Legislação Informatizada - LEI Nº 4.632, DE 6 DE JANEIRO DE 1923 - Republicação

LEI Nº 4.632, DE 6 DE JANEIRO DE 1923

Fixa a Despeza Geral da Republica dos Estados Unidos do Brasil para o exercicio de 1923

O Presidente da Republica dos Estados Unidos do Brasil:

Faço saber que o Congresso Nacional decretou e eu sancciono a seguinte resolução:

     Art. 1º A despeza geral da Republica dos Estados Unidos do Brasil para o exercicio de 1928 é fixada em 88.482:479$025, ouro, e em 791.562:789$565, papel, distribuida pelos respectivos Ministerios da fórma seguinte:

     Art. 2º E' o Poder Executivo autorizado a despender, pelo Ministerio da Justiça e Negocios Interiores, com os serviços designados nas seguintes verbas, as quantias de 3.240:097$376, ouro, e 89.034:754$243, papel.

Verbas Total
    1ª - Subsidio do Presidente da Republica ............................................. 120:000$000
    2ª - Subsidio do Vice-Presidente da Republica ......................................... 72:000$000
    3ª - Gabinete do Presidente da Republica ............................................... 79:800$000
    4ª - Despeza com o palacio da Presidencia da Republica ........................ 265:000$000
    5ª - Subsidio dos Senadores ....................................................................... 968:625$000
    6ª - Secretaria de Estado:  
           Consolidada ..................................................................................... 887:040$370
           Variavel ................................................................................................... 515:303$900
    7ª - Subsidio dos Deputados .................................................................... 3.259:500$000
    8ª - Secretaria da Camara dos Deputados:  
           Consolidada ............................................................................................ 1.156:085$600
           Variavel ................................................................................................... 650:590$118
    9ª - Ajudas de custo aos membros do Congresso Nacional ....................... 275:000$000
    10ª - Secretaria de Estado:  
           Consolidada ............................................................................................ 651:254$166
           Variavel ................................................................................................... 116:146$118
    11ª - Gabinete do Consultor Geral da Republica:  
            Consolidada ........................................................................................... 32:600$000
            Variavel .................................................................................................. 6:000$000
    12ª - Justiça Federal:  
           Consolidada ............................................................................................ 2.428:672$800
           Variavel ................................................................................................... 181:444$118
    13ª - Justiça do Districto Federal:  
           Consolidada ............................................................................................ 2.111:930$000
           Variavel ................................................................................................... 164:560$118
    14ª - Ajudas de custo a magistrados ....................................................... 5:000$000
    15ª - Policia do Districto Federal:  
           Consolidada ............................................................................................ 5.524:483$500
           Variavel ................................................................................................... 1.498:641$590

    NOTA - As tabellas explicativas foram publicadas na integra no "Diario Official" de 12 de janeiro de 1923 e bem assim em avulso.

    

    16ª - Policia Militar do Districto Federal:      
           Consolidada ............................................................................................ 8.063:285$672
           Variavel ................................................................................................... 5.260:684$110
    17ª - Casa de Detenção:  
           Consolidada ............................................................................................ 142:200$000
           Variavel ................................................................................................... 866:060$831
    18ª - Casa de Correção:  
           Consolidada ............................................................................................ 152:503$408
           Variavel ................................................................................................... 512:157$550
    19ª - Archivo Nacional:  
           Consolidada ............................................................................................ 179:630$000
           Variavel ................................................................................................... 20:696$118
    20ª - Assistencia a Alienados:  
           Consolidada ............................................................................................ 910:132$900
           Variavel ................................................................................................... 2.931:346$724
    21ª - Departamento Nacional de Saúde Publica:  
           Consolidada (Papel) ............................................................................... 18.119:237$500
           Variavel (Papel) ...................................................................................... 5.387:585$840
           Variavel (Ouro) .................................................................................... 3.218:397$376
    22ª - Secretaria do Conselho Superior de Ensino:  
           Consolidada ............................................................................................ 36:200$000
           Variavel ................................................................................................... 3:406$000
    23ª - Subvenções a Institutos de Ensino Official:  
           Consolidada ............................................................................................ 59.400:000$000
           Variavel ................................................................................................... 6.695:320$250
    24ª - Escola Nacional de Bellas Artes:  
           Consolidada (Papel) ............................................................................... 255:490$000
           Variavel (Papel) ...................................................................................... 118:882$236
           Variavel (Ouro) .................................................................................... 17:500$000
    25ª - Instituto Nacional de Musica:  
           Consolidada (Papel) ............................................................................... 408:386$666
           Variavel (Papel) ...................................................................................... 62:252$118
           Variavel (Ouro) ........................................................................................ 4:200$000
    26ª - Instituto Benjamin Constant:  
           Consolidada ............................................................................................ 321:664$058
           Variavel ................................................................................................... 207:711$118
    27ª - Instituto Nacional de Surdos-Mudos:  
           Consolidada ............................................................................................ 86:141$000
           Variavel ................................................................................................... 81:276$118
    28ª - Bibliotheca Nacional:  
           Consolidada ............................................................................................ 442:188$500
           Variavel ................................................................................................... 172:312$118
    29ª - Obras:  
           Consolidada ............................................................................................ 57:840$000
           Variavel ................................................................................................... 500:000$000
    30ª - Serviço eleitoral ................................................................................... 300:000$000
    31ª - Corpo de Bombeiros:  
           Consolidada ............................................................................................ 2.178:239$405
           Variavel ................................................................................................... 1.967:892$605
    32ª - Administração, Justiça e outras despezas no Territorio do Acre:  
           Consolidada ............................................................................................ 1.673:000$000
           Variavel ................................................................................................... 1.401:000$000
    33ª - Instituto Oswaldo Cruz:  
           Consolidada ............................................................................................ 663:960$000
           Variavel ................................................................................................... 1.048:000$000
    34ª - Serventuarios do culto catholico ........................................................ 35:000$000
    35ª - Magistrados em disponibilidade ......................................................... 60:000$000
    36ª - Substituições .................................................................................... 150:000$000
    37ª - Subvenções .......................................................................................... 4.274:750$000
    38ª - Eventuaes ............................................................................................. 400:000$000
    39ª - Museu Historico:  
           Consolidada ........................................................ 125:400$000
           Variavel ................................................................................................... 49:900$000
    40ª - Instituto medico legal:  
           Consolidada ............................................................................................ 239:005$000
           Variavel ................................................................................................... 86:260$000
    41ª - Gabinete de Identificação e Estatistica:  
           Consolidada ............................................................................................ 194:400$000
           Variavel ................................................................................................... 54:500$000
    42ª - Escola Premunitoria Quinze de Novembro:  
           Consolidada ............................................................................................ 181:510$000
           Variavel ................................................................................................... 507:670$000


     Art. 3º Fica o Presidente da Republica autorizado:

      I- A reorganizar a justiça local do Districto Federal, especialmente para melhorar as condições de investidura e accesso dos juizes e orgãos do Ministerio Publico, modificar a divisão territorial judiciaria e a competencia della resultante, reformar a organização interna da Côrte de Apellação, dar maior efficiencia á acção do Ministerio Publico, podendo crear mais dous logares de desembargadores, duas varas criminaes e os respectivos orgãos do Ministerio Publico e funccionarios e uma vara de alistamento eleitoral, com os respectivos funccionarios, abrindo creditos até á importancia de 200:000$000.
      II- A abrir o credito de 5.000:000$ para o único effeito de regularizar a escripturação de despezas anteriormente feitas e pagas com a Commemoração do Centenario, naquella importancia.

      Paragrapho unico. Fica igualmente autorizado a applicar no custeio da Exposição Internacional os saldos dos creditos abertos, as rendas nella obtidas e os juros resultantes do mesmos saldos e rendas.
      III- A introduzir no regulamento que baixou com o decreto n. 15.003, de 15 de setembro de 1921, referente aos serviços do Departamento Nacional de Saude Publica, as modificações administrativas que julgar convenientes, sem augmento de despezas, podendo realizar transferencias ou reducções dos creditos da verba 21ª do orçamento.
      IV- A introduzir modificações, que julgar convenientes, no regulamento do Instituto Oswaldo Cruz e a consolidar os regulamentos do Instituto Vaccinico Federal e dos Serviços de Medicamentos Officiaes, e o daquelle Instituto, podendo fazer transferencia nos creditos orçamentarios respectivos, sem augmento de despezas.
      V- A reformar, sem augmento de despeza, podendo transpôr verbas orçamentarias, os regulamentos da Assistencia Nacional de Alienados, das Casas de Correcção e Detenção, Instituto Medico Legal, Gabinete de Identificação e Estatistica, Escola Premunitoria 15 de Novembro, Archivo Nacional e Instituto Nacional de Musica.
      VI- A reformar a Policia Civil do Districto Federal e serviços subordinados, sem augmento de despeza, podendo transferir verbas orçamentarias, consolidar disposições vigentes, abolir o inquerito policial e instituir a instrucção judiciaria criminal.
      VII- A installar a quarta delegacia auxiliar, abrindo o necessario credito.
      VIII- A prorogar por 15 annos o prazo da patente de invenção n. 5.566, de 24 de novembro de 1908, relativa ao preparo de uma «vaccina contra o carbunculo symptomatico» (peste de manqueira). Paragrapho unico. As garantias e os direitos conferidos pela prorogação aproveitarão exclusivamente ao Instituto Oswaldo Cruz como concessionario que é do inventor.
      IX- A conceder franquia postal e telegraphica á Commissão Executiva do 1º Congresso Brasileiro de Hygiene que se realizará no Rio de Janeiro, em setembro de 1923:

a) passagem gratuita de ida e volta, nas estradas de ferro federaes e no Lloyd Brasileiro, entre as datas de 15 de agosto e 30 de setembro, aos directores da Saude Publica dos Estados que venham tomar parte no referido Congresso;
b) publicação gratuita, pela Imprensa Nacional, dos Annaes do referido Congresso.

      X- A applicar a quantia de 2.000:0004 do fundo especial instituido pela lei n. 4.440, de 31 de dezembro de 1921, e decreto n. 15.442, de 14 de abril de 1922, logo que se verifique saldo nesse fundo, á installação do Hospital de Tuberculosos do Districto Federal e á Assistencia Hospitalar das Creanças Enfermas, no mesmo districto, podendo para isso entrar em accôrdo com a Prefeitura para o effeito de ser aproveitado para hospital de creanças o edificio do Hotel Sete de Setembro.
      XI- A organizar e executar um plano de diffusão da instrucção primaria nos Estados, directamente, ou por accôrdo com os respectivos governos, podendo abrir creditos, no corrente exercicio, até 500:000$, respeitando as bases constantes das lettras a, b, c, d e e do art. 3º, n. 9, da lei n. 4. 555, de 10 de agosto de 1922.
      XII- A, sem augmento das actuaes dotações orçamentarias, rever e modificar o decreto n. 11.530, de 18 de março de 1915, que reorganizou o ensino secundario e superior, attendendo ás necessidades reconhecidas pela pratica e á recente creação da Universidade do Rio de Janeiro, realizada pelo decreto n. 14.343, de 7 de setembro de 1920, respeitando as seguintes bases:

a) crear o Departamento Nacional de Instrucção Publica com a necessaria autonomia para resolver os assumptos peculiares ao ensino, ficando subordinado immediatamente ao ministro do Interior, comprehendendo todos os institutos federaes de ensino scientifico, litterario, artistico, profissional e os subvencionados, assim como a organização que fôr feita para diffusão do ensino primario;
b) remodelar o Conselho Superior do Ensino e o Conselho Universitario, instituindo-se o Conselho Nacional de Instrucção com attribuições amplas para o desenvolvimento e para o aperfeiçoamento da instrucção publica no Brasil;
c) manter, dentro dos termos da lei, a autonomia didactica dos institutos de ensino secundario e superior subordinados ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores;
d) o corpo docente dos institutos de ensino, tanto officiaes como equiparados, será sempre escolhido pelo processo de concurso de provas. No Collegio Pedro II o concurso será feito perante uma commissão examinadora, composta de seis membros, dos quaes tres livremente escolhidos pelo Governo e tres eleitos pela congregação. A essa commissão caberá arguir, fiscalizar e julgar o concurso;
e) respeitados os direitos adquiridos, eliminar-se-ha a classe dos professores substitutos nas faculdades, sendo providas effectivamente as cadeiras mediante concurso entre os livres-dooentes, elevado para a nomeação destes o nivel das provas, e garantida para elles a vitaliciedade depois de um quinquennio de bons serviços;
f) conferir aos directores dos institutos de ensino todas as funcções administrativas inherentes á regularidade dos serviços, havendo de suas decisões, neste particular, recurso para o Conselho Nacional de Instrucção;
g) em nenhuma hypothese, poderão gosar das regalias de equiparação institutos de ensino que se filiem a corporações estrangeiras ou dependam de autoridades estranhas ao Brasil. Paragrapho unico. Para a execução desta autorização e sem exceder as consignações votadas no orçamento, o Governo fará a necessaria revisão das mesmas e das subvenções para a sua perfeita utilização em beneficio do ensino.

      XIII- A reformar o regulamento do Conselho Administrativo dos Patrimonios dos Estabelecimentos a cargo deste ministerio, afim de dar maior efficiencia aos respectivos serviços.
      XIV- A abrir creditos até a quantia de 100:000$ para occorrer ás despezas com pessoal e material da representação do Departamento Nacional de Saude Publica e do Instituto Oswaldo Cruz na commemoração do centenario de Pasteur, em França, e comparecimento á exposição internacional de hygiene annexa áquella commemoração.
      XV- A elevar até a quantia de 100:000$ o auxilio para a construcção do edificio do Lyceu Franco Brasileiro em São Paulo.
      XVI- A rever o regulamento do Corpo de Bombeiros no sentido de dar maior efficiencia ao serviço e bem assim o da Caixa Beneficente do Corpo de Bombeiros do Districto Federal, no sentido de facilitar aos officiaes a acquisição de casas para residencia, e tambem modificar alguns dos seus artigos, no intuito de desenvolver a prosperidade da referida Caixa. installação das quartas pretorias civel e criminal, em predio proprio, para esse fim construido com os necessarios requisitos e que será o typo para a installação futura das demais pretorias.
      XVIII- A regulamentar o serviço domestico nesta ca-
      XVII- A abrir creditos até á quantia de 300:000$, para pital, constando do respectivo regulamento, entre outras, as seguintes disposições:

a) no Districto Federal é obrigatoria a caderneta de identidade para todos os empregados em serviço domestico, a qual será fornecida pelo Gabinete de Identificação e de Estatistica Criminal, pelo custo de 5$, sendo os demais papeis para a obtenção da carteira isentos de sello;
b) além dos documentos já exigidos para as carteiras de identidade, é necessario se junte o attestado de boa conducta fornecido pela Delegacia de Policia onde residir ou trabalhar o pretendente, sendo neste ouvida a Inspectoria de Investigações;
c) o individuo ou firma que acceitar para o seu serviço empregados domesticos sem a carteira de identidade obrigatoria ficará sujeito á multa de 50$ a 300$, por infracção, sendo as multas cobradas pela 4ª Delegacia Auxiliar de Policia.


      XIX- A considerar em disponibilidade o preparador da Escola Polytechnica do Rio de Janeiro, Dr. Agliberto Xavier, conforme propoz a congregação da mesma escola e foi approvado pelo Conselho Universitario.
      XX- A abrir os creditos necessarios para indemnizar a Santa Casa de Misericordia da cidade do Rio de Janeiro, das quantias por ella adeantadas em varios exercicios, por conta do que cabia á União na metade das despezas de custeio do hospital-sanatorio para mulheres, conforme os documentos justificativos desses dispendios.
      XXI- A abrir o credito de 15:000$ para pagamento dos vencimentos a um redactor dos debates e um conservador do archivo, á razão de 12:000$ annuaes; um auxiliar de redactor dos debates e quatro auxiliares dos Annaes, á razão de 7:200$ annuaes; um auxiliar do archivo á razão de 5:400$ annuaes; quatro amanuenses, á razão de 4:800$ annuaes e a tres auxiliares de dactylographos, á razão de 3:600$ annuaes, todos da Secretaria do Senado Federal, correspondentes aos mezes de novembro e dezembro de 1920.
      XXII- A prover nas vagas de juizes de direito da justiça, do Districto Federal, além dos casos previstos no Decreto n. 9.263, de 28 de dezembro de 1911, todos os bachareis que tenham exercido o cargo de pretor na Capital da Republica por dois quadriennios e os magistrados estaduaes com oito annos de serviço effectivo.

     Art. 4º Servirão como auditor e procurador do Corpo de Bombeiros o auditor e procurador da Policia Militar do Districto Federal. Paragrapho unico. Nas suas ausencias, faltas ou impedimentos poderá o commandante do Corpo de Bombeiros nomear auditor ou procurador ad hoc.

     Art. 5º Ficam revogados os arts. 7º, alinea 1ª, 8ª, § 3º, 9º, 12, 17 e 22, do decreto legislativo n. 4.381, de 5 de dezembro de 1921.

     Art. 6º Continúa em vigor a autorização conferida ao Governo pelo art. 3º, n. 6, da lei n. 4.242, de 5 de janeiro de 1921, e art. 8º da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, relativo a penitenciarias agricolas.

     Art. 7º Os officiaes do Registro Civil das pessoas naturaes, no Districto Federal e no Territorio do Acre, deverão remetter, mensalmente, até o decimo dia do mez seguinte, ao ministro da Justiça e Negocios Interiores, e os dos Estados, e repartição que fòr designada, uma cópia authentica das inscripções feitas nos respectivos livros, e das rectificações que ordenarem as competentes autoridades.

      § 1º. As cópias serão mandadas encadernar annualmente, servindo o respectivo volume de duplicata dos registros, para os effeitos legaes delles decorrentes.

      § 2º. A omissão da remessa das cópias, no devido tempo, sujeita o official de registro á multa de 50$ a 200$, imposta pelo ministro ou chefe da repartição, além da responsabilidade civil ou criminal, que no caso couber.

     Art. 8º Continúa em vigor o art. 9º da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1822, relativo á estatua do general Bartholomeu Mitre.

     Art. 9º Continúa em vigor o n. 6 do art. 3º da lei numero 4.555, de 10 de agosto de 1922, relativo á crèche da Casa dos Expostos.

     Art. 10. Os prazos constantes do art. 5º da lei n. 4.428, de 28 de dezembro de 1921, que providencia sobre construcção de sanatorios para tuberculosos, ficam prorogados respectivamente de seis mezes, a partir de 28 de dezembro de 1922.

     Art. 11. Em todos os inventarios, arrecadações e partilhas amigaveis, em que fôr interessada a Fazenda Municipal do Districto Federal pelo pagamento do imposto de transmissão causa mortis, intervirá a Prefeitura Municipal, pelo seu representante, em todos os termos do processo, ficando assim revogado o art. 19 do decreto n. 2.800, de 1898.

     Art. 12. As vagas de engenheiro de 2ª classe da Inspectoria de Engenharia Sanitaria (Departamento Nacional de Saude Publica), serão providas por promoção dos conductores de serviço da mesma repartição, emquanto existirem conductores que forem engenheiros civis e tenham recebido a primeira nomeação na vigencia do antigo regulamento da Fiscalização da Rio de Janeiro City Improvements Company.

     Art. 13. Fica approvado, para todos os effeitos, como fazendo parte integrante do instrumento contractual de 2 de março de 1921, a que se refere o art. 14 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, o termo additivo de contracto, lavrado a 28 de setembro de 1922, e que tambem consolidou as alterações prescriptas na mencionada lei, abertos os creditos precisos á sua execução.

     Art. 14. Para a matricula no anno lectivo de 1923 fica dispensada a exigencia do exame de latim na Escola Polytechnica do Rio de Janeiro e nas escolas a ella equiparadas.

     Art. 15. O art. 78, paragrapho unico, do decreto numero 11.530, de 18 de março de 1915, passará a ser assim redigido:

     "Nos Estados em cuja capital não houver gymnasio mantido pelo Governo, as congregações de institutos superiores equiparados aos officiaes podem organisar commissões de examinadores do curso gynmasial, presididas por um professor da Faculdade. Estes exames são validos sómente perante a academia que os instituiu."

     Art. 16. Aos alumnos da Escola Militar que, por qualquer motivo, tenham interrompido o curso será concedida matricula, no anno de 1923, nas escolas superiores da Republica, acceitos, como validos, os exames prestados naquella escola, que façam parte do curso que pretendem seguir, ficando, porém, obrigados a prestar os exames exigidos, no estabelecimento em que se matricularem, das materias que não tenham estudado, por não fazerem parte do curso militar.

     Paragrapho unico. Para os fins deste artigo a Escola Militar passará os attestados requeridos, considerando como approvados os alumnos que obtiverem média superior a 3,50, no periodo lectivo de março a julho de 1922.

     Art. 17. Fica prorogado por um anno o concurso para 2º tenente pharmaceutico da Policia Militar.

     Art. 18. Continuam em vigor os arts. 10, 13 e 17 do decreto n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, abrindo-se os necessarios creditos.

     Art. 19. Fica prorogado por mais um anno o concurso realizado em 25 de janeiro de 1921 para segundos tenentes medicos da Policia Militar.

     Art. 20. Fica prorogado por mais um anno, além do tempo regulamentar, o prazo para validação do concurso ultimamente realizado para medicos e cirurgiões do Corpo de Bombeiros.

     Art. 21. No Districto Federal, a declaração dos chefes ou directores de repartições publicas Federaes ou municipaes, certificando, declarando ou attestando que o alistando é funccionario, empregado mensalista, diarista, trabalhador, jornaleiro ou operario do quadro das ditas repartições ou suas dependencias, servirá de prova dos requisitos das lettras b e c do art. 5º da lei n. 3.139, de 2 de agosto de 1916.

