Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Acessível em Libras
  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto
Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Comunicação > Câmara aprova cotas de programação nacional em TV por assinatura
11/05/2010 - 20h48

Câmara aprova cotas de programação nacional em TV por assinatura

A proposta aprovada prevê que um a cada três canais de TV paga seja brasileiro; permite a entrada de empresas de telefonia no setor; e destina recursos públicos ao financiamento da produção audiovisual nacional.

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou nesta terça-feira proposta que obriga as operadoras de TV a cabo a veicular programas nacionais e independentes. A medida também autoriza as empresas de telefonia fixa a entrar no mercado de televisão paga. O texto aprovado é o substitutivo da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática ao Projeto de Lei 29/07, do deputado Paulo Bornhausen (DEM-SC).

O texto aprovado pela CCJ estabelece um novo marco legal para o tema no Brasil. Hoje, a regulamentação da TV paga é feita com base na tecnologia de distribuição – cabo, satélite, micro-ondas, entre outras. A proposta unifica as regras de todos os tipos de televisão por assinatura.

De acordo com o texto, a Agência Nacional do Cinema (Ancine) será a entidade reguladora e fiscalizadora para as atividades de programação e empacotamento de conteúdo audiovisual. Já as atividades de distribuição de conteúdos serão regulamentadas e fiscalizadas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

O relator da proposta na CCJ, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foi favorável ao substitutivo da Comissão de Ciência e Tecnologia e apresentou três emendas ao texto. Como tramita em caráter conclusivoRito de tramitação pelo qual o projeto não precisa ser votado pelo Plenário, apenas pelas comissões designadas para analisá-lo. O projeto perderá esse caráter em duas situações: - se houver parecer divergente entre as comissões (rejeição por uma, aprovação por outra); - se, depois de aprovado pelas comissões, houver recurso contra esse rito assinado por 51 deputados (10% do total). Nos dois casos, o projeto precisará ser votado pelo Plenário., a proposta segue agora para o Senado, a menos que haja recurso para análise em plenário.

Na semana passada, a TV Câmara debateu as cotas de programação nacional em TV a cabo. Para assistir ao programa completo, clique aqui.

Cotas de conteúdo brasileiro
O texto aprovado prevê que pelo menos um a cada três canais de filmes, documentários, séries, novelas ou programas de variedades deve ser brasileiro, até o máximo de 12 canais nacionais. A proporção é válida para todos os pacotes ofertados pelas operadoras de TV por assinatura.

Entre os canais brasileiros, pelo menos dois deles devem veicular, no mínimo, 12 horas diárias de conteúdo de produtora brasileira independente – ou seja, aquelas produtoras sem ligação com empresas de programação, empacotamento ou distribuição de conteúdo ou com concessionárias de serviço de radiodifusão de sons e imagens (televisão aberta).

O texto aprovado também estabelece cota de conteúdo brasileiro e independente para cada canal da TV paga. Segundo a proposta, os canais deverão veicular pelo menos três horas e meia semanais, no horário nobre, de conteúdos brasileiros. Metade dessa cota deve ser produzida por produtoras independentes.

Conheça outras determinações da proposta:
Financiamento público da produção nacional
Abertura do mercado de TV paga
Proteção aos canais religiosos

Reportagem – Lara Haje
Edição – Carolina Pompeu

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Wlademar Fregnani | 17/05/2010 - 17h42
Creio que com essa lei,será o fim dos canais pagos, visto que as tvs brasileira só produzem programas mediocres, sem conteudo, nada que se aproveite, se os Srs, deputados estão contentes fiquem com a tv paga.Porque pagar para assistir o que não quero assistir, e ainda ter que aguentar apresentadores sem nenhum escrupulo, e ainda vamos ter de pagar a conta para que os tais programs indepententes nos encham com abobrinhas, ninguem merece o que os Srs. estão fazendo. Se essa lei realmente persistir, não só eu como milhares irão deixar de assistir a tv paga.
Adalberto de Freitas e Silva Junior | 16/05/2010 - 20h57
Espero que fale-se e adote regras para que os pacotes TV assinatura , a programação não seja tão repetitiva diariamente, que nesse tipo de canal não se permita que as empresas SKY,Embratel,net e outras intruduzam sinais de canais abertos na TV por assinatura, é um absurdo. Tenho TV assinatura. Embratel e de repente recebo sinais de TV aberta. Não pedi.Se quisesse não teria feito assinatura pela TV fechada. Espero que regulamentem isso. é comum todos que tem tv fechada reclamarem dessa situação acima dita. Espero uma resposta e quero acompanhar esse desfecho pela internet.
celso | 15/05/2010 - 10h07
Meu receio é que as operadoras retirem canais da grade para inserção de canais brasileiros. Quando o consumidor assina o pacote ele escolhe quais são os canais que ele quer ver se houver alterações na grade o interesse pelo pacote vai diminuir consideravelmente. Por que não incentivar a criação de novas emissoras na rede aberta? Ao invés de inserir programação nacional nos canais existentes por que não criar um canal comunitário com essas produtoras independentes com sinal aberto? Abrangeria muito mais pessoas!
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal