Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

13/06/2017 - 20h57

Para Movimento LGBT, atual conjuntura política impede avanço de demandas do setor

Participantes de seminário afirmaram que predomina uma pauta conservadora e antidemocrática no governo federal e o Congresso Nacional

Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados
Transição cidadã: nossas vidas importam
Câmara sediou seminário sobre direitos da população LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros)

O movimento LGBT é unânime: a atual conjuntura política brasileira impede o avanço das demandas do setor. Antes de começarem a falar no 14º Seminário LGBT do Congresso Nacional, todos os participantes fizeram questão de pedir a saída do presidente Michel Temer e a realização de eleições diretas, pois, na visão deles, o governo federal, assim como o Congresso Nacional, tem uma pauta conservadora e antidemocrática.

Quem resumiu essa avaliação foi o deputado Jean Wyllys (Psol-RJ), um dos autores do requerimento para realização do seminário. “O seminário LGBT do Congresso tem a função de tirar daqui ideias de proposições legislativas que possam ser apresentadas e de estratégias políticas que possam impedir que projetos que tentam barrar a nossa cidadania sejam aprovados”, afirmou.

Para Jean Wyllys, o seminário não pode se descolar do atual contexto político. “Os artistas, os trabalhadores da cultura e os movimentos sociais estão nas ruas pedindo por diretas já, e essa luta nos diz respeito porque só a democracia pode garantir o avanço da luta da comunidade LGBT por cidadania plena”, declarou.

Base curricular
O deputado Bacelar (Pode-BA) citou, entre as medidas consideradas conservadoras, a retirada, pelo Ministério da Educação, das expressões "identidade de gênero" e "orientação sexual" da Base Nacional Comum Curricular.

O entendimento da transexualidade como transtorno mental também foi questionado no seminário. A representante do Conselho Federal de Psicologia no evento, Sandra Sposito, ressaltou que a psicologia já não trata a homossexualidade como doença e que o entendimento sobre a transexualidade segue o mesmo caminho.

Violência
Outro ponto que mereceu destaque foi a violência contra pessoas LGBT. Segundo Jéssica Bernardo, do Ministério da Saúde, 24 pessoas LGBT sofrem violência por dia no Brasil.

"Por exemplo, 4.608 lésbicas, bissexuais e gays que sofreram agressões não necessariamente sofreram porque são LGBT. Por isso a importância de se divulgar esses dados e capacitar os profissionais para saber se essas pessoas foram vítimas de homofobia ou não. A gente precisa saber como esses casos acontecem, quem sofre mais essas violências, para a gente intervir", disse.

Pelos dados do Ministério da Saúde, pelo menos 10% dos casos de violência foram motivados pela homofobia, mas, segundo Jéssica, esse percentual pode esconder alguma subnotificação.

O 14º Seminário LGBT do Congresso Nacional foi realizado em parceria por oito comissões temáticas da Câmara e do Senado (na Câmara, as comissões de Direitos Humanos e Minorias; de Legislação Participativa; de Educação; de Cultura, de Seguridade Social e Família; e de Trabalho, de Administração e Serviço Público). Nenhum parlamentar com visão contrária à dos movimentos sociais se pronunciou durante o evento, que foi realizado nesta quarta-feira (13), na Câmara dos Deputados.

Reportagem – Verônica Lima
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Cícero | 22/06/2017 - 18h22
Erasmo; Jesus hj ainda possui plena autoridade e poder ao realizar curas, milagres, maravilhas, sinais e expulsar demônios entre os homens; através de seus servos seus filhos q clamam em seu Nome.
Erasmo Neto | 19/06/2017 - 10h03
Para não perdermos a ligação mental.A palavra Fariseus do hebraico "parasch" que,significa divisão separação,com fé racional podemos entender o que Jesus Cristo questionava,pois segundo a Bíblia Jesus,não tinha competência legal para julgar.A palavra divisão é da linguagem matemática abstrata.Jesus Cristo tinha conhecimento da cítala dos gregos e do cajado,vara ou bastão dos profetas,hoje em linguagem atual,usados para criptografar.Jesus Cristo sabia quando Eles mentiam e a forma usada para mentir.Arão em hebraico,"progenitor de mártires"(Se a tradução estiver correta).Estratégia?Ocultista?
Erasmo Neto | 19/06/2017 - 08h28
Quando todos nós das sociedades humanas invertermos a lógica de buscar preconceitos sem base de conhecimentos culturais regionais no tempo e no espaço e usar a ignorância inata como base para buscar conhecimento, a construção da Paz estará concluída. Ex: Época de Jesus o sistema de organização era o de castas.Ex:segundo a teoria do criacionismo Deus é criador,portanto por dedução com fé racional,não é Juiz julgador.Deus criador,criou o ar, através da modulação do ar produzimos palavras orais,hoje verbalizadas,no principio era o verbo e o verbo estava com Deus se fez carne e habitou entre nós.