      § 1º. A prova de residencia para o cidadão alistar-se eleitor no Districto Federal tambem será admittida, não só por attestado de qualquer autoridade judiciaria ou policial, em que se declare residir o alistando ha mais de dois mezes no Districto Federal, como tambem certidão lavrada pelos officiaes de justiça, mediante requerimento da parte e despacho de qualquer dos juizes das varas federaes ou locaes (civis e criminaes) ou de pretores.

      § 2º. O requerimento de transferencia será sómente instruido com o titulo de eleitor e a carteira de identidade.

      § 3º. Quando a identidade, para fins eleitoraes, fôr solicitada por escripto ou verbalmente a titulo urgente, o alistando pagará em dinheiro por sua carteira uma taxa de réis 1$500, taxa que será arrecadada e distribuida pro-rata entre os empregados do Gabinete de Identificação e Estatistica da Policia Militar do Districto Federal incumbidos desse serviço. Essas identificações urgentes só poderão ser feitas fóra das horas de expediente.

      § 4º. No Districto Federal é facultativo ao alistando escolher livremente, não só e districto eleitoral, como tambem a circumscripção eleitoral deste, por onde prefira alistar-se, sendo assim perfeita e valiosa para todos os effeitos a sua inscripção como eleitor, ainda quando haja sido alistado por circumscripção ou districto eleitoral do Districto FederaI diverso do que em que de facto morar, residir ou fôr domiciliado no mesmo districto.

      § 5º. Não é permittido ao juiz federal mudar o eleitor de secção, salvo em virtude de transferencia requerida e processada regularmente pelo juiz do alistamento.

      § 6º. O juiz federal remetterá ás mesas eleitoraes as listas de chamada em duplicata, competentemente authenticas, podendo ser dactylographadas ou impressas, devendo uma dellas ser affixada no dia da eleição na porta do edificio onde funccionar a respectiva secção eleitoral.

      § 7º. O eleitor, cujo nome houver sido omittido na publicação geral ou na lista de chamada, votará na circumscripção onde houver sido alistado, sendo tomado em separado o seu voto, com apprehensão do seu titulo e da sua carteira de identidade, que serão remettidos á Junta Apuradora e pelo presidente desta restituidos, mediante recibo, ao eleitor respectivo, depois de finda a mesma apuração.

      § 8º. O juiz da 2ª Vara Federal requisitará da Imprensa Nacional os numeros do Diario Official, que publicar a lista geral de eleitores, na fórma da lei vigente, bem como as listas de chamada impressas, remettendo um exemplar do Diario ao presidente de cada secção eleitoral, conjunctamente com os demais papeis, que teem de servir nas eleições.

      § 9º. Todas as disposições anteriores só teem applicação no Districto Federal.

     Art. 22. Os curadores da justiça local do Districto Federal serão nomeados dentre os promotores publicos da mesma justiça, um terço por antiguidade e dois terços por merecimento, a começar por merecimento.    

a) Os procuradores dos feitos da Fazenda, Municipal serão nomeados dentre os promotores publicos da justiça local, e os solicitadores da Fazenda Municipal, que satisfizerem o disposto no § 5º, do art. 13, do decreto n. 9.263, de 1911 , um terço por antiguidade e dois terços por merecimento, a começar por merecimento.
b) Os promotores publicos serão nomeados dentre os adjuntos de promotores publicos da justiça local do Districto Federal, um terço por antiguidade e dois terços por merecimento, a começar por merecimento.
c) Nos impedimentos ou faltas occasionaes, os promotores se substituem reciprocamente, na ordem numerica e nos outros casos pelos adjuntos designados pelo procurador geral.
d) Nos impedimentos ou faltas occasionaes dos curadores e procuradores dos feitos, a substituição será, reciproca, na ordem numerica e nos demais casos pelos promotores por designação do procurador geral. Paragrapho unico. Ficam restabelecidas as taxas constantes nos ns. 26 a 70, 72 a 127, 130 a 143 e 145 a 154, do decreto n. 10.291, de 25 de junho de 1913, e substituida a 2ª observação do n. 128, da secção VII, do referido decreto pela seguinte: Aos distribuidores são applicaveis no tocante ás certidões as regras do n. 76, lettra C. Para a cobrança das buscas serão reputados uma só pessoa os conjuges.


     Art. 23. Fica mantido o art. 6º da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922.

     Art. 24. A nomeação do contador e distribuidor das Varas Federaes do Districto Federal compete ao juiz federal da 1ª Vara.

     Art. 25. O Presidente da Republica é autorizado a despender, pelo Ministerio das Relações Exteriores, a quantia de 5.044:588$868, ouro, e 2.022:340$, papel, com os serviços designados nas seguintes verbas:

Verbas Total
    1ª (papel) - Secretaria de Estado ........................................................... 171:440$000
    2ª (papel) - Empregados em disponibilidade ........................................ 10:000$000
    3ª (papel) - Extraordinarias no interior ............................................... 50:000$000
    4ª (papel) - Obras ............................................................................... 20:000$000
    5ª - (papel) - Recepções officiaes ........................................................ 100:000$000
    6ª - Congressos e Conferencias:  
           1ª consignação (papel) .............................................................. 20:000$000
           2ª consignação (ouro) ............................................................. 150:000$000
    7ª - Serviço telegrapgico e postal:  
           1ª - consignação (papel) ............................................................. 120:000$000
           2ª - consignação (ouro) ................................................................... 120:000$000
    8ª (ouro) - Repartições internacionaes ............................................... 289:986$224
    9ª (ouro) - Corpo Diplomatico - Pessoal:  
    Allemanha ............................................................................. 39:000$000  
    Argentina ............................................................................... 49:000$000  
    Austria ................................................................................... 36:000$000  
    Belgica .................................................................................. 54:000$000  
    Bolivia .................................................................................... 39:000$000  
    Chile ...................................................................................... 44:000$000  
    China ..................................................................................... 33:000$000  
    Colombia ............................................................................... 24:000$000  
    Cuba e America Central ........................................................ 30:000$000  
    Dinamarca ............................................................................. 24:000$000  
    Equador ................................................................................. 24:000$000  
    Estados Unidos da America .................................................. 73:000$000  
    França ................................................................................... 73:000$000  
    Grã-Bretanha ........................................................................ 73:000$000  
    Grecia .................................................................................... 24:000$000  
    Hespanha .............................................................................. 39:000$000  
    Hollanda ................................................................................ 36:000$000  
    Italia ....................................................................................... 63:000$000  
    Japão .................................................................................... 41:000$000  
    Mexico ................................................................................... 28:000$000  
    Noruega ................................................................................ 26:000$000  
    Paraguay ............................................................................... 40:000$000  
    Perú ...................................................................................... 39:000$000  
    Portugal ................................................................................. 60:000$000  
    Polonia .................................................................................. 36:000$000  
    Santa Sé ............................................................................... 54:000$000  
    Suecia ................................................................................... 31:000$000  
    Suissa ................................................................................... 39:000$000  
    Tcheco Slovaquia .................................................................. 24:000$000  
    Uruguay ................................................................................. 44:000$000  
    Venezuela ............................................................................. 24:000$000  
    Secretarios de Legação ........................................................ 21:000$000  
    Eventuaes de vencimentos do pessoal ................................. 48:000$000  
    Percentagens sobre vencimentos ......................................... 319:550$000  
    Expediente ............................................................................ 292:111$110 740:661$110
    10ª (ouro) - Corpo Consular - Pessoal:  
    Allemanha ............................................................................. 46:000$000  
    Argentina ............................................................................... 60:000$000  
    Austria ................................................................................... 8:000$000  
    Belgica .................................................................................. 28:000$000  
    Bolivia .................................................................................... 28:000$000  
    Chile ...................................................................................... 20:000$000  
    China ..................................................................................... 12:000$000  
    Dantzig (Estado livre de) ....................................................... 8:000$000  
    Dinamarca .............................................................................     6:000$000  
    Egypto ...................................................................................     7:000$000  
    Estados Unidos da America ..................................................     69:000$000  
    Finlandia ................................................................................     6:000$000  
    França e possessões ............................................................ 105:000$000  
    Gran Bretanha e possessões ................................................ 106:000$000  
    Hespanha ..............................................................................     36:000$000  
    Hollanda ................................................................................     20:000$000  
    Italia .......................................................................................     60:000$000  
    Japão ....................................................................................     20:000$000  
    Mexico ...................................................................................     6:000$000  
    Noruega ................................................................................     8:000$000  
    Paraguay ...............................................................................     12:000$000  
    Perú .......................................................................................     20:000$000  
    Polonia ..................................................................................     6:000$000  
    Panamá .................................................................................     8:000$000  
    Portugal .................................................................................     44:000$000  
    Romania ................................................................................     6:000$000  
    Suecia ...................................................................................     8:000$000  
    Suissa ...................................................................................     24:000$000  
    Tcheco-Slovaquia .................................................................     6:000$000  
    Uruguay .................................................................................     66:000$000  
    Addidos Commerciaes ..........................................................     72:000$000  
    Inspectores de Consulados ...................................................     42:000$000  
    Auxiliares de Consulados ...................................................... 343:800$000  
    Eventuaes de vencimentos do pessoal .................................     60:000$000  
    Percentagem sobre vencimentos .......................................... 340:250$000  
    Material - Expediente, aluguel de casas, continuos, porteiros de Consulados e Consulados de 2ª classe e remessa de segundas vias de Facturas Consulares á Estatistica Commercial, especificados de accordo com a lei n. 3.232, de 5 de janeiro de 1917:        
    Aluguel de Chancellarias ...................................................... 107:522$534  
    Expediente ............................................................................ 53:980$000  
    Facturas Consulares ............................................................. 2.269$000  
    Despesas dos Vice-Consulados não remunerados .............. 16:120$000 580:141$534
   
    11ª (ouro) - Ajudas de custo ................................................................... 300:000$000
    12ª (ouro) - Extraordinarias no exterior ............................................... 150:000$000
    13ª - Expansão economica:  
           1ª consignação (papel) ................................................................. 80:000$000
           2ª consignação (ouro) ................................................................ 100:000$000
    14ª (papel) - Commissões de limites .................................................... 600:000$000


     Art. 26. E' o Governo autorizado:

     1º. A reorganizar os serviços de Expansão Economica e Propaganda no Estrangeiro, aproveitando os elementos dos Ministerios do Exterior e da Agricultura, e applicando nesse serviço, independentemente, o pessoal e as verbas votadas em cada um dos orçamentos.
     2º. A despender até a quantia de 20:000$, para adquirir os objectos de arte e moveis que se acham no Embaixada em Lisbôa, e que a ella não pertencem, feita a devida avaliação.
     3º. A rever os regulamentos approvados pelos decretos ns. 14.056, 14.057 e 14.058, todos de 11 de fevereiro de 1920, podendo reorganisar, sem augmento de despeza, os serviços da Secretaria de Estado, do Corpo Diplomatico do Corpo Consular, e, devendo tambem, mandar proceder a uma nova consolidação das leis referentes aos alludidos serviços.

     Art. 27. Continua em vigor o art. 27 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922.

     Art. 28. Poderão ser aproveitados, independente de concurso e de outras formalidades, para os lugares de consules de 2ª classe, os actuaes auxiliares de consulado, que tiverem mais de cinco annos de serviço; para os de terceiros officiaes da Secretaria de Estado, os addidos existentes em 1918 e que contarem mais de um anno de exercicio gratuito prestado á mesma Secretaria; e para os de segundo-secretario de Legação, os addidos de Legação que nessa qualidade serviram durante a guerra.

     Art. 29. Fica o Poder Executivo autorizado a despender, pelo Ministerio da Marinha, no Exercito de 1923, a quantia de 1.200:000$, ouro, e 76.440:014$836, papel, com serviços designados nas seguintes verbas:


Verbas Total
    1ª - Repartições de Marinha:  
           Consolidada ............................................................................................ 1.952:219$000
           Variavel ................................................................................................... 513:556$000
    2ª - Officiaes e Sub-Officiaes:  
           Consolidada ............................................................................................ 17.021:280$000
           Variavel ................................................................................................... 1.715:250$000
    3ª - Marinheiros, Foguistas e Taifa:  
           Consolidada ............................................................................................ 7.495:176$000
           Variavel ................................................................................................... 1.580:000$000
    4ª - Batalhão Naval:  
           Consolidada ............................................................................................ 662:304$000
           Variavel ................................................................................................... 168:800$000
    5ª - Arsenaes e Directoria do Armamento:  
           Consolidada ............................................................................................ 4.845:895$000
           Variavel ................................................................................................... 430:386$687
    6ª - Superintendencia de Navegação:  
           Consolidada ............................................................................................ 1.007:580$000
           Variavel ................................................................................................... 30:000$000
    7ª - Ensino Naval:  
           Consolidada ............................................................................................ 1.407:168$984
           Variavel ................................................................................................... 83:800$000
    8ª - Material:  
           Consolidada ............................................................................................ 349:600$000
           Variavel ................................................................................................... 20.477:730$000
    9ª - Addidos ........................................................................................................... 195:984$000
    10ª - Pesca e saneamento do littoral .......................................................... 530:000$000
    11ª - Munições de bocca ............................................................................. 11.265:027$000
    12ª - Classes inactivas:  
           Consolidada ....................................................................................... 4.377:858$165
           Variavel ................................................................................................... 30:000$000
    13ª - Despezas extraordinarias ................................................................ 650:000$000
    14ª - Despezas em ouro .......................................................................... 1.200:000$000

     Art. 30. E' o Governo autorizado a despender até 100 mil contos de réis, por meio de operações de credito, podendo ser parte em ouro, até a base de mil e quinhentos contos ouro, para:      

a) acquisição, quando julgar mais opportuno, das unidades navaes que considerar indispensaveis ao serviço da esquadra, inclusive um navio-escola, um para o serviço hydrographico e outro para o de pharóes, além das unidades menores para os serviços dos portos;
b) continuação das obras do dique e officinas da ilha das Cobras e seu consequente equipamento industrial, bem assim as construcções para a Escola Naval, no corpo de Marinheiros Nacionaes, no Batalhão Naval, Hospital de Marinha e nas obras novas do edificio para o Ministerio da Marinha;
c) despezas com a reorganização da Marinha, inclusive melhoramentos indispensaveis e pessoal contractado para as respectivas obras;
d) organização definitiva do serviço de aviação naval na ilha do Governador e outros pontos convenientes ao longo do littoral, a juizo da administração.


     Art. 31. E' o Poder Executivo autorizado:

     1. a distribuir á Pagadoria da Marinha, que depois prestará ao Thesouro as respectivas contas, as quotas destinadas a despezas miudas e asseio de cada uma das repartições do Ministerio, que funccionam nesta Capital.

     A' mesma Pagadoria, e sempre com a obrigação, por parte desta, da prestação de contas ao Thesouro, poderá o Governo distribuir, em duas parcellas semestraes, as consignações da verba 14ª «Despezas em ouro» e as seguintes da verba 8ª: «Material para reparações», «Obras», «Material de consumo», «Combustivel», «Renovação dos navios da esquadra», «Aviação», «Radiotelegraphia», «Serviços Accessorios», «Fardamento», «Quotas para a Escola Naval» e «Reorganização da Marinha».
     2. A realizar contractos além do exercicio, por tempo não excedente de tres (3) annos, quando versarem sobre construcções, acquisição e reparos de material de guerra, combustivel, força e luz, alugueis de casa e locação de serviços.
     3. A fornecer ao serviço de praticagem do Estado do Pará uma embarcação rapida, podendo despender para tal fim até 50:000$000.
     4. A rever, sem augmento de despeza, os regulamentos das diversas repartições e estabelecimentos do Ministerio da Marinha.
     5. A realizar permuta ou venda, em hasta publica, no todo ou em parte, relativamente aos terrenos ou propriedades nacionaes na Armação, actual Arsenal de Marinha, ou outros que forem julgados desnecessarios aos serviços da Marinha de Guerra.
     6. A abrir os creditos necessarios para o pagamento de encommendas feitas no estrangeiro, em exercicios anteriores, inclusive despezas com a Divisão Naval em operações de guerra e concertos dos encouraçados S. Paulo a Minas Geraes, no maximo de 16.000 contos, ouro, uma vez que não se aproveite das autorizações constantes do n. 7, do art. 31 e do art. 39 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922.

     Art. 32. Ficam revigorados no exercicio de 1923 os saldos verificados nos creditos abertos pelos decretos numeros 14.110 e 14.867, de 24 de março de 1920 e 11 de junho de 1921.

     Art. 33. Os funccionarios aposentados do Ministerio da Marinha continuarão a ser pagos pela respectiva pagadoria, devendo ser transferido do Ministerio da Fazenda para a Directoria Geral de Contabilidade da Marinha o necessario credito. Na organização do orçamento para o exercicio de 1924, deverá ser incluido no orçamento do Ministerio da Marinha o credito necessario para taes pagamentos, o qual será excluido do Ministerio da Fazenda.

     Art. 34. O tempo da embarque para os sub-officiaes da Armada, para effeitos de promoção, será de dois annos.

     Art. 35. Os officiaes do Exercito e da Marinha, que foram reformados por incapacidade physica, com mais de vinte annos de serviços contados para reforma, e que não tenham ainda attingido a idade para reforma compulsoria nos postos que tinham quando foram reformados, poderão reverter ao serviço activo, occupando os seus logares na escala, no quadro especial ou no quadro extraordinario, como se não tivessem sido reformados, se em nova inspecção de saude de Junta Medica Militar forem julgados promptos para o serviço activo, sem direito, entretanto, a vencimentos atrazados.

     Art. 36. Os actuaes machinistas da marinha mercante denomina-se-ão primeiros machinistas, segundos machinistas e terceiros machinistas.

      § 1º Serão primeiros machinistas os actuaes machinistas. Serão segundos machinistas os ajudantes-machinistas e os sub-ajudantes-machinistas, que prestaram exame pelo regulamento de 1907 e que tenham mais de dois annos de embarque. Terceiros machinistas serão os demais sub-ajudantes-machinistas.

      § 2º Sómente gozarão dessas regalias os que trocarem as suas cartas na Escola Naval e pagarem os emolumentos exigidos por lei.

      § 3º Os exames para terceiros machinistas continuarão a ser feitos nos Estados, de accôrdo com o regulamento vigente, mas, á excepção dos feitos na Escola de Machinistas do Estado do Pará, todas as provas escriptas dos exames realizados nas Capitanias dos Portos serão enviadas á congregação da Escola Naval, que as julgará em ultima instancia e expedirá a carta de terceiros machinistas, cuja approvação fôr confirmada.

      § 4º Os aprendizes de machinistas, depois do tirocinio exigido por lei, prestarão exame para terceiro machinista, e além das materias exigidas pelo respectivo programma, prestarão mais os de motores a explosão e combustão interna.

     Art. 37. Aos ex-officiaes de Marinha que, a pedido, obtiveram demissão do serviço da Armada no correr do anno de 1921, é permittido voltarem ao serviço activo nos postos que occupavam, como se delles não se tivessem afastado, sem prejuizo dos que passaram a occupar os seus logares, aos quaes ficarão homologos.

     Art. 38. Fica prorogada á validade do ultimo concurso feito para admissão ao primeiro posto pharmaceutico do quadro de Saude da Armada, até 31 de dezembro de 1923.

     Art. 39. Aos actuaes ajudantes ou sub-ajudantes machinistas da Armada será contado para os effeitos da reforma o tempo em que serviram como machinistas da Patromoria do Arsenal de Marinha desta Capital.

     Art. 40. Fica extensivo aos serventes e aos remadores do Deposito Naval do Rio de Janeiro o disposto no art. 40 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922.

     Art. 41. Fica revogado o art. 45 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922.

     Art. 42. Nenhum official poderá receber mais de uma ajuda de custo de um Estado para outro ou para a Capital Federal, no mesmo anno, salvo por motivo de promoção e consequente transferencia.

      § 1º Não haverá ajuda de custo para as localidades proximas á Capital a menos de um dia de viagem por mar.

      § 2º Não dá direito ao abono da ajuda de custo a sahida de navios ou divisão em exercicios, não tendo mudado de uma estação para outra, embora transitando por differentes portos.

     Art. 43. As diarias no Ministerio da Marinha continuam a ser abonadas de accôrdo com as determinações em vigor, não sendo, porém, em caso algum, abonada simultaneamente mais de uma diaria, sob qualquer fundamento.

     Art. 44. Fica revogado o art. 11 da lei n. 2.290, de 13 de dezembro de 1910, na parte referente aos instructores e adjuntos da Escola Naval, sendo transferidos para o quadro extraordinario os actuaes instructores da Escola Naval, nos termos do art. 42, da lei n. 4.242, de 5 de janeiro de 1921 e do citado art. 11 da lei n. 2.290, de 13 de dezembro de 1910.

     Art. 45. O Presidente da Republica é autorizado a despender pelo Ministerio da Guerra as quantias de 142.194.537$862, papel, 200:000$000, ouro, nas seguintes verbas:

 Verbas           Total
    1ª - Administração Central:      
           Consolidada ........................................................................................     1.774:262$500
           Variavel ...............................................................................................     32:400$000
    2ª - Estado Maior do Exercito .......................................................................     337:027$500
    3ª - Justiça Militar:

     Consolidada..........................................................................................

     Variavel..............................................................................................

926:780$000

217:800$000

    4ª - Instrucção Militar:

     Consolidada.........................................................................................

     Variavel................................................................................................

4.254:362$500

2.337:837$996

    5ª - Arsenaes, Intendencias e Fortalezas:

     Consolidada.........................................................................................

     Variavel................................................................................................

2.226:583$265

66:000$000

    6 ª - Fabricas:

     Consolidada.........................................................................................

     Variavel................................................................................................

1.329:967$500

50:000$000

    7ª - Serviço de Saúde:

     Consolidada.........................................................................................

     Variavel................................................................................................

34.209:599$808

1.469:360$000

    9ª - Soldos, etapas e gratificações de praças de pret:

     Consolidada.........................................................................................

     Variavel................................................................................................

19.802:232$000

23.003:499$660

    10ª - Classes inactivas:

     Consolidada........................................................................................

