano do Colégio Santo Antônio, de Belém (PA);
  • Senhor Ecolítico, do Partido de Respeito ao Meio Ambiente (PRMA). Criado pela professora Márcia Alonso e seus estudantes do 6º ano do Colégio Sagrado Coração de Maria, de Brasília (DF);
  • Vismonte, do Partido Educacional Monte Sinai (PEMTES). Criado pelo professor Paulo Roberto Leandro da Silva e seus estudantes dos 8º e 9º anos do Colégio Monte Sinai, de Maceió (AL).

Calendário
Com base nas informações enviadas pelas escolas, a equipe do Plenarinho produzirá as campanhas de cada candidato, que serão veiculadas no horário eleitoral do site. As campanhas e a urna virtual estarão disponíveis simultaneamente a partir do dia 1º de outubro. As votações vão até o dia 26 de outubro.

Nas eleições municipais de 2012, o projeto Eleitor Mirim contou com 43.956 votos. Os participantes elegeram o candidato Amancinho para prefeito da cidade fictícia de Plenarópolis.

Da Redação – PT

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Erasmo Neto | 04/09/2014 - 17h08
Parabéns.Antigamente nos agrediam e mandavam calar a boca;politica e religião não se discute.Até radioamadores eram proibido por lei.