     Variavel...............................................................................................

9.982:499$785

5.556:167$930

    11ª - Ajudas de custo ........................................................................ 500:000$000
    12ª - Empregados addidos.................................................................... 94:684$000
    13ª - Obras militares........................................................................................... 1.015:000$000
    14ª - material....................................................................................... 31.305:406$418
    15ª - Commissão em paiz estrangeiro................................................. 200:000$000



     Art. 46. E' o Poder Executivo autorizado:

      I- A manter addidos militares em paizes estrangeiros, correndo a despeza por conta da verba respectiva «Commissão em paiz estrangeiro;
      II- A vender os productors das Fabricas de Polvora do Piquete e da Estrella, sendo as importancias recebidas pelos estabelecimentos respectivos e ahi recolhidas para opportuna utilização em beneficio da propria fabrica ou de sua producção, prestadas contas ao Thesouro Federal, por intermedio da Directoria de Contabilidade da Guerra.
      III- A vender as publicações do Estado Maior do Exercito que não constituam segredo, e applicar o producto ao melhoramento da lmprensa Militar.
      IV- A pagar aos sargentos ajudantes o quantitativo destinado a fardamento, em dinheiro, de accôrdo com os pregos da tabella de distribuição que esteja em vigor, e tendo em vista o tempo de duração do mesmo fardamento.
      V- A realizar contractos além do exercicio, por tempo, porém, não excedente de tres annos quando versarem sobre construcções, acquisições de material de guerra, força e luz de estabelecimentos militares, alugueis de casas e campos para invernadas e locações de serviços.
      VI- A organizar um posto de remonta em Minas Geraes, em terrenos de propriedade do Ministerio da Guerra, em Juiz de Fóra.
      VII- A reconstruir o edificio para o hospital de 1º classe da Quarta Região Militar, podendo despender até 200:000$, para esse fim abrindo o necessario credito.
      VIII- A renovar o contracto celebrado com a Missão Militar de Instrucção em virtude do art. 54 da lei n. 3.674 de 7 de janeiro de 1919, podendo ampliar sua esphera de acção ás regiões militares e Escola Militar, reduzindo o respectivo pessoal, si assim julgar conveniente.
      IX- A despender até 2.500:000$ para promover o augmento da producção da Fabrica de Polvora de Piquete, até 1.000:000$ para o proseguimento das obras e augmento de producção para a Fabrica de Cartuchos e até 500:000$ para remodelar o Arsenal de Guerra, adquirindo machinismos que tragam o augmento do rendimento do trabalho e abrindo os necessarios creditos.
      X- A vender o material imprestavel existente na Fabrica de Cartuchos e no Arsenal de Guerra, recebendo os directores as importancias resultantes, para o fim de empregal-as no desenvolvimento dos respectivos estabelecimentos, feitas as prestações de contas ao Thesouro Nacional, por intermedio da Directoria de Contabilidade da Guerra.
      XI- A manter a Auditoria do Departamento do Pessoal de Guerra (G 7) creado pelo decreto n. 11.853 A, de 31 de dezembro de 1915, e supprimida pelo aviso do Ministerio da Guerra n. 744, de 28 de dezembro de 1920, com os mesmos funccionarios que da referida Auditoria faziam parte na data em que foi sanccionada a lei n. 3.604, de 7 de janeiro de 1919, e exceptuados os que se acham em disponibilidade em virtude da reforma da justiça militar.

     Paragrapho unico. Esta auditoria terá as attribuições previstas nas lettras a, b, c, d, e, f, g, h i, j do Titulo G 7 do Regulamento que baixou com o citado decreto n. 11.853 A, de 3 de dezembro de 1915.
      XII- A abrir o credito de 11.783$ para pagamento de alugueis já vencidos de dois predios e terrenos onde esteja aquartelado em Itajubá o 4º Batalhão de Engenharia.
      XIII- A, sem augmento de despeza, sem alteração nos vencimentos, nem creação de logares, fazer no Codigo de Organização Judiciaria e Processo Militar as modificações que a experiencia tenha aconselhado, ad referendum do Congresso; podendo, entretanto entrar desde já em execução.
      XIV- A restabelecer a creação de uma Escola de Aprendizes Artifices, nos moldes existentes no decreto n. 5.113, de 19 de outubro de 1872, e com as modificações decorrentes das exigencias modernas do ensino, não excedendo a despeza respectiva de 250:000$, para o que abrirá os respectivas creditos.
      XV- A abrir os creditos que forem necessarios para attender ás despezas pela verba 9º - Soldos, etapas e gratificações de praças - nos exercicios de 1922 e 1923 até os limites estabelecidos na lei de fixação de forças de terra.
      XVI- A abrir, pelos respectivos ministerios, os creditos necessarios para occorrer ao pagamento dos officiaes do Exercito e da Marinha que exerçam cargos de eleição popular federaes ou estaduaes, pelo soldo que lhes é devido no exercicio financeiro de 1918, inclusive o dos subsequentes.
      XVII- A fazer reverter ao serviço activo o coronel medico Dr. Sylvio Pellico Portella, verificado que tenha o mesmo sido compulsado em virtude de erros na collocação de seu nome em almanacks militares.
      XVIII- A augmentar de mais cinco o numero de amanuenses da officina de alfaiates da Directoria Geral de Intendencia da Guerra e a aproveitar nos logares ora creados os cinco operarios da referida officina, que, por conveniencia do serviço, ha cinco annos vêm exercendo funcções privativas de amanuenses e tenham presentemente iguaes vencimentos aos destes.

      Paragrapho unico. Não serão preenchidas as vagas deixadas pelos cinco operarios que passarem para o quadro de amanuenses, visto não serem elles necessarios ao serviço da referida officina, tanto assim que ha cinco annos se acham afastados das suas verdadeiras attribuições, sem prejuizo.
      XIX- A ceder á Prefeitura do Recife os terrenos do pateo do antigo Arsenal de Guerra de Pernambuco, necessarios ao prolongamento da rua do Imperador, até encontrar a rua da Praia.
      XX- A, 1º, conceder prorogação até 31 de dezembro de 1924 do prazo estabelecido para que os officiaes da Guarda Nacional possam ser transferidos para a 2ª Linha, mas tão sómente depois de prestado o respectivo exame, de provada a sua idoneidade moral, e assim rigorosamente satisfeitas todas as exigencias regulamentares; 2º, restabelecer as Escolas de Preparação dos Officiaes da Guarda Nacional para 2ª Linha, sendo as respectivas despezas auxiliadas pelo Ministerio por conta da sub-rubrica - Diversos serviços da rubrica 8ª - Soldos e gratificações dos officiaes.
      XXI- A rever os regulamentos das repartições, arsenaes, fabricas, intendencias e estabelecimentos de ensino dependentes do Ministerio da Guerra, bem assim a reorganizar o Exercito, observadas as seguintes bases:

a) que a revisão levada a effeito não acarrete absolutamente augmento de despeza, nem dispensa do pessoal existente;
b) que, nas repartições administrativas, se simplifique, quanto possivel, o encaminhamento e processo dos negocios, facilitando o respectivo expediente;
c) que se imprima feição mais technica aos arsenaes, fabricas e officinas da Intendencia da Guerra, industrializando-os no que não fôr compativel com a natureza especial que caracteriza taes estabelecimentos militares e procurando augmentar-lhes o rendimento

      XXII- A reorganizar a Directoria Geral de Contabilidade da Guerra, de accôrdo com as exigencias actuaes do Exercito, creando nas regiões e circumscripções militares caixas para pagamento á tropa e repartições militares, mediante distribuição directa dos creditos necessarios e dos supprimentos de fundos, os quaes deverão ser entregues nesta capital á mesma Contabilidade pelo Thesouro Nacional em seis prestações bimestraes adeantadas da importancia total votada para o orçamento da Guerra, apenas deduzida da quota que tenha de ser paga pela Delegacia do Thesouro Nacional em Londres.

      § 1º O pesosal do quadro da Contabilidade perceberá os vencimentos de accôrdo com as graduações militares pela verba 8ª do orçamento, fazendo-se o necessario supprimento e a competente deducção da verba 1ª do mesmo orçamento.

      § 2º. O Governo fica autorizado a formar com o pessoal da Contabilidade um quadro do Exercito, com todos os direitos, regalias e vantagens dos das classes annexas, respeitando as suas actuaes graduações militares.

      § 3º. A Contabilidade continuará com o seu caracter fiscal, pelo que se subordinará aos preceitos da legislação respectiva, menos quanto á sua organização interna e ao provimento de seus cargos, os quaes se regularão por disposições especiaes.

      § 4º. A fixação do quadro da Contabilidade será feita pelo Governo dentro dos recursos votados no Orçamento da Guerra, podendo estornar dentro delle as verbas necessarias e aproveitar o saldo verificado na verba 8ª.

      XXIII- A reverter o capitão reformado do Exercito, Antonio de Castro Pereira Rego, ao serviço activo no posto que occupava como si delle não se tivesse afastado, sem prejuizo do que passou a occupar o seu logar, ao qual ficará homologo.
      XXIV- A mandar considerar de guerra os serviços prestados pelos empregados da Estrada de Ferro Central do Brasil que, no periodo da revolta de 1893 a 1894, tiveram recebido vencimentos dobrados em virtude de serviços extraordinarios.

     Art. 47. Aos officiaes reformados compulsoriamente ou de accôrdo com o art. 13 da lei n. 2.290, de 13 de dezembro de 1910, será abonado o soldo do posto effectivo que tinham a contar da data do decreto de sua inactividade, o qual será classificado na verba 10ª - Classes inactivas - satisfazendo - lhes a differença em rectificação dos respectivos calculos, quando apresentarem suas patentes.

     Art. 48. Serão distribuidas á Directoria de Contabilidade da Guerra e ás delegacias fiscaes, nos Estados, na fórma por que fôr pedido pelo Ministerio da Guerra, as importancias correspondentes ás dotações de todas as consignações dos §§ 13 e 14 do orçamento. Paragrapho unico. O referido ministerio subordinará ao regimen das massas aquellas que assim convier, mediante as seguintes prescripções: 
     
a) fixação dentro das dotações de determinada quantia para cada unidade, estabelecimento, repartição ou commissão, que a receberá por trimestres adeantados, na estação pagadora;
b) as tabellas relativas a essas importancias serão organizadas pela Intendencia da Guerra, ouvida a directoria a que estiver subordinada a repartição, estabelecimento ou commissão e approvadas pelo Ministerio da Guerra;
c) nenhum adiantamento se fará antes da prestação de contas do adiantamento anterior, salvo ordem expressa do ministro da Guerra;
d) os saldos das diversas massas serão considerados economias licitas dos cofres dos conselhos administrativos, com excepção, porém, da forragem, considerada individual, cujo excesso continuará a ser recolhido aos cofres publicos, devendo o excesso da despeza verificado pela necessidade do serviço sobre as distribuições feitas, ser attendido pelos mesmos cofres;
e) os conselhos administrativos respondem pelo emprego das massas e prestarão suas contas por intermedio do intendente.

     Art. 49. As autoridades militares competentes farão recolher á Intendencia da Guerra o quantitativo correspondente ao fardamento fornecido ás praças para desconto.

     Art. 50. Os exames e analyses feitos no Laboratorio de Bacteriologia serão pagos adiantadamente, segundo a tabella de preços organizada pelo Ministerio da Guerra, sendo recoIhido o producto ao Conselho Administrativo do referido Laboratorio e ahi escripturado sob o titulo - despeza a annullar - para que tenha applicação na acquisição de apparelhos e reactivos para o laboratorio.

     Art. 51. Ficam commettidos ao encarregado dos trabalhos da organização do serviço geographico militar, sob a direcção superior da chefia do Estado-Maior do Exercito, os encargos: 
    
a) de projectar a applicação do credito votado;
b) de promover a execução de trabalhos remunerados que tenham por objectivo o treinamento dos serviços e installações, ou que forem considerados de utilidade publica;
c) de applicar a renda proveniente dos trabalhos remunerados á ampliação e aperfeiçoamento das installações e serviços;
d) de Iegalizar as despezas e rendas dos diversos grupos do serviço geographico militar, mantendo para esse fim uma escripturação conveniente á boa marcha dos trabalhos de organização e que possa fornecer, opportunamente, os elementos seguros para tomada de contas na Directoria Geral de Contabilidade da Guerra.


     Art. 52. Os medicamentos fornecidos a officiaes e funccionarios civis do Ministerio da Guerra serão pagos em folha, sendo expressamente prohibido o fornecimento gratuito. As importancias provenientes de taes fornecimentos serão recolhidas ao Laboratorio Chimico Militar, para que tenham applicação na acquisição de medicamentos.

     Art. 53. Ficam supprimidas, neste Ministerio, todas as diarias, salvo as que estão determinadas em lei especial, destinadas á alimentação.

     Art. 54. Ficam revigorados: o art. 49 da lei n. 4.555, o decreto n. 4.570, de 10 e 26 de agosto de 1922, em seus ns. 2, 3, 4, 6, 8, 9 e 11; arts. 51, 52, 53, 54, 55, 56, 57 e 61; art. 3º da lei n. 1.687, de 13 de agosto de 1907, quanto á prorogação de prazo para pagamento de soldo devido aos voluntarios da Patria.

     Art. 55. Em face do grande numero de vagas existentes na Escola Militar, póde o Governo permittir no anno de 1923 a matricula naquelle estabelecimento aos candidatos comprehendidos nas lettras c e e, art. 44, do respectivo regulamento, independentemente do estagio de serviço no Exercito.

     Art. 56. O Governo poderá applicar na verba «Material», para o fim exclusivo da defesa nacional, os saldos que porventura se verificarem na verba 9ª do Ministerio.

     Art. 57. Fica revigorado o decreto n. 15.109, de 12 de novembro de 1921.

     Art. 58. Os medicos que foram nomeados para os postos de primeiros tenentes do Exercito, em virtude do decreto de 9 de julho de 1919, deverão guardar no Almanack Militar, para os effeitos da promoção por antiguidade, a ordem de classificação obtida no concurso a que se submetteram para os referidos postos.

     Paragrapho unico. O dispositivo da lei do orçamento de 1919, relativo ao paragrapho do art. 84, não influirá nas promoções por antiguidade dos mesmos officiaes.

     Art. 59. O procurador geral e os promotores da Justiça Militar serão conservados em seus respectivos cargos emquando bem servirem.

     Art. 60. Os officiaes honorarios do Exercito, voluntarios da Patria, que ficaram mutilados por ferimentos recebidos na campanha do Paraguay e que forem julgados pela Junta Superior de Saude do Exercito incapazes de promover quaesquer outros meios de subsistencia, terão direito á assistencia do Asylo do Invalidos da Patria, percebendo, nesse estabelecimento e sem distincção de posto, um quantitativo para a alimentação equivalente a tres etapas.

     Art. 61. As importancias que forem arrecadadas provenientes de taxas de sorteados, nos termos da lei, serão recolhidas á Contabilidade da Guerra, onde se as deverão escriputar em receita como despeza a annullar no § 9º - soldos, etapas e gratificações de praças.

     Art. 62. Ao actual 1º tenente intendente Manoel Ferreira de Souza contar-se-á a antiguidade de nomeação, para o primeiro posto, de 27 de maio de 1909, sem direito ás vantagens pecuniarias atrazadas.

     Art. 63. O preceituado no art. 54 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, fica extensivo aos officiaes do Corpo de Saude do Exercito com mais de 35 annos de serviço.

     Art. 64. Os officiaes effectivos do Corpo de Saude do Exercito e da Armada, contarão unicamente e para os effeitos da reforma, em cada cinco annos que tiverem de effectivo serviço militar, um anno de seu respectivo curso, com aproveitamento nas escolas superiores.

     Art. 65. Nas circumscripções judiciarias militares que comprehenderem divisões do Exercito e tiverem mais de 10 unidades fóra da séde e nas quaes só houver um auditor e um promotor, poderão estes convocar os seus respectivos supplente e adjunto.

     Art. 66. Para a matricula no 1º anno da Escola Militar ficam dispensados os exames vestibulares aos alumnos do collegio Pedro II que terminaram o curso em 1922.

     Art. 67. Na vigencia desta lei, continúa em vigor o n. 4, primeira parte, do art. 149 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922.

     Art. 68. A etapa em qualquer guarnição nunca poderá exceder ao duplo da etapa média que serviu de base ao computo orçamentario.

     Art. 69. Da fé de officio dos officiaes que frequentaram em 1921 a Escola de Aperfeiçoamento de Officiaes e que foram attingidos pelo § 1º do art. 17, deverá ser supprimida a nota «sem aproveitamento», fazendo-se constar da mesma fé de officio as médias da respectiva conta de anno e dos gráos obtidos nos exames finaes.

     Art. 70. O Poder Executivo poderá mandar matricuIar na Escola Militar do Realengo os ex-alumnos que tenham sido desligados ou excluidos, da mesma escola, em 1922, por motivos disciplinares, podendo-Ihes ser extensivas todas as concessões feitas aos actuaes alumnos e bem assim cancelladas, para todos os effeitos, as notas de desligamento ou exclusão.

     Art. 71. O porteiro da Escola Militar, cujos vencimentos já foram equiparados em leis anteriores aos do Hospital Central do Exercito, é tambem equiparado em honras aos mesmos, a juizo do Governo.

     Art. 72. Ficam extensivos aos empregados, operarios diaristas e serventes do Arsenal de Guerra desta Capital todos os direitos e vantagens de que gosam os empregados do Laboratorio chimico Pharmaceutico Militar, excepto em relação ao quantum dos vencimentos.

     Art. 73. Os mensalistas, os operarios, serventes, jornaleiros, diaristas e trabalhadores dos arsenaes de Guerra e de Marinha do Rio de Janeiro, da Intendencia da Guerra da Capital Federal, da fabrica de Cartuchos c Artefactos de Guerra e das officinas e dependencias dos Ministerios da Guerra e da Marinha passam a ter vencimentos annuaes, divididos em dous terços de ordenado e um terço de gratificação, expedindo-se-lhes os respectivos titulos de nomeação, e sendo-lhes assim extensivos em tudo quanto lhes fôr applicavel os direitos, as garantias e as vantagens concedidas no art. 121 da lei n. 4.242, de 5 de janeiro de 1921, aos da Imprensa Nacional.

     Art. 74. Aos operarios e serventes do Arsenal de Guerra do Rio de Janeiro é extensivo o disposto no art. 40 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, em beneficio do pessoal operario dos arsenaes de Marinha da Republica, sendo igualmente extensiva e applicavel aos referidos serventes do Arsenal de Guerra do Rio de Janeiro a gratificação addicional de 20 % sobre os respectivos vencimentos, estabelecida na observação 3ª da tabeIIa 3ª, annexa á lei n. 240, de 13 de dezembro de 1894, paragrapho unico.

      Paragrapho unico. Os serventes de que trata a parte anterior do presente artigo, gosarão, para todos os effeitos, dos mesmos direitos e vantagens, inclusive sobre contagem do tempo de serviço como aprendizes, estabelecidos em favor dos operarios e demais empregados do referido Arsenal de Guerra.

     Art. 75. Em face do grande numero de vagas existentes na Escola Militar, póde o Governo permittir, no anno de 1923, a matricula aos candidatos menores de 22 annos. Paragrapho unico. Esta prorogação é extensiva ao Curso Annexo á referida Escola.

     Art. 76. Aos auditores-auxiliares da 6ª Circumscripção Judiciaria Militar são assegurados os mesmos direitos e vantagens dos auditores dessa circumscripção.

     Art. 77. Fica mantida a verba necessaria para pagamento de um membro da junta de revisão e sorteio da 1ª circumscripção de recrutamento, continuando addido, até ser aproveitado em outra commissão deste ministerio, o coronel Alfredo Fausto de Sampaio Ribeiro, commandante do 7º regimento de infantaria do Exercito de 2ª linha, que a tem exercido desde 6 de agosto de 1910.

     Art. 78. Fica addido ao Departamento da Guerra, com os vencimentos que percebia, o porteiro do extincto Departamento do Exercito de 2ª linha (D. G. H.), Horacio Novella da Silva, até ser aproveitado em cargo equivalente em vencimentos e categoria.

     Art. 79. Fica o Presidente da Republica autorizado a despender pelo Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio, no exercicio de 1923, com os serviços discriminados nas seguintes tabellas as quantias de 408:702$066, ouro, e 41.085:885$545, papel:

 

 Verbas           Total
1ª - Secretaria de Estado:      
    Consolidada.......................................................................................................      715:320$000
    Variavel..............................................................................................................      198:660$000
2ª - Pessoal contractado.............................................................................................     250:000$000
3ª - Serviço de Povoamento:      
    Consolidada.......................................................................................................      1.293:000$000
    Variavel..............................................................................................................      4.181:500$000
4ª - Jardim Botanico:      
    Consolidada.......................................................................................................      124:320$000
    Variavel..............................................................................................................      348:000$000
    Variavel (ouro).........................................................................................           1:778$000
5ª - Serviço de Inspecção e Fomento Agricolas:      
    Consolidada.......................................................................................................      1.159:800$000
    Variavel..............................................................................................................      2.144:000$000
6ª - Escolas de Aprendizes Artifices:      
    Consolidada.......................................................................................................     672:600$000
    Variavel............................. ................................................................................      1.822:400$000
7ª - Serviço Geologico e Mineralogico:      
    Consolidada.......................................................................................................      270:000$000
    Variavel..............................................................................................................      2.128:400$000
8ª - Junta Commercial:      
    Consolidada.......................................................................................................     63:800$000
    Variavel..............................................................................................................     32:636$000
9ª - Directoria Geral de Estatistica:      
    Consolidada.......................................................................................................      506:040$000
     Variavel.............................................................................................................      57:120$000
10ª - Observatorio Nacional:      
    Consolidada.......................................................................................................     209:280$000
    Variavel..............................................................................................................      155 :720$000
11ª - Museu Nacional:      
    Consolidada.......................................................................................................      297:480$000
     Variavel.............................. ..............................................................................      275:600$000
12ª - Escola de Minas:      
    Consolidada.......................................................................................................      481:800$000
     Variavel.............................................................................................................     172:200$000
13ª - Serviço de Informações:      
    Consolidada........................... ...........................................................................     67:200$000
    Variavel.............................................................................................................      199:000$000
14ª - Serviço de Industria Pastoril:      
    Consolidada.......................................................................................................      3.213:280$000
    Variavel..............................................................................................................      4.629:000$000
    Variavel (ouro)...................................................................................................      100:000$000
15ª - Serviço de Protecção aos Indios:      
    Consolidada.......................................................................................................      91:800$000
    Variavel..............................................................................................................      968:750$000
16ª - Ensino Agronomico:      
    Consolidada..................... .................................................................................      1.004:640$000
    Variavel..............................................................................................................      2.914:775$543
17ª - Estação Sericicola de Barbacena:      
    Consolidada.......................................................................................................     19:200$000
    Variavel..............................................................................................................      127:500$000
18ª - Directoria de Meteorologia:      
    Consolidada........................... ...........................................................................      778:680$000
    Variavel..............................................................................................................     606:074$000
19ª - Empregados addidos..........................................................................................     763:140$000
20ª - Instituto de Chimica:      
    Consolidada.......................................................................................................      101:400$000
    Variavel..............................................................................................................      399:000$000
21ª - Junta dos Corretores:      
    Consolidada.......................................................................................................     17:400$000
    Variavel..............................................................................................................     12:000$000
22ª - Subvenções e auxilios:      
    Variavel..............................................................................................................      3.542:450$000
    Variavel (ouro) ...................................................................................................      366:924$066
23ª - Obras..................................................................................................................      200:000$000
24ª - Escola Normal de Artes e Officios Wenceslau Braz:      
    Consolidada.......................................................................................................      312:920$000
    Variavel..............................................................................................................      301:000$000
25ª - Serviço do Algodão:      
    Consolidada.......................................................................................................      363:000$000
     Variavel.............................................................................................................      1.365:000$000
26ª - Serviço de Sementeiras:      
    Consolidada.......................................................................................................      206:000$000
    Variavel..............................................................................................................      424:000$000
27ª - Instituto Biologico de Defesa Agricola:      
    Consolidada.......................................................................................................      186:000$000
     Variavel............................................................................................................      188:000$000
28ª - Serviço de Expurgo e Beneficiamento de Cereaes:      
    Consolidada.......................................................................................................     48:000$000
    Variavel..............................................................................................................     87:000$000
29ª - Eventuaes...........................................................................................................     250:000$000
30ª - Superintendencia do Abastecimento..................................................................     140:000$000


     Art. 80. E' o Governo autorizado:

     1º- a despender até a importancia de quatro mil contos de réis para occorrer não só ás despezas de transportes de familias de immigrantes agricultores europeus, de qualquer porto da Europa a qualquer porto brasileiro, onde estiverem organizados os serviços de recebimento, desembarque, hospedagem e sustento de immigrantes, concorrendo os Estados que os recebam, desde que os mesmos se destinem á lavoura particular, com uma quota das alludidas despezas pagas pelo Ministerio da Agricultura, de accôrdo com os respectivos governos estaduaes, mas ainda, ás despezas de recebimento, desembarque, hospedagem, sustento e transporte no paiz, de immigrantes e trabalhadores nacionaes, que não puderem correr por conta dos recursos ordinarios do Serviço de Povoamento, bem assim, a fundação, reorganização e custeio de nucleos coloniaes e centros agricolas de trabalhadores nacionaes, na fórma dos regulamentos em vigor; e a ensaios de collocação, em mercados estrangeiros, de gado em pé, productos de origem animal, fructos e outros generos nacionaes; 
     2º- a mandar fazer experiencias do côco babassú, como combustivel, nas estradas de ferro federaes e nas companhias de navegação subvencionadas pela União;
     3º- a, logo que se encerrar a Exposição Internacional do Centenario, transferir o Ministerio da Agricultura e todas as suas repartições e serviços, ora installados na Praia Vermelha, para o edificio do antigo Arsenal de Guerra e seus annexos.

      § 1º Além das repartições acima indicadas deverão ser transferidas para o mesmo edificio outras dependencias do dito ministerio que alli possam ficar localizadas sem prejuizo para o serviço, e que actualmente estejam funccionando em outros proprios nacionaes ou em predios ou salas alugadas por conta dos cofres publicos.

      § 2º Na parte terrea do alludido edificio será reservado espaço conveniente para o funccionamento de uma exposição permanente de productos Agricolas e industriaes, não só dos estabelecimentos de ministerio, como de estabelecimentos estaduaes, municipaes ou particulares e dos proprios productores ou fabricantes; devendo o Governo, para esse fim, expedir opportunamente as necessarias instrucções.

      § 3º O edificio da Praia Vermelha onde se acha actualmente o Ministerio da Agricultura será aproveitado para o funccionamento de uma ou mais das Escolas Superiores de Ensino subordinadas ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores, ou para a installação do Museu Historico Nacional, ou ainda para outros fins de utilidade pubiica, a juizo do Governo.

     4º- a installar uma usina electro-siderurgica annexa á Escola de Minas de Ouro Preto, podendo abrir, para esse fim, no actual exercicio, os creditos necessarios, até á importancia de 1.000:000$000;
     5º- a auxiliar os Estados que manteem o serviço de defesa do algodão e combate á lagarta rosada, sendo o pagamento em quantias iguaes ás quantias que gastam os Estados, especificadas nas suas leis orçamentarias, podendo abrir os respectivos creditos até a quantia de mil contos:
     6º- a abrir o necessario credito até 300:000$, para despender com a organização do Serviço Florestal do Brasil, creado pela lei n. 4.241, de 28 de dezembro de 1921, para pagamento do pessoal e do material indispensaveis ao inicio daquelle serviço, de accôrdo com o regulamento mandado organizar para execução daquella lei.
    7º- a promover a fundação da industria dos sub-productos do carvão nacional, benzóes, alcatrões, ete., e producção de energia electrica, contractando com as companhias que mineram carvão nacional ou outras que se organizarem especialmente para esse objectivo, a installação de usinas apropriadas, em troco de isenção de impostos federaes, direitos aduaneiros e de expediente por um prazo não excedente de 20 (vinte) annos e mais, favores que não importem em onus para o Thesouro Nacional, desde que essas emprezas se obriguem ao emprego exclusivo do carvão nacional para obtenção dos sub-produtos e producção de energia electrica;
     8º- a conceder á primeira empreza que se installar para tornar effectiva a applicação da aninga (Montrichardia arborescence-Schott) e outros vegetaes amazonicos, á producção industriaI de pôlpa e de papel, os seguintes favores: 
    

a) permissão para utilizar-se da aninga e outros vegetaes existentes em terrenos de marinhas;
b) permissão para aproveitamento da especie mineralogica denominada marcassite (bi-sulfureto de ferro prismatico) que existe em terrenos da União;
c) despacho livre de impostos aduaneiros dos machinismos e materiaes que importar para installação da fabrica propriamente dita e seus annexos, taes como: usinas de gaz sulfuroso e de enxofre, de soda caustica, de aIvejadores chimicos e electro-chimicos, de gelatina e analogos;
d) isenção, pelo prazo de 15 annos, de todos os onus federaes, creados e a crear, que gravam ou venham a gravar a exportação de pôlpa, papel e seus derivados;
e)

a concessão desses favores só se tornará effectiva si a empreza que se propuzer a obtel-os provar que dispõe de recursos technicos e financeiros que a habilitem a explorar a nova industria de modo proveitoso para o paiz; 9º- a alterar o regulamento da Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinaria, para o fim de transformar o seu curso de veterinaria, supprimindo cadeiras ou adaptando-as á fusão com a actual Escola de Veterinaria do Exercito, em cujas installações, inclusive o Hospital de Veterinaria, passará a funccionar, recebendo nos annos correspondentes os respectivos alumnos, mantendo um curso de enfermeiros veterinarios e um de ferradores e obrigando-se os seus professores de clinica ao serviço clinico do referido Hospital de Veterinaria que lhe será incorporado, abrindo-se os creditos ou modificando-os de accôrdo com a presente alteração;

10 - a crear o Conselho Superior do Commercio e da Industria, sob a presidencia do Ministro da Agricultura, Industria e Commercio, como orgão consultivo dos poderes publicos em assumptos commerciaes e industriaes, podendo para isso expedir os necessarios regulamentos

11 - a incentivar as industrias do carvão e do ferro, podendo auxiliar as emprezas que mineram o carvão e praticam a siderurgia excIusivamente com os minereos e combustiveis nacionaes e energia hydro-electrica, concedendo-lhes, além dos favores estabelecidos na lei de minas em vigor (decreto n. 15.211, de 28 de dezembro de 1921), os especiaes que se contêm nos decretos ns. 12.943 e 12.944, de 30 de março de 1918 (15 e 16);

Parágrpho único. Para tal fim são prorogados os prazos em vigor dos decretos 12.943 e 12.944, de 30 de março de 1918, durante o exercicio de 1923, ficando o Poder Executivo autorizado a abrir os necessarios creditos;

 

12-  conceder, em vez dos emprestimos a que se referem aquelles decretos, a garantia de juros, por prazo não excedente de trinta annos, ás emprezas ou companhias que se constituirem para o fim de explorar no paiz, sem privilegio, a industria siderurgica e que acceitarem o compromisso de fabricação de trilhos e do material para a superstructura metallica da viação ferrea, e ainda do material bellico de que o Governo houver necessidade;

Essas companhias empregarão minereos e combustiveis nacionaes;

a) na reducção do minereo empregarão de preferencia o "coke" nacional. Poderão tambem gosar dos mesmos favores as fabricas que empreguem energia hydro-electrica e carvão de madeira, desde que se obriguem ao replantio das florestas;
b) na conversão do gusa em aço será preferivel o emprego da esponja de ferro, para evitar o encarecimento do ferro velho ou succata, geralmente usado nessa operação.

      § 1º A garantia de juros não excederá de  7  1/2 % ao anno sobre o capital effectivamente empregado ou sobre parte desse mesmo capital.

      § 2º O Governo estabelecerá nos contractos as condições que julgar necessarias á efficiente fiscalização, e nelles determinará as condições de occupação temporaria, encampação e resgate das fabricas;

      §3º Nenhuma transferencia dos contractos poderá ser feita, após a cessação do regimen de garantia de juros, ou mesmo dada a desistencia desta por julgada desnecessaria, sem que o Governo seja indemnizado das importancias adeantadas e de outras resultantes dos favores concedidos. 

      13- a adquiri sementes, machinas agricolas, adubos e insecticidas e cedel-os pelo preço do custo aos agricultores, podendo para esse fim abrir creditos até a importancia de 1.000:000$000 e applicar o producto das vendas em novas acquisições; 
     14- a) a promover a organização de Comités permanentes do algodão, em cada Estado productor, composto de funccionarios federaes e estaduaes do Serviço do Algodão, por seis representantes do commercio, da agricultura, da industria e do commercio do algodão, e por tantos membros mais, quantos os municipios algodoeiros;
b) a reconhecer esses Comités como corpos consultivos para todos os assumptos attinentes ao desenvolvimento e melhoramento da cultura do algodão nos Estados;

      § 1º A usina constará de um forno de coke metallurgico com aproveitamento dos sub-productos; de um forno alto para gusa e de uma officina completa de fabricação de aço e laminação, além de pequena fabrica de cimento de escorias.

      § 2º Os artefactos produzidos, afóra os communs de typos commerciaes, serão principalmente destinados ao supprimento dos caminhos de ferro: eixos, rodas, aros, engates, freios, etc.

      § 3º A usina será mantida exclusivamente com o producto da venda dos materiaes nella fabricados, depositando a importancia das suas rendas no Banco do Brasil, e recolhendo trimensalmente os respectivos saldos ao Thesouro Nacional.

      § 4º Conseguida a demonstração a que se propõe a usina, e que deve resaltar de uma escripturação technica especial e minuciosa de todos as operações alli executadas, poderá o Governo arrendal-a ou vendel-a a particulares, sobre a base do custo real da sua installação, e de suas rendas.

      § 5º O Governo providenciará para que a marcha economica da usina, apezar de sua natureza commercial, tenha a fiscalização frequente da sua escripturação e das diversas operações, exercida pelos orgãos competentes da contabilidade publica.

      § 6º Os empregados e operarios admittidos especialmente aos serviços da usina não terão de modo algum os direitos de funccionarios publicos.

      § 7º O Governo abrirá os creditos necessarios, de accôrdo com os projectos elaborados pela Estação Experimental de Combustiveis e Minereos, approvados pelo director do Serviço Geologico e Mineralogico do ministerio da Agricultura.

      § 8º A execução das obras e a administração technica da usina ficarão sob a responsabilidade da Estação Experimental de Combustiveis e Minerios, e sob a orientação e direcção geral do director do Serviço Geologico e Mineralogico;

     17- a conceder um premio de animação de 30 contos de réis ao fabricante que apresentar dentro do prazo de seis mezes o melhor typo de apparelho de expurgo de sementes de algodão, sob a acção de ar quente, e com a capacidade diaria para tratar de 2 a 30 toneladas, segundo as conclusões da Conferencia Internacional Algodoeira e as instrucções formuladas pelo Serviço do Algodão; pendendo, para esse fim, ser aberto o necessario credito;
    18- a auxiliar a Alberto G. Hoepfner na demonstração da praticabilidade do seu systema de calçamento de borracha idéal Brasil, podendo, para esse fim, abrir os necessarios creditos e, si julgar conveniente, entrar em accôrdo com a Prefeitura do Districto Federal para que se façam ensaios do mesmo calçamento em alguns pontos, dos de maior transito, desta Capital; 
    19- a reorganizar os serviços de patentes de invenção e marcas de industrias e de commercio:

      § 1º No quadro da repartição prevista, não serão admittidas pessoas estranhas ao funccionalismo, sendo aproveitados apenas funccionarios effectivos ou addido já existentes nas diversas repartições federaes, e os recursos destinados ao pagamento dos mesmos;

      § 2º Os actos que para tal fim forem expedidos entrarão logo em vigor, ficando, porém, dependentes de approvação do Congresso;

     20- a conceder o premio de 200:000$, a cada uma das tres primeiras fabricas de aço electrico estabelecidas no Brasil dotadas portanto de forno electrico e laminador, com capacidade de produzir de oito a dez toneladas de aço em 24 horas.

      § 1º No caso de qualquer das tres primeiras fabricas produzir ou elevar a sua producção em 24 horas acima de dez toneladas, ser-lhes-ha concedido, além do premio estabelecido por este artigo, correspondente á producção minima de oito e maxima de dez toneladas, premio pago uma só vez, de 12 contos por cada tonelada acima das dez.

      § 2º Os favores acima estabelecidos só se tornarão effectivos si as installações respectivas e as condições economicas e financeiras das fabricas offerecerem garantias, a juizo do Governo no seu perfeito e regular funccionamento. 
     22- a conceder pelo prazo de cinco annos, ás tres primeiras emprezas idoneas, organizadas, no paiz, com capital não inferior a mil e quinhentos contos de réis para cada uma e que se obriguem:      

a) a incrementar a sericultura, propagando os methodos aperfeiçoados e adequados ao seu desenvolvimento;
b) a estudar os factores da producção sericigena e as epizootias que ataquem a producção, mantendo estabelecimentos e installações apropriadas e modernas para a reproducção, selecção e preparo e distribuição de um minimo de dez mil onças de sementes por anno;
c) a preparar, cultivar e distribuir modas das especies de amoreiras mais vantajosas á criação;
d) a ministrar a instrucção pratica gratuita da criação do bicho de seda, mantendo em zonas preferiveis escolas praticas ou criações modelos em um minimo de seis;
e)

garantir a compra de todos os casulos produzidos com as sementes que distribuir, mantendo um ou mais estabelecimentos de fiação e torsão do fio, com capacidade sufficiente para utilizaI-os, os seguintes favores:

1º - isenção de direitos de importação e mais taxas alfandegarias para todas as machinas, machinismos, apparelhos, laboratorios e accessorios e sobresalentes para os mesmos, destinados ás installações da empreza;
2º - um auxilio de dez mil réis (10), por onça de sementes seleccionadas que ceder aos criadores, até o maximo de dez mil annuaes, importancia que será, applicada em beneficio do criador com a reducção correspondente ao custo das sementes, que serão cedidas ao preço maximo de quinze mil réis (15) a onça;
3º - auxilio de cem mil réis(100) por milheiro de mudas de amoreiras que distribuir aos criadores e effectivamente plantadas, até o maximo de duzentas mil mudas por anno, importancia que será applicada em beneficio do criador com a reducção correspondente ao custo das mudas, que serão cedidas a cincoenta réis ($050) cada uma;
4º - premio de tres mil réis (3$000) por kilo de fio de seda produzido com casulos nacionaes, até o maximo de vinte e cinco mil kilos por anno.   

        23. A despender até a quantia de 1.200:000$ para montar ou adaptar apparelhos destinados ao beneficiamento e á queima do combustivel nacional; para verificar a possibilidade da substituição do carvão estrangeiro, total ou parcialmente, na fabricação do gaz de illuminação, de accôrdo com a clausula XIII do contracto firmado com a Société Anonyme du Gaz; e ainda a realizar, de collaboração com os departamentos technicos do Ministerio da Agricultura, experiencias de caracter industrial tendo em vista o melhor aproveitamento do carvão brasileiro.
       24. A contractar profissionaes norueguezes competentes para o ensino ás populações do Baixo Amazonas do processo de salgamento e preparo do bacalháo, applicado á industria da conservação do pirarucu, podendo abrir os creditos necessarios a esse fim, dentro das possibilidades do Thesouro
    

    Art. 81. Das subvenções e auxilios destinados ás escolas de ensino technico-profissional, agronomico, veterinario, commercial e demais estabelecimentos de ensino subvencionados pelo Ministerio da Agricultura, estipulados no n. VIII da verba 22ª, com excepção das decorrentes de lei especial, será deduzida a quota de 10 % para auxiliar as despesas com a inspecção e fiscalização dos mesmos estabelecimentos, de accôrdo com as instrucções expedidas pelo ministro.

     Art. 82. Ficam revigorados os saldos dos creditos abertos nos exercicios de 1920, 1921 e 1922 em virtude do decreto legislativo n. 4.017, de 9 de janeiro de 1920, que autorizou o Governo a proceder ao recenseamento geral da Republica, devendo ser os mesmos saldos applicados no pagamento das despezas com o pessoal e material necessario á apuração o publicação dos resultados do inquerito levado a effeito em 1 de setembro de 1920. 
     Por conta dos mesmos saldos poderão tambem ser pagos os compromissos do recenseamento relativos aos mencionados exercicios independente de processo de exercicios findos (17 a 20).

      § 1º Ficam, tambem, revigorados os saldos dos creditos abertos em virtude dos decretos ns. 15.789 e 15.868, de 8 e 29 de novembro de 1922, e 15.890, de 15 de dezembro de 1922 (21 a 24).

      § 2º Continuam em vigor os saldos dos creditos de 50:000$, cada um, da verba 22ª - "Subvenções e Auxilios", n. VII (para os trabalhos do 2º Congresso Americano de Expansão Economica e Ensino Commercial do Rio de Janeiro, em 1922), dos exercicios de 1921 e 1922 e, bem assim, o art. 106, lettra b, da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, afim de serem applicados á execução das resoluções desse Congresso, preparo o impressão dos seus annaes e trabalhos preparatorios do 3º Congresso Americano de Expansão Economica e Ensino Commercial, a realizar-se em Washington em 1924, mantida a franquia telegraphica e postal para a respectiva correspondencia (25).

      § 3º Continuam em vigor os saldos dos creditos da verba 11ª, do exercicio de 1916, da verba 21ª do exercicio de 1917, da verba 23ª do exercicio de 1918 e da verba 22ª dos exercicios de 1919 a 1922, destinados á subvenção á Associação Internacional de Sismologia, e, neste ultimo exercicio, tambem o do destinado á subvenção á Commissão Internacional da Hora, na parte da lei de fixação da despeza relativa ao Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio, para o fim de serem applicados ao pagamento da subvenção devida, no exercicio de 1922, á Union Géodésique et Geophysique Internationale e á Union Astronomique Internationale, á razão de 12.000 francos annuaes a cada uma dessas associações, ás quaes aquellas foram incorporadas.

     Art. 83. A Escola Normal de Artes e Officios Wenceslau Braz e as Escolas de Aprendizes Artifices poderão admittir operarios para o preparo de encommendas, percebendo estes o salario que fôr convencionado, a ser pago por conta dos 70 % da renda applicaveis por parte de cada escola na compra de materia prima para as suas officinas, não sendo concedidas outras vantagens aos alludidos operarios tarefeiros.      
     Os preços dos artefactos serão fixados de modo a não perturbar o necessario desenvolvimento licito da industria particular.

     Art. 84. Continuam em vigor as disposições dos arts. 67, 69 e 70 da lei n. 4.242, de 5 de janeiro de 1921, com as modificações aqui mencionadas; no art. 67, accrescentando-se, depois de «Algodão", o segunte: «Serviço de Sementeiras, pelos fornecimentos feitos nos termos do § 13 do art. 2º do regulamento approvado pelo decreto n. 14.325, de 24 de agosto de 1920"; e no art. 69, substituindo-se a citação «art. 114 do decreto n. 13.868, de 2 de novembro de 1919" pela seguinte: «art. 121 do decreto n. 15.770, de 1 de novembro de 1922 (26 a 28).

     Art. 85. Continuam em vigor as disposições constantes do art. 99, ns. 3, 8, 10 a 12, 14, 15, 16, 19 e 20, da Ixei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, bem assim os seus arts. 102, 104, 106, lettra a, 109, 111, 113, 118 e 121 (29 a 39).

     Art. 86. Fica revigorado, durante a vigencia da presente lei, o dispositivo do art. 28, III, da lei n. 3.991, de 5 de janeiro de 1920 (40).

     Art. 87. Continuam em vigor o art. 47, lettras a, b, e, f, r e s, e os arts. 51, 54, 63, 68 e 71 a 78 da lei n. 4.242, de 5 de janeiro de 1921, bem assim o art. 55, com a suppressão das palavras «nos terrenos vagos do Cáes do Porto» (37, 38, 39 e 41 a 52).

     Art. 88. Continuam em vigor as disposições constantes dos ns. XIV e XVI do art. 28 da lei n. 3.991, de 5 de janeiro de 1920 (53 e 54).

     Art. 89. Continúa em vigor o art. 99, n. 8, da lei numero 4.555, de 10 de agosto de 1922, que dispõe: E' o Governo autorizado a abrir os necessarios creditos para pagamento ás municipalidades e particulares que já o requereram ou requererem, de auxilios para construcção de estradas de rodagem, feitas até 31 de dezembro de 1921, uma vez verificado terem sido as mesmas construidas de accôrdo com as condições estipuladas pelo Ministerio da Agricultura».

     Art. 90. As companhias de seguros, para operarem em accidentes do trabalho, deverão préviamente submetter-se ás condições do art. 29 do regulamento approvado pelo decreto n. 13.498, de 12 de março de 1919 (55).

     Art. 91. Fica supprimido na Directoria do Serviço de Inspecção e Fomento Agricolas um logar de primeiro official e supprimida igualmente a gratificação annual de 3:600$ ao primeiro official que servir de secretario, cujas attribuições passam a ser exercidas pelo secretario, nomeado dentre os actuaes quatro primeiros officiaes.

     Art. 92. Fica o Poder Executivo autorizado a despender, pelo Ministerio da Viação e Obras Publicas, no exercicio de 1923, a quantia de 10.065:279$210, ouro, e 224.671:600$400, papel, com os serviços discriminados nas seguintes rubricas:

Verbas Total
    1ª - Secretaria de Estado:  
Consolidada.......................................................................................... 629:895$000
           Variavel................................................................................................. 167:720$000
    2ª - Correios:  
           Consolidada.......................................................................................... 22.424:215$000
           Variavel................................................................................................. 14.890:000$000
           Ouro...................................................................................................... 270:000$000
    3ª - Telegraphos:  
           Consolidada.......................................................................................... 18.843:100$000
           Variavel................................................................................................. 10.599:100$000
           Ouro variavel......................................................................................... 220:000$000
    4ª - Subvenções:  
           Variavel................................................................................................. 2.215:000$000
           Ouro variavel...................................................................................... 160:680$000
    5ª - Garantia de juros:  
           Consolidada.......................................................................................... 215:467$900
           Ouro...................................................................................................... 6.861:804$046
    6ª - Estrada de Ferro Federaes:  
    I - Estrada de Ferro Central do Brasil:  
Consolidada................................................................................................ 16.237:520$000
Variavel....................................................................................................... 73.643:980$000
    II - Estrada de Ferro Oeste de Minas:  
           Consolidada.......................................................................................... 1.653:780$000
           Variavel................................................................................................. 11.372:738$000
    III - estrada de Ferro Noroeste do Brasil:  
           Consolidada.......................................................................................... 1.703:580$000
           Variavel................................................................................................. 9.290:000$000
    IV - Rêde de Viação Cearense (Estrada de Ferro de Baturité):  
           Consolidada.......................................................................................... 1.093:680$000
           Variavel................................................................................................. 2.497:067$000
    V - Estrada de Ferro S. Luiz a Therezina:  
           Consolidada.......................................................................................... 465:180$000
           Variavel................................................................................................. 3.880:000$000
    VI - Estrada de Ferro Central do Piauhy:  
           Variavel................................................................................................. 1.250:000$000
           Ouro...................................................................................................... 100:000$000
    VII - Estrada de Ferro Central do Rio Grande do Norte........................... 1.000:000$000
    VIII - Estrada de Ferro Petrolina a Theresina:  
           Variavel................................................................................................. 2.000:000$000
           Ouro...................................................................................................... 200:000$000
    IX - Estrada de Ferro Therezopolis............................................................ 1.990:400$000
    X - Estrada de Ferro de Goiaz................................................................... 1.400:000$000
    XI - Rêde de Viação da Bahia................................................................... 2.500:000$000
 Dotação geral da verba 6ª:  
           Consolidada.......................................................................................... 21.153:740$000
           Variavel................................................................................................. 110.924:185$000
           Ouro..................................................................................................... 300.000:000$000
    7ª - Inspetoria Federal de Obras contra as Seccas:  
           Consolidada.......................................................................................... 618:600$000
           Variavel................................................................................................. 412:100$000
    8ª - Repartição de Aguas e Obras Publicas:  
           Consolidada.......................................................................................... 781:800$000
           Variavel................................................................................................. 6.686:320$000
    9ª - Inspectoria Federal de Portos, Rios e Canaes:  
           Consolidada.......................................................................................... 2.732:840$000
           Variavel................................................................................................. 5.062:080$000
    10ª - Inspectoria Geral de Illuminação:  
           Consolidada.......................................................................................... 193:277$500
           Variavel................................................................................................. 2.337:095$000
           Ouro - Variavel..................................................................................... 2.250:395$000
    11ª - Inspectoria Federal das Estradas:  
           Consolidada.......................................................................................... 1.478:160$000
           Variavel................................................................................................. 892:080$000
    12ª Inspectoria Federal de Navegação:  
           Consolidada.......................................................................................... 314:150$000
           Variavel................................................................................................. 119:600$000
           Ouro - Consolidada.............................................................................. 2:400$000
    13ª - Eventuaes................................................................................................... 200:000$000
    14ª - Empregados addidos.................................................................................. 880:985$000



     Art. 93. As consignações de material, que se fixarem annualmente, para os serviços da Estrada de Ferro Central do Brasil, serão distribuidas á thesouraria da mesma estrada, por semestres adiantados, em janeiro e julho, mediante prestação de contas, pela directoria, ao requisitar do Thesouro a quota correspondente ao segundo semestre do corrente anno, e deste por diante, da applicação que houver dado ao anteriormente recebido.

      § 1º As acquisições serão feitas sempre mediante concurrencia publica ou administrativa, a prazo curto, e para entrega immediata.

      § 2º Qualquer que seja o regimen de compra adoptado, ficará sempre dependente de approvação do ministro da Viação e Obras Publicas.

     Art. 94. Com a renda proveniente de uma elevação que estabeleça, até 10 %, em média, nas tarifas das estradas que administra, escripturada á parte esta receita, ou com outros quaesquer recursos ordinarios, ou extraordinarios, é autorizado o Governo a despender, até o limite das sommas abaixo discriminadas, com os serviços que a ellas correspondem, podendo abrir os necessarios creditos:

ESTRADA DE FERRO CENTRAL DO BRASIL

    1 - Duplicação do ramal de S. Paulo:      
Pessoal.................................................................................. 700:000$000    
Material.................................................................................. 1.300:000$000 ................. 2.000:000$000
    2 - Duplicação do trecho suburbano da linha auxiliar de Alfredo Maia a S. Matheus:      
Pessoal.................................................................................. 125:000$000    
Material.................................................................................. 125:000$000 ................. 250:000$000
    3 - Melhoramentos nas linhas, construcções de novos edificios, acquisição, reforma, reforço e montagem de superstructuras metallicas:      
Pessoal.................................................................................. 500:000$000    
Material.................................................................................. 700:000$000 ................. 1.200:000$000
    4 - Suppressão das passagens de nivel nos suburbios:      
Pessoal.................................................................................. 600:000$000    
Material.................................................................................. 900:000$000 ................. 1.500:000$000
    5 - Continuação do melhoramentos indispensaveis nas oficinas do Engenho de Dentro e do Norte, continuação da construcção das de Bello Horizonte, bem assim de armazem e linhas no pateo da estação da mesma cidade:      
Pessoal.................................................................................. 500:000$000    
Material.................................................................................. 1.100:000$000 ................. 1.600$000
    6 - Continuação dos prolongamentos e ramaes em construcção:      
Pessoal e material................................................................. ......................... ................. 6.000:000$000

ESTRADA DE FERRO OESTE DE MINAS

PESSOAL E MATERIAL      
Melhoramento da linha de Formiga a Patrocinio................... 700:000$000    
Construcção do ramal de Barra Mansa a Angra dos Reis e prolongamento do ramal que parte do kilometro 110 da linha de Sitio, ficando o Governo autorizado a adquirir o tercho já construido................................................................ 500:000$000 ................. 1.200:000$000

ESTRADA DE FERRO NOROÉSTE DO BRASIL

    Conclusão das obras da ponte do Paraná................... ......................... ................. 1.000:000$000

RÊDE DE VIAÇÃO CEARENSE

    Continuação dos prolongamentos e ramaes em construcção - Pessoal e material.......................................... ......................... ................. 5.532:000$000


     Art. 95. Fica o Governo autorizado a despender por operações de credito (apolices), podendo abrir os respectivos creditos, até o limite das sommas abaixo especificadas, com os serviços a que ellas correspondem:
 
Rêde de viação bahiana Pagamentos, segundo o contracto autorizado pelo decreto n. 14.068, de 16 de fevereiro de 1920:
Das obras previstas na clausula 39, § 1º, em virtude do que dispõe a clausula 50............................................................................. 11.180:000$000  
    Das obras previstas na clausula 63............................................ 500:000$000 11.680:000$000
    O Governo poderá realizar as operações necessarias para pagar as despezas em dinheiro, na fórma de contracto, no que exceder ao previsto na consignação respectiva da verba 6ª, inclusive quanto aos ramaes de Irará e Jacú e accesso dos trens á praça Deodoro, desapropriações, etc.    
    Estrada de Ferro Central do Brasil    
    Ramal de Juiz de Fóra (bemfica) a Lima Duarte e Bomjardim (inclusive para trilhos, no trecho já com leito preparado) ..................... ............................ 1.500:000$000
    Estrada de Ferro Oeste de Minas    
    Construcção do ramal de Barra Mansa a Angra dos Reis e ramal do kilometro 12 na linha de Sitio e do kilometro 110a Rezende Costa) .................................................................................................. ........................... 2.500:000$000
    Ramal do Paranapanema e Linha do Rio do Peixe    
    Para pagamento de obras e fornecimentos, Segundo o contracto autorizado pelos decretos ns. 12.479, de 23 de maio de 1917, e 12.491, de 31 de maio de 1917 .............................................. ............................ 7.100:000$000
    Ramal de Massiambú e prolongamento ao Estreito    
    Para pagamento de obras e fornecimentos, Segundo o contracto autorizado pelo decreto n. 13.583, de 7 de maio de 1919...................................................................................................... ............................ 2.500:000$000
    Ramal de Araranguá    
    Para pagamento de obras e fornecimentos, segundo o contracto autorizado pelo decreto n. 13.192, de 11 de setembro de 1918 ..................................................................................................... ........................... 3.000:000$000
    Ramal de Urussanga    
    Para pagamento de obras e fornecimentos, segundo o contracto autorizado pelo decreto n. 13.627, de 28 de maio de 1919..................................................................................................... ........................... 1.000:000$000
    Empreza Constructora do Rio Grande do Sul    
    Para pagamento de trechos de linhas a serem entregues, de accôrdo com a clausula IV do contracto de revisão, a que se refere o decreto n. 14.204, de 4 de junho de 1920, inclusive o ramal de Basilio a Jaguarão ................................................................................  ............................ 2.800:000$000
Estrada de Ferro Cruz Alta a Porto Lucena
    Construcção:    
    Pessoal .................................................................... .............................. 200:000$000
    Material (sendo 300:000$ para auxiliar a construcção dos nove primeiros kilometros do ramal de Porto Alegre a Viamão) ......................................................   650:000$000
    Ramal de Coroatá ao Tocantins    
    Para continuação dos trabalhos de construcção .............................. 1.000:000$000

Estrada de Ferro Petrolina a Therezina

    Para continuação dos trabalhos................................ .............................. 2.000:000$000


     Art. 96. Para execução do disposto em o n. 43 do artigo 97 do decreto n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, fica autorizada a abertura dos necessarios creditos ou a realização de operações de credito, até o maximo de 50.000:000$000. (O n. 43 do art. 97, acima referido, é o seguinte:
"Fica o Governo autorizado a restituir á Caixa Especial de Obras de Irrigação de Terras Cultivaveis no Nordéste Brasileiro as importancias pela mesma despendidas na construcção e apparelhamento das estradas de ferro e portos."


     Art. 97. Fica o Governo autorizado:

      I- A abrir creditos e fazer as necessarias operações de credito, afim de pagar despesas até a importancia total de 6.800:000$, effectuadas em 1922 com as seguintes obras constantes dos arts. 63, verba 16ª (ns. I, b, e IV), e 64 da lei n. 4. 555, de 10 de agosto do mesmo anno: construcção dos ramaes de Montes Claros e Ponte Nova, construcção de nova estação e abrigo de machinas em Bello Horizonte, duplicação do ramal de S. Paulo, suppressão das passagens de nivel nos suburbios e obras novas das linhas.
      II- A prolongar a Estrada de Ferro Central do Brasil, de Santa Barbara a Itabira de Matto Dentro com um ramal que, partindo das proximidades de Santa Barbara, vá a S. José da Lagôa, podendo, para esse fim, fazer quaesquer operações de credito.
      III- A revêr o projecto e fazez a construcção da linha ferrea da estação de Santa Cruz, da Estrada de Ferro Central do Brasil, ao ponto mais conveniente da linha do Centro, entre o rio S. Pedro e Queimados.
      IV- A mandar proceder á desobstrucção do leito do rio Sant'Anna, desde Santa Branca, na Linha Auxiliar (Rêde Fluminense), até Caramujos, na Estrada de Ferro Central do Brasil, podendo despender annualmente nesse serviço até cem contos de réis, até sua completa execução, dentro da primeira das sub-consignações de Material, para a Estrada de Ferro Central do Brasil.
      V- A, dentro da primeira das consignações de Material, para a Estrada de Ferro Central do Brasil, continuar as obras de rectificação do rio Parahybuna, em Juiz de Fóra, construcção de desvios, acquisição de terrenos necessarios á margem da linha, suppressão das passagens de nivel e construcção de passadiço, ligando a estação da Central á da Leopoldina.
      VI- A despender atá mil contos de réis com a continuação dos trabalhos do ramal de S. Pedro de Alcantara a Uberaba, passando por Araxá, na Estrada de Ferro Oeste de Minas, podendo abrir os necessarios creditos.
      VII- A conservar e movimentar o trecho da Estrada de Ferro do Tocantins, antiga Estrada de Ferro Norte do Brasil, já construido, empregando para esse fim o pessoal conveniente e abrindo os necessarios creditos até o montante de réis 300:000$000.
      VIII- A despender, com a Estrada de Ferro Central do Rio Grande do Norte, para o respectivo prolongamento, até mil contos de réis.
      IX- A despender até mil contos de réis com a construcção do trecho da Estrada de Ferro de Mossorá, entre a cidade deste nome e S. Sebastião, conclusão dos estudos até Caraubas, e, bem assim, a abrir o credito necessario para incorporar ás linhas ferreas federaes, mediante accôrdo com o Estado do Rio grande do Norte e os concessionarios daquella estrada, o trecho de Porto Franco a Mossoró, realizando as ligações e o prolongamento mais conveniente ao desenvolvimento da região e posterior arrendamento da rêde.
      X- A despender, até mil contos de réis, com a continuação dos trabalhos de construcção da Estrada de Ferro de Goyaz.
      XI- A despender até a quantia de 1.000:000$, com a acquisição de material rodante para a Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, afim de attender as necessidades do transporte de gado em pé de Matto Grosso para S. Paulo, podendo abrir os necessarios creditos.
      XII- A concluir a construcção da Estrada de Ferro de Jacuhy, no Rio Grande do Sul, e a fazer o seu prolongamento até o porto de Mauá, no mesmo Estado, podendo para isso abrir os necessarios creditos até a importancia de 800:000$000.
      XIII- A prorogar por mais cinco annos o prazo constante do decreto n. 7.148, de 8 de outubro de 1909, para a Companhia Mogyana de Estradas de Ferro e Navegação construir o prolongamento de sua linha até a cidade e porto de Santos, observadas as mesmas disposições do alludido decreto n. 7. 148, supra citado.
      XXV- A contractar a construcção e arrendamento, com a Companhia Estrada de Ferro e Minas de S. Jeronymo, do prolongamento de sua estrada de ferro, do kilometro 22 até attingir as bacias carboniferas e as de minerio de ferro e outras, na direcção da serra do Herval e com cerca de 190 kilometros, de accôrdo com os estudos definitivos e plantas feitas nessa extensão e approvados pelos decretos ns. 883, de 30 de maio de 1892, e 389, de 6 de maio de 1893, tudo no regimen do decreto numero 12.478, de 23 de maio de 1917, que autorizou o contracto de construcção da Estrada de Ferro de Tubarão a Araranguá, para servir as minas de carvão do Araranguá, no Estado de Santa Catharina, abrindo, para esse fim, os necessarios creditos, e emittindo as apolices dentro das seguintes condições:

a) a companhia cederá ao Governo os estudos definitivos na extensão de 189.195 kilometros, approvados pelos decretos ns. 883, de 30 de maio de 1892, e 389, de 6 de maio de 1893, desistindo a Companhia da respectiva concessão, e recebendo o valor dos estudos e concessão pelo preço, conforme consta dos balanços da companhia, que será pago pelo Governo Federal em apolices emittidas para esse fim;
b) a Companhia Estrada de Ferro e Minas de S. Jeronymo desistirá, sem direito a reclamação alguma, da garantia de juros de 6 % sobre o capital empregado na construcção, de 200 kilometros e concedido pelo decreto n. 906, de 18 de outubro de 1890, complemento do decreto n. 600, de 24 de julho de 1890;
c) as medições dos trabalhos realizados serão pagas em apolices, de accôrdo com a tabella approvada pelo Ministerio da Viação e Obras Publicas, que será igual á melhor tabella em vigor para as obras da mesma natureza;
d) os trabalhos deverão ter inicio, no maximo, seis mezes após a assignatura do contracto com o ministerio, e a respectiva emissão de apolices.


      XV- A contractar com o concessionario da estrada de ferro a que se refere o numero anterior, e nas mesmas condições, o prolongamento da referida estrada, até ligar-se com a Viação Ferrea Rio-Grandense, de um lado, nas cercanias de Bagé, e do outro, no municipio de Santo Amaro, na margem esquerda do rio Jacuby.
      XVI- A entrar em accôrdo com o Governo do Estado do Rio Grande do Sul para o fim de ceder a este a pedreira de Monte Bonito e o respectivo ramal ferreo, mediante condições, que serão estipuladas no contracto entre a União e o Governo do Estado.
      XVII- A applicar ás despezas resultantes de encommendas feitas em 1922 e de trabalhos a executar para o assentamento da ponte sobre o rio Paraná o saldo do credito para esse fim aberto pelo decreto n. 15.414, de 5 de setembro de 1922.
      XVIII- A despender até a quantia de 90:000$ (noventa contos de réis) para estender o abastecimento de agua potavel ás populações de S. João de Merity, Thomazinho e São Matheus, na Linha Auxiliar, municipio de iguassá.
      XIX- A despender até 1.500:000$ com a continuação da construcção da estrada de ferro de penetração no Estado da Parahyba, de Alagoa Grande a Patos.
      XX- A realizar as operações de credito e abrir os creditos necessarios á execução das providencias que julgar urgentes, afim de garantir o transporte, integral e opportuno, das safras do anno de 1923, nas regiões servidas pela The Great Western of Brasil Railway Company Limited.
      XXI- A entrar em accôrdo com o concessionario da linha ferrea de Bom Jardim a Sertãosinho, no Estado de Pernambuco, no sentido de ser levada a effeito a construcção daquella linha, podendo incorporal-a, si assim julgar conveniente, á rêde da Great Western of Brasil Railway Company, Limited.
      XXII- A mandar proceder aos estudos definitivos e á construcção do prolongamento da linha do Rio do Peixe, no Paraná, passando nas immediações de São Jeronymo, até alcançar o trecho navegaveI do rio Tibagy, na direcção da colonia de Jatahy, utilizando-se para esse fim do saldo da verba em apolices relativa ao exercicio de 1922 e destinada á construcção do ramal do Paranapanema e linha do Rio do Peixe, assim como na construcção dos mesmos ramaes, não excedendo o mencionado saldo.
      XXIII- A permittir á Companhia Estrada de Ferro São Paulo-Rio Grande empregar, no corrente exercicio, até a quantia de 1.000 contos, do saldo da arrecadação das sobretaxas dos fretes cobrados em suas linhas, na modificação do ramal do Rio Negro, entre Novo Capivary e Rio Negro, empregando rampas no maximo de 1,5 % e curvas de raio, no minamo, de 150 metros, subordinando-se os melhoramentos aos estudos já concluidos para a modificação alludida.
      XXIV- A conceder novos prazos para o cumprimento dos contractos de construcção de estradas de ferro, feitos de accôrdo com a lei n. 2.943, de 6 de janeiro de 1915, sem onus para o Thesouro Nacional e assignados durante o periodo da guerra; sendo, porém, os novos prazos contados para todos os effeitos a partir de 1º de janeiro de 1923, como se taes contractos tivessem sido assignados nesta data.
      XXV- A rever o contracto de arrendamento da Estrada de Ferro D. Thereza Christina e seus ramaes, de fórma a apparelhar essa estrada para o trafego intenso de carvão com locomotivas pesadas, reforçando ou substituindo as pontes, modificando trechos de linha e collocando lastro de pedra.
      XXVI- A tomar as providencias que julgar necessarias ,para assegurar a continuidade da navegação da Amazonia, inclusive a contractar o respectivo serviço, podendo despender, no exercicio de 1923, até o maximo de 2.430:000$000.

      § 1º A navegação estender-se-á, nos Estados do Pará, Amazonas, Matto Grosso e Territorio do Acre, pelas seguintes linhas:

A - Com inicio em Belém do Pará: 
      I- linha do Tapajoz, até a primeira cachoeira, com 12 viagens por anno; e no trecho acima das cachoeiras até os limites com Matto Grosso;
      II- linha de Maués, de Belém a Maués, com 12 viagens por anno;
      III- linha do Solimões-Javary, de Belém a Remate de Males, com 12 viagens por anno; IV, linha do Madeira, de Belém a Santo Antonio, com 12 viagens por anno;
      V- linha Purús-Acre, de Belém a Xapury e Senna Madureira, com sete viagens por anno;
      VI- linha do Oyapock, de Belém a Gayenna, com 12 viagens por anno, no minimo, pelos canaes de Maguary e Maracá;
      VII- linha de Pirabas, de Belém a Pirabas, com 12 viagens annuaes, no minimo;
      VIII- linha do Tocantins, com escalas por Abaeté, Igarapé-Miry, Cometa e Baião até Alcobaça;
      IX- linha do Xingú, entre Belém e Victoria, com 12 viagens por anno;
      X- linhas de Belém a Soure e de Belém a Cachoeira, no Estado do Pará.

B - Com inicio em Manáos:
      I- linha dos Autazes, de Manáos a Castello, com 12 viagens por anno;
      II- linha do Rio Negro, de Manáos a Santa Isabel, com 12 viagens por anno;
      III- linha do Madeira, de Manáos a Santo Antonio, com 12 viagens por anno;
      IV- linha do Purús-Acre, de Manáos a Xapury, a cinco viagens por anno, e de Manáos a Senna Madureira a cinco viagens por anno;
      V- linha do Juruá, de Manáos a Cruzeiro do Sul, com 12 viagens por anno.
     

     C - No Estado de Matto Grosso: 
      Linha do Rio Guaporé, entre as cidades de Matto Grosso e Guajará-Miry.

      § 2º O serviço será contractado com uma só empreza, não podendo ser parcellado, exceptuada unicamente a linha de Pirabas, tambem conhecida por linha de Salgado, que poderá ser incorporada á navegação costeira do Maranhão, com a obrigação de servir, na ida, como na volta, os portos paraenses, comprehendidos entre Belém e Vizeu.

      § 3º A concurrencia versará sobre as taxas de fretes e passagens, sendo preferido o proponente que os offerecer ao menor preo.

      § 4º Dentro da dotação fixada por este numero providenciará o Governo, pelo modo que julgar mais conveniente, no sentido de assegurar a continuação do actual serviço subvencionado de navegação fluvial da Amazonia, até que seja contractado e entre em vigor o serviço estabelecido neste mesmo numero, suas alineas, algarismos e paragraphos.

      XXVII- A conceder á Empreza Lloyd Maranhense e á Companhia Fluvial Maranhense, mediante as condições que estipular, a subvenção até 100:000$ annuaes a cada uma.
      XXVIII- A renovar com o Governo do Estado do Maranhão o contracto de navegação a que se refere o decreto n. 11.524, de 17 de março de 1915, podendo modificar as suas linhas e augmentar de 50:000$ a respectiva subvenção, abrindo para tornar effectivo o augmento os necessarios creditos;
      XXIX- A pagar á Companhia de Navegação Bahiana, a titulo de auxilio pelos serviços prestados, a subvenção decorrente de janeiro de 1922 até á data da celebração do contracto de que trata o n. 11 do art. 97 do decreto legislativo n. 4. 555, de 10 de agosto de 1922, na razão da subvenção estipulada no contracto de 24 de novembro de 1916, abaixo especificado, dividida esta pelos mezes anteriores até o dia em que fôr o novo contracto effectuado. Para ter logar o pagamento referido deverá a Companhia de Navegação Bahiana provar que fez ou prestou os serviços de que trata o contracto de 24 de novembro de 1916, celebrado em virtude do decreto n. 12.688, de 31 de maio de 1916, o qual foi rescindido, por mutuo accôrdo (decreto numero 14.948, de 17 de agosto de 1921), mas cujos serviços continuou, e continúa, a dita companhia a prestal-os mais amplamente até o porto desta Capital.
      XXX- A entrar em accôrdo com os contractantes da navegação do rio S. Francisco, ou outros, onde haja transporte de gado, no sentido de serem tomadas medidas que melhorem o respectivo serviço, podendo abrir os necessarios creditos, até o maximo de 300:000$000.
      XXXI- A dar preferencia na construcção de linhas telegraphicas aos municipios que offerecerem, gratuitamente, ou o Estado por elles, postes e casa para a installação do telegrapho;
      XXXII- A revigorar, no exercicio de 1923, os saldos dos creditos «Districto Radio Amazonas» e «Acquisição de material no estrangeiro», verificados no exercicio de 1922, na verba 3ª - Telegraphos.
      XXXIII- A, dentro dos limites expressos na consignação respectiva, executar os seguintes serviços, preferindo entre os mesmos aquelles que, a juizo dos orgãos technicos da administração, forem considerados mais urgentes: prolongamentos ou ramaes ou linhas telegraphioas - a de Lavras a Carmo, passando por Villa Nepomuceno, Tres Pontas e Dores da Boa Esperança; a de Cambuquira a Lavras, passando por Tres Corações, Carmo, Cachoeira e S. João Nepomuceno, no Estado de Minas Geraes; a de Santa Rita a Jatahy; as de Axirá a Miritiba, Itapicurá a Burity, passando por Vargem Grande e Chapadinha; Brejo a Santa Quiteria, Biachão a Victoria do Alto Parnahyba, e Pinheiro a Santa Helena, no Estado do Maranhão, a que deve servir a Aracy, Tucano, Pombal, Cicero Dantas e Geremoabo, a de Ituassú a bom Jesus dos Meiras, de Carinhanha a Santa Maria da Victoria, dahi a Correntina, de Ituassú a Conquista e do Rio Branco a Macahubas, de Barra do Rio de Contas a Itapura, de Capivary a Baixa Grande, de Nazareth a Jaguaripe, de Capivary a Orobó, de Cruz das Almas a Conceição do Almeida, no Estado da Bahia; de Porto Calvo a Leopoldina, de Porto Calvo a Porto das Pedras; de Camaragibe a S. Miguel dos Milagres; de Pão de Assucar a Bello Monte, de Traipú a Porto Real de Collegio, passando por São Braz, no Estado de Alagôas; da cidade de Tubarão, a S. Joaquim da Costa da Serra, no Estado de Santa Catharina: e de Tres Lagôas a Sant'Anna do Paranahyba, no Estado de Matto Grosso; e da estação de Correntes, no mesmo Estado, á Santa Rita do Araguaya.
      XXXIV- A abrir credito, ou creditos, ou realizar as operações necessarias, até o maximo de dous mil contos de réis, para o fim especial de construir, ou adquirir, por compra, edificios que sirvam á installação dos serviços de correio ou de telegraphos, nas capitaes dos Estados, ou nas suas cidades mais populosas, onde esses serviços funccionem em casas alugadas.
      XXXV- A, mediante concurrencia ou não, adquirir as caixas de correio precisas ao serviço de assignaturas, podendo celebrar contracto por mais de um exercicio.
      XXXVI- A despender até 200:000$ com a desobstrucção do Rio Grande, de Jaguara para baixo, de fórma a tomal-o navegavel no trecho comprehendido entre as estradas de ferro Mogyana e Paulista.
      XXXVII- A mandar effectuar a dragagem e realizar as obras de caracter urgente, de fórma a permittir o restabelecimento da navegação pela barra de Itapara e canal do Mar Pequeno, ligando Iguape a Cananéa, no Estado de S. Paulo. Para, realização de taes obras, que serão effectuadas de accôrdo com os estudos feitos e projectos organizados pela Inspectoria Federal de Portos, Rios e Canaes, poderá ser aberto o credito necessario, não excedendo de 1.000:000$ a despesa a effectuar no exercicio.
      XXXVIII- A, dentro da verba neste orçamento destinada a custear os serviços de melhoramentos dos portos de Santa Catharina, mandar proceder aos estudos do ponto mais conveniente para embarque do carvão nacional no interior ou proximo ás barras Norte e Sul da bahia de Santa Catharina.
      XXXIX- A conceder, da fórma ou pelo processo que julgar mais acertado, a exploração dos portos de Ilhéos e Cannavieiras, no Estado da Bahia, exigidas as condições da idoneidade do contractante e do limite maximo das taxas, que será o das que forem adoptadas para o porto de S. Salvador.
      XL- A arrendar os serviços do porto do Rio de Janeiro, mediante concurrencia publica.
      XLI- A, quando considerar opportuno mandar fazer, por engenheiros de reconhecida competencia, os estudos necessarios nos rios Purús, Yaco e Acre, afim de se tornarem navegaveis em todas as estações do anno, abrindo os necessarios creditos.
      XLII- A rever a concessões e contractos feitos a companhias ou emprezas siderurgicas, sem augmento de despesa ou de responsabilidade do Thesouro Nacional, e reduzindo o mais possivel os anus que delles resultem para o mesmo Thesouro Nacional e os entraves ao desenvolvimento para outras industrias que dessas concessões e contractos possam resultar.
      XLIII- A tomar ou promover as medidas que julgar necessarias a baixar o custo do transporte do carvão nacional dos centros de producção aos mercados consumidores, podendo abrir os creditos necessarios.
      XLIV- A reformar o Regulamento da Estrada de Ferro Oeste de Minas e reorganizar o quadro do pessoal, não se alterando a despesa de mais de 400:000$ sobre a despesa total actual, incluida nesta a parte resultante do art. 150 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, a qual parte fica extincta; abrindo-se para a execução deste artigo os necessarios creditos.
      XLV- A abrir os necessarios creditos afim de adaptar proprios nacionaes ao funccionamento de repartições installadas em predios alugados.
      XLVI- A reorganizar os serviços e repartições do Ministerio da Viação e Obras Publicas, podendo reunir em uma só duas ou mais dependencias do mesmo ou de outro Ministerio; passar encargos e pessoal de umas para as outras destas dependencias; e transferir de umas para outras verbas do orçamento ou de umas para outras consignações da mesma verba, os creditos necessarios á execução das reformas, tudo sem augmento da despesa total prevista nesta lei para os ditos serviços e repartições.
      XLVII- A rever os contractos de concessão, construcção, exploração ou arrendamento de estradas de ferro, portos e outros serviços, podendo modificar ou substituir as clausulas e as linhas e obras contractadas, prorogar, rescindir ou encampar os contractos que julgar conveniente e fazer, para a execução do disposto nesta alinea, as operações de credito e abrir os creditos necessarios.
      XLVIII- A despender até a quantia de 1.200:000$ para montar ou adaptar apparelhos destinados ao beneficiamento e á queima do combustivel nacional; para verificar a possibilidade da substituição do carvão estrangeiro, total ou parcialmente, na fabricação do gaz de illuminação, de accôrdo com a clausula.
      XIII- do contracto firmado com a Société Anonyme du Gaz; e ainda a realizar, de collaboração com os departamentos technicos do Ministerio da Agricultura, experiencias de caracter industrial tendo em vista o melhor aproveitamento do carvão brasileiro.
      XLIX- A rever os actuaes contractos de navegação subvencionada, de fórma a melhor distribuir entre, as emprezas favorecidas as linhas e escalas pelos differentes portos da Republica.
      L- A contractar com o Lloyd Brasileiro, dentro das subvenções que lhe forem concedidas de accôrdo com esta lei, por prazo de cinco annos, a navegação entre Montevidéo e Corumbá, Corumbá e Porto Esperança e Corumbá a Cuyabá.
      LI- A restabelecer a linha quinzenal de navegação rapida entre Belém e Manáos, outr'ora mantida pela Amazon Steam.
      LII- A, mediante concurrencia publica, subvencionar com a quantia de cem contos de réis, annuaes, repartidamente, o serviço de navegação regular nacional, para passageiros e cargas que se estabelecer no Alto e Baixo Paraná, e seus affluentes, sendo naquelle trecho, entre os portos Tybiriçá e Guayra, e neste, entre Porto Mendes e a Fóz do Iguasú, no Estado do Paraná, e Posadas, na Republica Argentina, sendo cincoenta contos para cada trecho, e devendo a empreza subvencionada realizar duas viagens mensaes entre os dois primeiros portos e quatro, tambem mensaes, entre os dois ultimos.
      LIII- A contractar, pelo prazo até 10 annos, o serviço de navegação do rio Parnahyba, mediante subvenção annual até 300 contos, dando preferencia ao Governo do Estado e abrindo os creditos necessarios.
      LIV- A entrar em accôrdo com os governos dos Estados e com as companhias que destes tenham concessões de estradas de ferro para o fim de incorporar estas linhas ás linhas federaes, estabelecendo as condições, os direitos e interesses da União e dos Estados, e unificar os respectivos contractos.
      LV- A despender até a quantia de 60:000$ com a abertura de uma estrada de rodagem de jusante a montante da cachoeira de Camanáos, no municipio de S. Gabriel, alto rio Negro, Estado do Amazonas, afim de, evitando os perigos dessa extensa quéda de agua, contornando todo seu percurso, facilitar as communicações com a séde daquelle municipio, de florescente commercio, e com a nossa fronteira ás Republicas de Venezuela e Columbia.
      LVI- A transferir ao Estado da Bahia a concessão sobre o serviço telephonico da capital daquelle Estado, entrando em accôrdo com os actuaes concessionarios do dito serviço, sem onus para a União.
      LVII- A estudar, projectar e orçar linhas de hydro-aviões nos rios em seguida mencionados, podendo, para isso, abrir creditos até o maximo da 400:000$, afim de solicitar do Comgresso Nacional os creditos precisos á construcção e apparelhamento das mesmas linhas.

      § 1º As linhas deverão ser estabelecidas nos rios São Francisco, Paraná, Paraguay e Grande e seus principaes affluentes, para montante e para jusante dos pontos em que estes rios são atravessados ou alcançados pelas Estradas de Ferro Central do Brasil, Noroeste do Brasil e Oeste de Minas, ás quaes ditas linhas deverão ficar subordinadas.

      § 2º os estatutos, projectos e orçamentos deverão ser realizados por uma commissão composta de tres engenheiros, representantes, respectivamente, de cada uma das estradas de ferro mencionadas, e de dois officiaes aviadores, indicados, respectivamente, pelos Ministerios da Guerra e da Marinha, todos sob a chefia e direcção do engenheiro representante da Estrada de Ferro Central do brasil.

      § 3º O Governo determinará igualmente, á commissão referida, o estudo de uma linha de hydro-avião entre Belém do Pará e Manáos.

     Art. 98. Os logares de inspectores de 2ª classe da Repartição Geral dos Telegraphos serão providos alternadamente por, accesso dos inspectores de 3ª classe, por merecimento, e por, telegraphistas da mesma repartição que forem diplomados em engenharia, cujo titulo esteja reconhecido e averbado nos respectivos assentamentos, sendo preferidos os que já tiverem serviços de campo em construcção de linha telegraphica, levando-se tambem em conta a apresentação ou publicação de trabalhos technicos, espontaneamente ou no desempenho de commissão e, na falta destes, por engenheiros, nos termos do § 2º do art. 323 e do art. 372 do regulamento da Repartição Geral dos Telegraphos.

     Art. 99. Os supprimentos aos escripturarios-pagadores continuam a ser feitos, como até agora, na conformidade do art. 258 do regulamento da Repartição Geral dos Telegraphos.

     Art. 100. Para o effeito das respectivas taxas, fica o serviço telegraphico, entre o Rio de Janeiro e Friburgo, equiparado ao serviço telegraphico entre Petropolis e esta Capital.

     Art. 101. Fica extensiva aos funccionarios dos Telegraphos a disposição do art. 9º da lei n. 2.842, de 3 de janeiro de 1913, determinando que as sobras dos creditos destinados a vencimentos fixos dos funccionarios postaes poderão ser applicadas nos pagamentos dos auxiliares admittidos para supprirem as faltas dos empregados afastados do serviço por licença ou por outros motivos.

     Art. 102. Continúa em vigor o dispositivo constante do art. 97, n. 56, do decreto n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, podendo o Governo celebrar contracto até tres annos e abrir, annualmente, os respectivos creditos.

     Art. 103. Fica o Governo autorizado a contractar com quem mais vantagens offerecer o fornecimento de caixas postaes para assignantes á Directoria Geral dos Correios, uma vez que o contractante se subordine a ser pago em varios exercicios, com a renda das mesmas caixas, que será affectada a esse serviço, abrindo o Governo, semestralmente, os creditos correspondentes.

     Art. 104. Ficam supprimidos do Regulamento dos Correios todos os artigos referentes a concurso de 3ª entrancia, bem como os relativos a intersticios para promoção de chefe de secção e de sub-director.

     Art. 105. A transformação do estafeta da Agencia do Correio de Aguas de S. Lourenço em carteiro da mesma agencia, determinado no art. 52, n. 2, da lei n. 3.991, de 5 de janeiro de 1920, deve ser entendida independentemente de qualquer, exigencia ou formalidade.

     Art. 106. As sobras dos creditos destinados a vencimentos fixos dos funccionarios postaes poderão ser applicadas nos pagamentos dos auxiliares admittidos para supprirem as faltas dos empregados afastados do serviço, por licenças e outros motivos.

     Art. 107. Fica revigorado para o exercicio de 1923 o saldo do credito aberto pelo decreto n. 14.206, de 5 de junho de 1920, para consolidação das linhas adductoras do abastecimento de agua á cidade do Rio de Janeiro.

     Art. 108. Fica revigorado o n. 52 do art. 97 do decreto n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, que autorizou a execução das obras urgentes para melhorar o abastecimento de agua da cidade do Rio de Janeiro; limitada, porém, a 5.000:000$ a importancia dos creditos que poderão ser abertos no exercicio de 1923.

     Art. 109. Ficam revigoradas as autorizações contidas nos ns. 24 e 35 do art. 97 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, passando as subvenções a ser pagas na razão de dous terços, ouro, a um terço, papel, e por trimestre adiantado, sem prejuizo da fiscalização pela repartição competente; e o Governo autorizado a pagar ao Lloyd Brasileiro por conta dos contractos previstos no art. 97, ns. 24 e 35, da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, as subvenções de que tratam o mesmo artigo e numeros relativos ao exercicio passado, abrindo, para esse fim, o credito especial necessario.

     Art. 110. Continúa em vigor o n. XXXVII do art. 83 da lei n. 4.242, de 5 de janeiro de 1921, relativo á navegação do rio S. Francisco, podendo ser o contracto feito, nas mesmas condições do serviço contractado com o Estado da Bahia, e podendo igualmente o Governo Federal reunir os dous serviços em um só.

     Art. 111. Continuam em vigor as autorizações conferidas ao Presidente da Republica pelo decreto n. 4.199, de 30 de novembro de 1920, para abrir creditos ou realizar operações de credito, afim de substituir a tracção a vapor pela tracção electrica na Estrada de Ferro Central do Brasil e executar as outras providencias constantes do mesmo decreto.

     Art. 112. Terão passagens gratuitas em todos os transportes maritimos, fluviaes e terrestres, mantidos pela União e por conta desta nas emprezas dos mesmos transportes subvencionadas por ella ou que gozem de garantias de juros ou tenham contracto de arrendamento com o Governo Federal:      

a) os funccionarios publicos, quando em objecto de serviço;
b) os membros do Governo, o Vice-Presidente da Republica e os membros do Poder Legislativo.


     Art. 113. Terão direito a passe livre annual nas linhas correspondentes da Estrada de Ferro Central do Brasil os engenheiros da Inspectoria Federal das Estradas, incumbidos da fiscalização das vias ferreas tributarias daquellas mencionadas estradas.

     Art. 114. Terão passagem gratuita nos trens de suburbios e pequenos percursos, nos carros de segunda classe, os estafetas e carteiros dos Correios a Telegrapbos, quando em serviço, convenientemente uniformizados.

     Art. 115. Terão passagem com abatimento de 75 % nos trens de suburbios e pequeno percurso os continuos, serventes e operarios da União.

     Art. 116. São cancelladas para todos os effeitos as punições que tenham soffrido em 1893 e 1894 os empregados da E. F. C. do Brasil, que serviram no periodo da revolta, salvo as penas disciplinares por falta de exacção no cumprimento de seus deveres profissionaes.

     Art. 117. Aos empregados da Estrada de Ferro Central do Brasil, aos quaes por conveniencia do serviço não forem concedidos os quinze dias de férias que a lei lhes garantiu dentro de anno, é facultado gozal-as englobada ou interpoladamente no anno seguinte.

     Art. 118. Continúa em vigor, na parte ainda não utilizada pelo Poder Executivo, a autorização constante da lei n. 4.242, de 5 de janeiro de 1921, art. 83, n. 5, renovada na lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, art. n. 61. (Eis o dispositivo alludido: «Fica o Governo autorizado a "arrendar ao Estado de Santa Catharina a Estrada de Ferro Santa Catharina, na parte em trafego de Blumenau a Hansa, a navegação Fluvial de Itajahy a Blumenau e contractar os prolongamentos da referida estrada, até a estação de Trombudo, e o porto da cidade de Itajahy, de accôrdo com os estudos e locação já feitos e approvados pelo Governo, fazendo para tal fim as operações de credito que julgar convenientes").

     Art. 119. Continúa em vigor o art. 87 da lei n. 4.242, de 9 de janeiro de 1921, que revigorou o art. 75, n. X, da lei n. 3.232, de 6 de janeiro de 1917, relativo á celebração de contractos de alugueis de casas e conducção de malas por tres annos.

     Art. 120. Ficam revigorados para o exercicio de 1923 os saldos do credito de 6.000:000$, para as estradas de ferro federaes dos Estados da Bahia, Sergipe e Norte de Minas Geraes (art. 64) da lei da despeza para 1922 e do de 10.000:000$, a que se refere a ultima parte do art. 76 da mesma lei.

     Art. 121. Fica revigorado para o exercicio de 1923 o saldo que existir em 31 de dezembro de 1922 do credito de 8.930:000$ aberto pelo decreto n. 14.144, de 17 de abril de 1920, para acquisição de material de transporte de passageiros e mercadorias para a Estrada de Ferro Central do Brasil.

     Art. 122. Ficam revigorados, para o exercicio de 1923, os saldos existentes em 31 de dezembro de 1922, dos creditos abertos pelos decretos n. 14.198, de 2 de junho de 1920, e n. 15.039, de 6 de outubro de 1921, destinado ás despesas de que trata o contracto celebrado em virtude do decreto n. 15.450, de 2 de abril de 1922, e, bem assim, o art. 96, n. XVI, da lei n. 4.242, de 5 de janeiro de 1921.

     Art. 123. Gosarão dos mesmos direitos concedidos aos empregados addidos, com os vencimentos que presentemente percebem, afim de serem proveitados nas primeiras vagas de amanuenses, os oito axtuaes empregados da repartição de Aguas e Obras Publicas, que tiverem titulo de nomeação da Repartição de Aguas, Esgotos e Obras Publicas e não foram aproveitados pelos regulamentos que baixavam com os decretos ns. 9.179, de 3 de novembro de 1911, e 11.515, de 4 de março de 1915.

     Art. 124. Fica incluida, no plano das estradas de rodagem, a cargo da Inspectoria de Obras contra as Seccas, no Estados da Bahia, a construcção da estrada ligando Alagoinhas a Inhambupe.

     Art. 125. Em cumprimento do que dispõe o decreto numero 12.943, de 30 de março de 1918, fica o Governo autorizado a abrir o credito necessario á construcção de dez kilometros de linha, que, partindo da estação de Lauro Müller, na Estrada de Ferro Thereza Christina, siga em continuação dessa via-ferrea, até a localidade denominada Rocinha, para dar escoamento á producção carbonifera das jazidas alli existentes, de propriedade da Companhia Nacional de Combustiveis.

     Art. 126. E' o Presidente da Republica autorizado a despender pelo Ministerio da Fazenda, no exercicio de 1923, com os serviços designados nas seguintee verbas as quantias de 66.625:796$504, ouro e 202.104:156$679, papel, e a applicar a renda especial nas quantias de 1.638:015$, ouro e, 14.009:500$, papel:

Verbas    Total
1ª - Juros, amortização e mais despesas da divida externa:  
   Em moeda esterlina (ouro) ................................................................ 4.909.261-0-6
   Em moeda nacional ao cambio de 27 d. (Consolidada - Ouro ......... 60.263:386$686
2ª - Juros e amortização do emprestimo externo para o resgate de titulos das estradas de ferro encampadas:  
   Valor do emprestimo em circulação (libras)....................................... 11.296.160
   Juros de 4 % e commissão ............................................................... 456.364-17-3
   Em moeda nacional ao cambio de 27 d. Consolidada (ouro) ........... 4.056:576$570
3ª - Juros e amortização da divida interna ................................................ 40.643:184$000
4ª - Juros de emprestimos internos ........................................................... 52.788:440$000
5ª - Inactivos, pensionistas e beneficiarios dos montepios ....................... 31.201:000$000
6ª - Thesouro Nacional:  
   Consolidada (ouro) ........................................................................ 56:400$000
   Consolidada (papel) ...................................................................... 2.873:839$560
   Variavel (ouro) ............................................................................... 36:633$248
   Variavel (papel) ............................................................................. 712:400$000
7ª - Tribunal de contas:  
   Consolidada .................................................................................. 1.976:720$000
   Variavel ......................................................................................... 738:330$000
8ª - Recebedoria do Districto Federal:  
   Consolidada .................................................................................. 635:920$000
   Variavel ......................................................................................... 531:109$232
9ª - Caixa de Amortização:  
   Variavel (ouro) ............................................................................... 100:000$000
   Consolidada (papel) ...................................................................... 510:160$000
   Variavel (papel) ............................................................................. 81:360$000
10ª - Casa da Moeda:  
   Consolidada .................................................................................. 813:433$700
   Variavel ......................................................................................... 1.328:740$000
11ª - Imprensa Nacional e *Diario Official":  
   Consolidada .................................................................................. 3.134:220$000
   Variavel ......................................................................................... 3.012:180$000
12ª - Laboratorios de Analyses:  
   Laboratorio Nacional de analyses da Capital Federal:
   Consolidada ................................................................................. 175:850$000
   Variavel ........................................................................................ 23:000$000
   Laboratorio de analyses da Alfandega de Santos:
   Consolidada ................................................................................. 43:500$000
   Variavel ........................................................................................ 10:000$000
   Laboratorio de analyses das alfandegas de Porto Alegre, Bahia, Recife, Belém e Manáos:
   Consolidada ................................................................................. 132:000$000
        Variavel ........................................................................................ 34:000$000
        Laboratorio de analyses das alfandegas de Corumbá, Fortaleza, Parahyba e Maranhão:
        Consolidada ................................................................................. 414:950$000
        Variavel ........................................................................................     79:800$000
13ª - Directoria de Estatistica Commercial:      
   Consolidada .................................................................................     534:000$000
        Variavel ........................................................................................     214:000$000
        Variavel (ouro) ..............................................................................     12:800$000
14ª - Inspectoria de Seguros:      
   Consolidada .................................................................................     440:800$000
        Variavel ........................................................................................     12:200$000
15ª - Administração e custeio dos proprios nacionaes:      
   Consolidada .................................................................................     40:240$000
        Variavel ........................................................................................     452:240$00
16ª - Delegacias Fiscaes:      
   Consolidada .................................................................................     3.468:510$000
        Variavel ........................................................................................     377:424$000
17ª - Alfandegas:      
   Consolidada .................................................................................     8.925:374$026
        Variavel ........................................................................................     4.415:290$587
18ª - Agencias aduaneiras, mesas de rendas, postos e registros fiscaes:      
   Consolidada .................................................................................     1.396:181$000
        Variavel ........................................................................................     655:881$998
19ª - Collectorias:      
   Consolidada .................................................................................     3:360$000
        Variavel ........................................................................................     6.014:640$000
20ª - Empregados addidos ..........................................................................     2.677:278$576
21ª - Fiscalização e mais despesas dos impostos de consumo, de transporte e do sello ............................................................................      7.122:000$000
22ª - Ajudas de custo ...................................................................................     230:000$000
23ª - Juros dos bilhetes do Thesouro ..........................................................     3.000:000$000
24ª - Juros do emprestimo do cofre de orphãos .........................................     300:000$000
25ª - Juros dos depositos das Caixas Economicas e Montes de Soccorro .............................................................................................................      13.000:000$000
26ª - Juros diversos .....................................................................................     50:000$000
27ª - Commissões e corretagens:      
   Variavel (ouro) ..............................................................................     100:000$000
        Variavel (papel) ............................................................................     118:000$000
28ª - Despesas eventuaes:      
   Variavel (ouro) ..............................................................................     1.800:000$000
        Variavel (papel) ............................................................................     1.650:000$000
29ª - Reposições e restituições:      
   Variavel (ouro) ..............................................................................     150:000$000
        Variavel (papel) ............................................................................     600:000$000
30ª - Exercicios findos:      
   Variavel (ouro) ..............................................................................     50:000$000
        Variavel (papel) ............................................................................     1.500:000$000
31ª - Substituições .......................................................................................     100:000$000
32ª - Obras ..................................................................................................     1.800:000$000
33ª - Inspecção das Repartições de Fazenda .............................................     500:000$000
34ª - Inspectoria Geral dos Bancos:      
   Pessoal (Variavel) ........................................................................     963:000$000
        Material (Variavel) ........................................................................     68:000$000
        APPLICAÇÃO DA RENDA ESPECIAL      
 1. Fundo de resgate do papel-moeda .....................................................     $
 2. Fundo de garantia do papel-moeda ....................................................     $
 3. Fundo para a caixa de resgate das apolices das estradas de ferro encampadas ........................................................................................      

    $

 4. Fundo de amortização dos emprestimos internos...........................................     $
 5. Fundo para as obras de melhoramentos dos portos........................................     $
 6. Fundo para as obras contra as seccas do nordeste brasileiro:      
   Variavel (ouro) ..............................................................................     1.638:015$000
        Variavel (papel) ............................................................................     14.009:500$000


     Art. 127. E' o Governo autorizado:

     1º A abrir, no exercicio de 1923, creditos supplementares, até o maximo de 5.000:000$, ás verbas indicadas na tabella que acompanha a presente lei. A's verbas - Soccorros publicos - e - Exercicios findos - poderá o Governo abrir creditos supplementares em qualquer mez do exercicio, comtanto que sua totalidade, computada com os demais creditos abertos, não exceda do maximo, fixado, respeitada, quanto á verba - Exercicios findos - a disposição da lei numero 3.260, de 3 de setembro de 1884, art. 11. No maximo fixado por este artigo não se comprehendem os creditos abertos aos ns. 5, 6, 7 e 8 do orçamento do Ministerio do Interior e ns. 1, 2, 3 e 4 do orçamento do Ministerio da Fazenda.
      2º A liquidar os debitos dos bancos, provenientes de auxilio á lavoura.
      3º A despender até 60:000$000, para os reparos de que carece o cruzador aduaneiro Dias da Silva.
     4º A estabelecer na Alfandega de Pelotas, sem augmento de despesa, o serviço de recebimento e expedição de colis-posteaux.
      5º A despender até a quantia de 100:000$000, para reconstrucção do edificio da Delegacia Fiscal de Goyaz, por Conta da verba 32 - «Obras.»
     6º, A conceder installação gratuita em algum proprio nacional á Sociedade de Geographia do Rio de Janeiro.
     7º A mandar fazer serviços extraordinarios para que sejam impressos com urgencia todos os volumes da introducção geral do Diccionario Historico, Geographico e Etno-graphico do Brasil que o Instituto Historico e Geographico Brasileiro preparou para commemorar o Centenario da Independencia Nacional, bem assim fazer na Imprensa Nacional a encadernação dos livros da bibliotheca do mesmo Instituto.
     8º A reorganizar todos os serviços de fiscalização subordinados ao Ministerio da Fazenda, sem augmento de despesa.
     9º A rever os regulamentos da Imprensa Naciona1 e «Diario Official», consolidando todos os dispositivos vigentes e modificando-os no sentido de melhorar a organização dos respectivos serviços, não sendo, porém, alterados os quadros do pessoal constante da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922.
     10. A modificar o titulo da moeda de prata corrente, empregando a lga adoptada para a moeda de prata ingleza, cunhada em virtude da lei denominada «The Amending act» (10 - George V, ch. 3).
     11. A elevar a 2 % a tolerancia de 1 %, para mais ou para menos, permittida na liga das moedas de cobre e aluminio.
     12. A reformar os regulamentos relativos á administração do Patrimonio Nacional, podendo impor multas até 10:000$, aos que se apossarem de proprios nacionaes e se obstinarem em não fazer entrega delles; estabelecer providencias para o exacto cumprimento do art. 10 da Constituição, simplificar o processo de arrendamento e aforamento dos bens nacionaes, afim de augmentar a renda que devem produzir.
     13. A ceder á Prefeitura do Recife os terrenos do antigo edificio da Delegacia Fiscal necessarios ao prolongamento da rua do Imperador até encontrar a rua da Praia, naquella cidade.
     14. A entrar em accôrdo com o Lloyd Brasileiro, para effectuar a sua reorganização nos moldes que julgar convenientes, alliviando o Thesouro de maiores onus e responsabilidades, podendo para isso alienar acções de sua propriedade a capitalistas nacionaes de reconhecida e comprovada idoneidade technica e conceder subvenções, favores e regalias que não excedam as que estão previstas no art. 97, n. 24, da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, para organizar um serviço regular de navegação que attenda aos interesses do commercio maritimo do paiz.

    Paragrapho unico. Para execeução deste dispositivo é o Governo autorizado a abrir os neccessarios creditos. 15. A abrir os creditos necessarios ao pagamento dos juros e amortizações da encampação da Estrada de Ferro Curralinho a Diamantina, realizada pelo decreto n. 15.844, de 14 de novembro de 1922.

     16. A mandar imprimir na Imprensa Nacional a continuação do «Indice Geral da Legislação Brasileira» no periodo republicano, adjudicando metade da edição ao seu auctor, Affonso Duarte Ribeiro, 2º escripturario do Thesouro Nacional. 
     17. A abrir o credito necessario para execução do artigo 162 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922.
     18. A abrir os creditos necessarios para pagamento de premios ás firmas e emprezas de construcção naval que requererem ou venham a requerrer para assignar no Thesouro Nacional o termo a que se refere o § 1º, alinea III, do artigo 162, da lei n. 3.455, de 6 de janeiro de 1918, e que iniciaram ou iniciarem o cumprimento da obrigação contrahida pelo dito termo.

     Os premios de que trata a referida lei, serão pagos parcelladamente, por navios já construidos, e sobre os que forem sendo julgados em condições de navegação maritima ou fluvial. 
     Caso o constructor não seja tambem armador, o premio só será pago áquelle, si este tomar o compromisso de não vender o navio premiado ao estrangeiro, sem prévia autorização do Governo e sob pena de entrada para os cofres publicos de quantia igual ao premio.
      Os estaleiros nacionaes que tiverem recebido auxilios do Governo amortizarão as respectivas dividas com o abatimento minimo de seis por cento (6 %) e maximo de vinte e quatro por cento (24 %) sobre o valor da factura das obras, abatimento de que tratam os arts. 162, alinea III, § 2º, da lei numero 3.454, acima citada, que fica, assim, interpretada, e 96, § 2º, da lei n. 4.242, de 5 de janeiro de 1921, podendo o Governo abrir tambem os creditos necessarios para a entrega de novos adiantamentos, nos termos dos contractos celebrados.
     19. A abrir o credito especial de 38.907$216, para pagamento ao cirurgião-dentista Rodolpho Chapot Prévost, em virtude de sentença judiciaria.
      20. A abrir os necessarios creditos para pagamento aos Drs. José de Souza Lima Rocha e Justo Rangel Mendes de Moraes, de todos os encargos provenientes das sentenças que obtiveram do Poder Judiciario contra a União Federal, abrindo tambem, si necessario, as respectivas folhas de pagamento.
      21. A abrir o credito especial de 230:000$ para pagamento da restituição de direitos aduaneiros pagos pela «Continental Products Company», em 1914, pela importação de machinismos e mais apparelhos destinados á installação do matadouro frigorifico de Osasco, Estado de S. Paulo.
      22. A abrir o credito necessario até 24:000$ para pagamento do debito da União á Prefeitura de Bello Horizonte, proveniente de taxas de agua e esgotos.

     Art. 128. Aos directores das Secretarias do Senado e da Camara dos Deputados, mordomia do Palacio da Presidencia da Republica e Secretario do Supremo Tribunal Federal serão entregues, em quatro prestações iguaes, adeantadas, no começo dos mezes de janeiro, abril, julho e outubro, mediante requisição equivalente ás quantias destinadas ao material das mesmas repartições incluidas na presente lei, e, integralmente, as concedidas em creditos concernentes á mesma verba - Material.

     Art. 129. Fica concedida aos delegados fiscaes nos Estados competencia para autorizar a livre entrada no paiz dos reproductores puros de gado das differentes raças, destinados ás exposições-feiras mediante requisição das associações locaes ou suas federações, onde as houver, desde que não sejam infringidos dispositivos regulamentares do Ministerio da Agricultura.

     Art. 130. O Governo mandará entregar á Municipalidade Jaraguá, no Estado de Goyaz, as quótas de remanescentes de loterias existentes em depositos e as que forem recolhidas ao Thesouro Nacional ou incluidas em creditos especiaes, destinadas pelo art. 207, da lei n. 3.454, de 8 de janeiro de 1918, ao Gymnasio Jaraguaense, creado na dita cidade de Jaraguá pela lei municipal n. 96, de 15 de maio de 1916, e actualmente mantido pela mesma municipalidade.

     Art. 131. As moedas de prata, que forem cunhadas de accôrdo com o art. 2º da lei n. 4.182, de 13 de novembro de 1920, a que se refere, o decreto n. 15.728, de 12 de outubro de 1922, bem como as de aluminio e cobre, creadas pela lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, art. 146, n. 1, a que se refere o decreto n. 15.620, de 19 do mesmo mez, poderão ser trocadas por notas circulares ou substituidas de quaesquer valores, dilaceradas ou não, recolhidas estas immeditamente á Caixa de Amortização afim de serem incineradas. O Governo expedirá instrucções para esse serviço, adoptando as medidas mais efficientes para garantir a effectividade da incineração do papel-moeda assim substituido.

      Paragrapho unico. Fica o Governo autorizado a abrir os necessarios creditos para cunhagem das referidas moedas.

     Art. 132. São prohibidos os estornos de verbas com o objectivo de supprirem-se deficiencias de umas com recursos de outras consignações ou sub-consignações orçamentarias.

     Art. 133. Durante o anno de 1923 não serão preenchidos os cargos civis ou militares vagos ou que se vagarem, com excepção dos que devam ser occupados por promoção ou accesso obrigatorio, em virtude de lei, e dos occupaveis por addidos, e dos que não tenham substitutos legaes.

     Art. 134. Durante o exercicio de 1923 não serão admittidos funccionarios extra-numerarios ou extraordinarios; e o como diarista só serão admittidos operarios trabalhadores, aos preços correntes dos seus serviços não podendo exceder, de 10$ a diaria para nenhum delles.

     Art. 135. Durante o anno de 1923, os trabalhos das repartições publicas ficarão adstrictos aos funccionarios constantes dos respectivos quadros, salvo o aproveitamento de addidos, ou de technicos de contabilidade por partidas dobradas.

     Art. 136. São prohibidas as diarias chamadas corridas, ou de todo o mez não podendo nenhum funccionario receber a esse titulo mais de 130 dias em um anno, salvo em funcção de fiscalização de arrecadações no Ministerio da Fazenda, e por prazo préviamente determinado pelo Ministro.

     Art. 137. Durante o anno de 1923 nenhum funccionario civil ou militar poderá receber, sob pretexto algum, mais de uma ajuda de custo, salvo decreto especial, referendado pelo Presidente da Republica, em casos em que algum texto legal permitta a concessão.

     Art. 138. Os serviços das repartições ficarão limitados aos recursos consignados nas tabellas orçamentarias, cabendo aos respectivos directores ou chefes, sob pena de responsabilidade, limitar a actividade dos trabalhos dessas repartições aos lucros de cada consignação, restringindo ou supprimindo tudo o que possa occasionar exigencia de supplementação, incluidos nestas regras os serviços de collectividade civil ou militar.

     Art. 139. Durante o exercicio de 1923, não serão concedidas a pretexto algum gratificações que não resultem de texto expresso de lei e regulamento não sendo permittidas as concedidas em virtude de outros actos administrativos, salvo as gratificações previstas pelos respectivos regulamentos para o pessoal dos gabinetes dos Ministros de Estado.

     Art. 140. Durante o anno de 1923, não se farão novos contractos nem se, renovarão os existentes, para admissão de pessoal, salvo professores e technicos especialistas.

     Art. 141. O Governo fará a revisão das quotas das recebedorias e collectorias para reduzir equitativamente a despesa a este titulo.

     Art. 142. Ao fazer os supprimentos ás contabilidades da Guerra e da Marinha o Thesouro descontará, deixando de as remetter, as importancias correspondentes ao montepio civil e militar, para soffrerem movimento a juro conveniente.

     Art. 143. Todos os vencimentos, gratificações, ajudas de custo e quaesquer outras despesas com o pessoal no estrangeiro serão pagas ao cambio de 27 d. por mil réis.

     Art. 144. O Governo reduzirá ao minimo o emprego dos automoveis nas diversas repartições e serviços publicos.

     Art. 145. Os augmentos de vencimentos ex-vi da lei numero 4.555, de 10 de agosto de 1922, são favor especial, de interpretação respectiva, não podendo servir de base a outros augmentos que na mesma lei sejam expressos, denominados soldos de engajados, reengajados, gratificações de comportamento, addicionaes de 10 %, 15 %, etc.

     Art. 146. Não são permittidas, nas corporações armadas, os pagamentos de rações em dinheiro por desmuniciamento em periodo de licença.

     Art. 147. Os alumnos das Escolas Militares e Naval terão vencimento mensal de 50$000.

     Art. 148. Ficam suprimidas as gratificações, diarias ou quaesquer pagamentos, mesmo admittidos em regulamentos, que sob quaesquer titulos sejam abonadas aos directores, sub-directores, ou chefes de repartição, mesmo a titulo de conducção especial, bem como aos funccionarios ou empregados da repartição, por serviços executados nas horas de expediente, ainda mesmo que se trate de serviço especial.

     Art. 149. Nas folhas de pagamento dos funccionarios civis e militares serão tomadas em consideração e descontadas pelas pagadorias as consignações feitas á sociedade beneficente Centro Militar Beneficente, como é feito com as sociedades congeneres.

     Art. 150. Fica transferido o saldo das quotas lotericas do Instituto Salesiano do Districto Federal, correspondente ao anno de 1922, depositado no Thesouro Federal, para a Escola Agricola Salesiana S. Gabriel, Rio Negro, Amazonas, podendo ser pago no corrente exercicio.

     Art. 151. O art. 150 e seus paragraphos da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, serão interpretados e executados dentro das seguintes regras:

      I- Os augmentos provisorios, fixados pelo art. 150 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922, terão como maximo a imrportancia de 300$ mensaes, e não attingirão aos funccionarios, mensalistas, diaristas e jornaleiros, constantes do § 2º do mesmo artigo, nem ao pessoal contractado, nem ao pessoal pago pela verba «Material», nem ao pessoal extraordinario admittido para execução de obras novas, reparações, construcções de estradas de ferro e melhoramentos de portos, nem ao pessoal das obras do nordeste e do saneamento e prophylaxia rural dos Estados, como sómente applicaveis aos funccionarios, mensalistas, diaristas e jornaleiros, pagos pela verba «Pessoal», das tabellas orçamentarias e não sendo comprehendidas para a sua applicação quaesquer gratificações addicionaes, extraordinarias, regulamentares ou especiaes e commissões, e as diarias dadas a funccionarios e mensalistas.
      II- Os augmentos concedidos nos termos do paragrapho anterior só cabem a funccionarios em effectiva actividade de serviço publico, não podendo ser extensivos aos inactivos, seja, estes de logares extinctos, addidos, em disponibilidade, sem effectivo exercicio por qualquer motivo, ou sejam aposentados, jubilados, ou mesmo simplesmente licenciados, excepto quanto a estes ultimos, os licenciados para tratamento de saude.
      III- Os augmentos concedidos pelo n. I não são extensivos a funccionarios ao quaes lei especial haja porventura permittido accumulação de cargo, ou só federaes, ou federaes, com municipaes ou estaduaes.
      IV- As excepções do § 5º do art. 150 da citada lei numero 4.555, ficam reduzidas exclusivamente aos cargos do chefe de serviço e dos de confiança immediacta do Governo.
      V- O Governo abrirá os necessarios creditos para cada repartição ou serviço dos diversos ministerios até o maximo de 75.000:000$, para pagamento em 1923, de 75 % dos augmentos provisorios de vencimentos mensalidades, diarias e jornaes a que se refere o presente artigo; effectuado no primeiro semestre o pagamento dos referidos 75 % e sendo no segundo semestre determinada a percentagem de reducções, quando necessaria, para não ser excedido aquelle maximo de 75.000:000$000.
      VI- Os que receberam no exercicio do 1922 augmentos indevidos, por erronea ampliação do art. 150 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1902, ficam relevados da restituição do excesso recebido, ficando considerado esse pagamento indevido como dadiva do centenario, feita pela Nação a esses seus servidores.

     Art. 152. As despesas dos estabelecimentos subvencionados ou auxiliados pela União serão examinadas e julgadas pela directoria da contabilidade do ministerio respectivo mediante exhibição de balancetes pelos referidos estabelecimentos. Havendo duvida sobre a legitimidade de qualquer despesa poderá a directoria de contabilidade do ministerio, a que estiver affecto o auxilio ou subvenção, exigir o documento originario comprobatorio da despesa, o qual será devolvido depois de examinado, e não poderá ser pago nenhum auxilio ou subvenção, sem que haja sido approvado pelo ministerio respectivo o balancete relativo á applicação do pagamento correspondente ao exercicio anterior.

     Art. 153. Os funccionarios addidos, de cargos extinctos, quando em commissão de caracter technico que só tenha gratificação fixada por lei, desde que contem mais de 35 annos de serviço publico com direito a aposentadoria, e mais de 6 de exercicio na referida commissão, poderão aposentar-se com as vantagens constantes do art. 1º da lei n. 2.992, de janeiro de 1920.

     Art. 154. Aos directores e chefes de repartições e serviços do Ministerio da Fazenda poderão ser feitos supprimentos de fundo necessarioa á compra de combustivel, materias primas para officinas e artigos de consumo e de expediente, bem assim o supprimento necessario ás despesas miudas e do prompto pagamento, devendo ser feita trimestralmente a comprovação das respectivas despesas.

     Art. 155. O Tribunal de Contas deliberará com a maioria de seus membros sobre todos os assuptos de sua competencia, ficando extinctas as varias camaras em que ora se divide.

     Art. 156. Aos auditores do Tribunal de Contas é permittido acceitar commissões temporarias que lhes sejam confiadas pelo mesmo Tribunal, ou, com licença deste, pelo Governo.

     Art. 157. Fica incorporada á legislação em vigor o seguinte dispositivo: «Sempre que o Tribunal de Contas tenha recusado ou venha a recusar registro a qualquer contracto, cujas despesas não corram por verba orçamentaria ou não tenha por assento lei especial que as autorize em quantia certa e determinada, annualmente, ou em sua totalidade, a execução do mesmo contracto ficará dependendo da approvação do Congresso Nacional. Na hypothese do Congresso recusar esta approvação, o contractante não terá, direito a nenhuma, indemnização».

     Art. 158. Ficam revigoradas, para o exercicio de 1923, as autorizações constantes dos ns. XX a XXV do art. 96 da lei n. 4.242, de 5 de janeiro de 1921, podendo o Governo abrir os necessarios creditos.

     Art. 159. O paragrapho do art. 27 do Regulamento de Facturas Consulares, baixado com o decreto n. 14.039, de 29 de janeiro de 1920, fica assim modificado: As divergencias em peso, verificadas em acto de conferencia ou por via de qualquer outra diligencia fiscal, são passiveis da mesma multa quando o accrescimo exceder de 10 % ou os direitos respectivos montarem a importancia maior de 100$000 Para a applicação desta multa será computado o peso verificado na totalidade dos despachos, quando occorrer o desdobramento da factura em varios despachos, cabendo a multa ao funccionario que apurar a differença.

     Art. 160. Os saldos de penhores vendidos nas casas do emprestimos sobre penhores continuarão a ser recolhidos ás Caixas Economicas, nos termos do art. 9º, § 2º, do decreto n. 2.962, de 14 de novembro de 1860.

     Art. 161. Ficam approvados todos os regulamentos para cobrança e fiscalização de taxas e impostos, expedidos em virtude de decreto do Poder Executivo até a data desta lei.

     Art. 162. Fica approvado o regulamento expedido com o decreto n. 15.783, de 8 de novembro de 1922, em cumprimento ao disposto no art. 106, da lei n. 4.536, de 28 de janeiro do mesmo anno para execução do Codigo de Contabilidade Publica.

     Art. 163. Para a cobrança do imposto do sello, a que se refere o decreto n. 14.339, de 1º de setembro de 1920, e os anteriores, consideram-se «actos», nos processos judiciaes, todos os termos lançados pelos escrivães ou seus substitutos legaes, ficando sujeitos ao sello cada um desses termos, ainda que lançados na mesma folha.

      § 1º O Ministro da Fazenda, para a bôa execussão dos decretos alludidos e exacta fiscalização do imposto, sempre que entender conveniente, poderá, mediante entendimento com as autoridades judiciarias competentes, ordenar verificações em exame nos cartorios judiciaes ou de tabelliães de notas, restrictas, porém, essas deligencias tão sómente ao modo do cobrança do imposto do sello nos differentes papeis, documentos, livros, ou processos respectivos, em andamento ou archivados nos referidos cartorios.

      § 2º Em caso algum os exames ordenados deixarão de ser permittidos, constituindo a recusa embaraço opposto á fiscalização pelo qual incorrerão os que a oppuzerem na multa de dois a cinco contos de réis.

     Art. 164. O serviço de lançamento de imposto e taxas a cargo da Recebedoria do Districto Federal será feito exclusivamente por lançadores destinados annualmente pelo director da repartição, modificado assim o disposto no art. 58 e paragraphos do decreto n. 14.162, de 12 de maio de 1920.

     Art. 165. Todas as taxas e emolumentos arrecadados pelo Conselho Superior de Ensino, a qualquer titulo, devem ser recolhidos ao Thesouro Nacional, mediante as devidas guias. A despesa autorizada por lei, que deva correr por tal receita, será paga tambem no Thesouro Nacional ou nas repartições de Fazenda, suas delegacias, mediante pedido do Conselho, de accôrdo com as autorizações geraes expedidas pelo Ministerio da Justiça e Negocios Interiores. Ao Thesouro Nacional será igualmente recolhida a quantia actualmente depositada no Conselho Superior de Ensino, e que será apurada, de conformidade com as instrucções dadas pelo Ministerio da Justiça e Negocios Interiores.

     Art. 166. A pensão concedida pelo decreto n. 2.553, de 10 de jaeiro de 1912, é considerada sem desconto algum.

     Art. 167. Não são extensivas aos trabalhos do recenseamento as restricções a que se referem os arts. 134, 135, 138, 139 e 148 desta lei, por se tratar de um serviço de natureza transitoria ordenado por lei especial do Congresso (lei n. 4.017, de 9 de janeiro de 1920) e convenientemente regulamentada pelo Governo (decreto n. 14.026, de 21 de janeiro de 1920), serviço necessario para a regularidade da administração publica.

     Art. 168. Ficam extensivos ao Banco do Credito Auxiliar os favores concedidos ao Banco Predial do Estado do Rio de Janeiro, ao Montepio dos Servidores do Estado e ao Banco de Credito Rural e Internacional.

     Art. 169. Para o effeito da expedição dos respectivos titulos, as dactylographas do Thesouro Nacional terão os vencimentos, divididos em dois terços de ordenado e um terço de gratificação, como as actuaes dactylographas da Contadoria Central da Republica.

     Art. 170. Em curnprimento do art. 5º do decreto numero 15.219, de 19 de dezembro de 1921, ficam incluidos entre os addidos do Ministerio da Fazenda os fieis de armazem de encommendas postaes do Amazonas e Pará, extinctos em virtude do decreto n. 15.253 de 5 de janeiro de 1921 e mandados incluir no quadro do pessoal das alfandegas de Manáos e Belém pelo art. 4º do citado decreto n. 15.219, fixados os vencimentos de accôrdo com os demais fieis das mesmas alfandegas.

     Art. 171. Ficam incorporados ao patrimonio do Hospital Nacional de Alienados os bens moveis immoveis e semoventes da Assistencia de Alienados, comprehendendo as colonias de alienados de Jacarépaguá e de Engenho do Dentro.

     Art. 172. A prohibição aos funccionarios publicos de contractar ou dirigir companhias, emprezas ou estabelecimentos, constantes do n. V § 2º, art. 132 da lei n. 3.089, de 8 de janeiro de 1916, e outras, não comprehende os casos de natureza technica ou profissional.

     Art. 173. As operações de seguros operarios, realizadas por Companhias ou Syndicatos especialmente organizados para esse fim, ou por Companhias que explorem outros ramos de seguro ficam sob a fiscalização da Inspectoria de Seguros, e os actuaes fiscaes daquellas companhias e syndicatos incorporados ao quadro de fiscaes da mesma Inspectoria e a elles equiparados, abrindo o Governo os creditos necessarios.

     Art. 174. O Governo poderá acceitar proposta de accôrdo para a execução da sentença do Supremo Tribunal Federal, passada em julgado e proferida na acção proposta contra a União pela viuva de Antonio Pinto Palmeira da Fontoura. A proposta sómente será tomada em consideração si da carta de sentença constar terem sido exggotados pela União todos os recursos de defesa na acção, si a parte abrir mão de juros de custas, e si declarar receber o quantum que fôr liquidado em apolices federaes que, para o respectivo pagamento, fica o Governo autorizado a emettir.

     Art. 175. E' concedido no Cáes do Porto, á fundação Oswaldo Cruz, o terreno necessario, comprehendido na parte livre do lote L, situado na praça Santo Christo, para a construcção do «Instituto do Cancer», destinado ao tratamento dos cancerosos e ao estudo experimental dessa molestia.

     Art. 176. A pensão especial concedida á viuva de Benjamin Constant Botelho de Magalhães e que o art. 145 do decreto n. 4.555 de 10 de agosto de 1922, mandara reverter, emquanto solteira, a D. Aracy Constant Botelho de Magalhães, sem prejuizo dos montepios civil e militar, deve ser paga á beneficiada desde a data, de fallecimento de sua mãe, a referida viuva de Benjamin Constant, Botelho de Magalhães.

     Art. 177. Fica em vigor o art. 25 da lei n. 4.555, de 10 de agosto de 1922.

     Art. 178. Fica substituido o paragrapho unico do art. 78 do decreto n. 15.770, de 1º de novembro de 1923, pelo seguinte: Não estão sujeitos a penas disciplinares os ministros auditores, representantes do Ministerio Publico e seus adjuntos.

     Art. 179. Ficam os interessados autorizados a elevar até a metade dos seus vencimentos a consignação referida no art. 1º do decreto n. 13.234. de 5 de janeiro de 1917, relativo á construcção e acquisição de immoveis.

     Art. 180. Accrescentem-se ao art. 90 da lei n. 4.182, de 13 de novembro de 1920, modificada pelo art. 50 da lei numero 4.230, de 31 de dezembro de 1920, as seguintes disposições:      

a) para os bancos com capital realizado superior a réis 1.000:000$ e que tenham permissão para operar com funccionarios publicos, civis ou militares, mediante consignação, nas respectivas folhas de pagamento, fica reduzido a mil contos de réis o maximo do capital realizado, exigido pelo regulamento da Carteira de Redesconto para ter direito a redescontar de cada titulo que apresentarem a redesconto;
b) fica entendido que as notas promissorias ou letras de cambio apresentadas a redesconto por esses bancos, não devem ter vencimentos superiores aos prazos maximos estipulados pelo regulamento da Carteira de Redesconto e conterão, alem da firma do funccionario publico, civil ou militar que contrabe o emprestimo e que deve ser empregado de quadro ou titulado que esteja no exercicio de suas funcções, outra firma que tambem póde ser de funccionario publico, satisfazendo essas mesmas condições e, bem assim, sendo a taxa da Carteira de Redesconto de 6 % (seis por cento) ao anno, os juros cobrados pelos mesmos bancos aos funccionarios publicos não devem ser superiores a 12 % (doze por cento) ao anno.


     Art. 181. E' extensiva á Sociedade Mutuaria Brasileira, devidamente constituida e registrada a permissão dos arts. 197 da lei n. 3.232, de 5 de janeiro de 1917, e 216, da lei n. 3.454, de 6 de janeiro de 1918.

     Art. 182. Fica vigorado o disposto no art. 116 da lei n. 4.242, de 5 de janeiro de 1921.

     Art. 183. Ficam extensivos á Sociedade Beneficente dos Funccionarios Federaes os favores concedidos ao Banco dos Funccionarios Publicos, Montepio dos Servidores do Estado e ao Banco Predial do Rio de Janeiro, para operar com os funccionarios publicos, civis e militares.

     Art. 184. E' applicado ao contracto celebrado em 25 de março de 1922, e publicado no Diario Official, de 5 de maio seguinte, á pag. 8.722, quanto a parte de fornecimento a ser feito em 1923, a regra estatuida no art. 163, III, da lei numero 4.555, de 10 de agosto de 1902.

     Art. 185. Os agentes fiscaes do imposto de consumo continuarão a perceber os mesmos vencimentos constantes da tabella respectiva, organizada na fórma do disposto no art. 25 da lei n. 641, de 14 de novembro de 1890, devendo entrar, conforme até aqui tem entrado, no computo da renda, para o calculo da percentagem, o producto da venda do sello do imposto de consumo, destinado aos productos estrangeiros, cujo devido emprego lhes cumpre fiscalizar.

     Art. 186. Ficam approvados os creditos na somma de 351:438$706, ouro, e 133.057:718$521, papel, constantes da tabella A.

     Art. 187. Revogam-se as disposições em contrario.

Rio de Janeiro, 6 de janeiro de 1923, 102º da Independencia e 35º da Republica.

ARTHUR DA SILVA BERNARDES
R. A. Sampaio Vidal

TABELLA A

    Leis ns. 589, de 9 de setembro de 1850, art 4º § 6º e 2.149 de 25 de agosto de1878, art. 20

    Creditos abertos de 1 de janeiro de 1921 a 31 de março de 1922, por conta do exercicio de 1921

Ministerio da Justiça e Negocios Interiores

       Papel
    Decreto n. 14.772, de 13 de abril de 1921 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores o credito especial de 3:870$, para occorrer ás despesas a effectuar, em 1921, com a educação e instrucção dos filhos menores do Dr. Astolpho Dutra, de accôrdo com o decreto numero 4. 121, de 3 de setembro de 1920...............      
 
 
3:870$000
    Decreto n. 14.819, de 21 de maio de 1921 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores o credito extraordinario de 2.500:000$. para soccorros ás populações do Estado do Amazonas.........................................................................      
 
2.500:000$000
    Decreto n. 14.820, de 21 de maio de 1921 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores o credito especial de réis 221:490$, para auxiliar as despesas effectuadas em 1920 com a manutenção das escolas creadas em zonas de nucleos coloniaes no Estado do Paraná.................................................................................      
 
 
221:490$000
    Decreto n. 14.833, de 27 de maio de 1921 - Abre ao Ministério da Justiça e Negócios Interiores o credito especial de réis 33:799$999, para pagamento de vencimentos ao juiz de secção do Territorio do Acre, Dr. Wortigern Luiz Ferreira, nos periodos de 1 de dezembro de 1918, em que deixou d perceber vencimentos, a 22 de julho de 1919, e de 23 de julho, quando foi posto em disponibilidade, a 31 de dezembro de 1919...................................................................................................      
 
 
 
 
33:799$999
    Decreto n. 15.028, de 30 de setembro de 1921 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores o credito especial de 315:075$, para auxiliar, durante o corrente anno, a manutenção das escolas creadas em zonas de nucleos coloniaes no Estado de Santa Catharina...................................................................................      
 
 
315:075$000
    Decreto n. 15.051, de 17 de outubro de 1921 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores, por conta do exercicio de 1921, creditos supplementares na importancia total de 1.065:625$, ás verbas 5ª e 7ª, do art. 2º da lei numero 4.242, de 5 de janeiro deste anno afim de occorrer ao pagamento do subsidio aos membros do Congresso Nacional, durante a prorogação da actual sessão legislativa, até 3 do corrente mez............................................................................................................      
 
 
 
 
1.065:625$000
    Decreto n. 15.142, de 24 de novembro de 1921 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores, por conta do exercicio de 1921, creditos supplementares na importancia total de 246:000$, ás verbas 6ª o 8ª, do art. 2º da lei n. 4.242, de 5 de janeiro deste anno, para despesas com a prorogação da actual sessão legislativa do Congresso Nacional, de 3 de setembro ultimo a 3 de dezembro vindouro....................      
 
 
 
246:000$000
    Decreto n. 15.1 44, de 26 de novembro de 1921 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores, por conta do exercicio de 1921, creditos supplementares na importancia total de 1.065:625$, ás verbas 5ª e 7ª, do art. 2º da lei n. 4.242, de 5 de janeiro de 1921, afim de occorrer ao pagamento de subsidio aos membros do Congresso Nacional, durante a segunda prorogação da actual sessão legislativa.................................................................................................................      
 
 
 
 
1.065:625$000
    Decreto n. 15.163, de 7 de dezembro de 1921 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores o credito, especial de 313:275$, para auxiliar, durante o corrente anno, a manutenção das escolas creadas nas zonas do nucleos coloniaes no Estado do Rio Grande do Sul................................................................................      
 
 
313:275$000
    Decreto n. 15.164, de 7 de dezembro de 1921 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores o credito especial de (legivel):000$, para occorrer ao pagamento de despesas decorrentes da trasladação dos despojos mortaes do ex-lmperador D. Pedro II e de sua esposa para o Brasil...................................................      
 
 
5:000$000
    Decreto n.15.243, de 4 de janeiro de 1921 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores o credito extraordinarios de 200:000$, afim de soccorrer a população de varios municipios do Estado de Sergipe, e para occorrer ás despesas com o tratamento do doentes pobres impaludados, em Aquiraz, no Ceará...................      
 
 
200:000$000
    Decreto n. 15.278, de 14 de janeiro de 1921 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores o credito especial de 216:075$, para auxiliar as despesas relativas á manutenção, em 1921, de escolas em zonas de nucleos coloniaes no Estado do Paraná.....................................................................................................      
 
 
216:075$000
    Decreto n. 15.279, de 14 de janeiro de 1922 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores, por conta do exercicio de 1921, creditos supplementares na importancia total de 1.036:564$516, ás verbas 5ª, 6ª, 7ª e 8ª do art. 2º da lei n. 4.212, de 5 de janeiro do mesmo anno, para as despesas da quarta prorogação da sessão legislativa do Congresso Nacional, encerrada em 31 de dezembro próximo passado...................................................................................................................      
 
 
 
 
1.036:564$516
    Decreto n. 15.359, de 9 de fevereiro de 1922 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores, o credito especial de 72:752$050, para pagamento de despesas com a trasladação dos despojos mortaes do ex-imperador D. Pedro II e de sua esposa, para o Brasil...............................................................................................      
 
 
12:752$000
    Decreto n. 15.177, de 14 de dezembro de 1921 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores, creditos supplementares, na importancia total de réis 1.031:250$, ás verbas 5ª e 7ª do art. 2º da lei n. 4.242, de 5 de janeiro de 1921, para occorrer ao pagamento de subsidios aos membros do Congresso Nacional durante a terceira prorogação da actual sessão legislativa..........................................................      
 
 
 
1.031:250$000
    Decreto n. 14.913, de 20 de julho de 1921 - Abre ao Ministerio da Justiça e Negocios Interiores, o credito de 1.200:000$, supplementar á verba n. 29, do art. 2º da lei de orçamento do exercicio de 1921....................................................................  
 
1.200:000$000
        9:466:401$565

    Ministerio das Relações Exteriores

    

           Papel
    Decreto n. 14.738, de 23 de março de 1921 - Abre ao Ministerio das Relações Exteriores, o credito de 63:483$870, ouro, para occorrer ás despesas, no corrente anno, decorrentes da creação das legações na Polonia e na Tcheco-Slovaquia..........  
 
63:483$870

    Ministerio da Marinha

    

           Papel
    Decreto n . 14.896, de 24 de junho de 1921 - Abre ao Minisierio da Marinha, o credito de 30:646$459, para pagamento de differença de vencimentos dos funccionario civis das Capitaniae dos Portos e Delegacias respectivas........................      
 
30:646$459
    Decreto n. 15.206, de 28 de dezembro de 1921 - Abre, ao Ministerio da Marinha, o credito de 11:299$978, para pagamento de vencimentos de varios secretarios de Capitanias de Portos...........................................................................  
 
11:299$978
        41:496$437

    Ministerio da Fazenda

    

           Ouro     Papel
    Decreto n. 14.709, de 2 de março de 1921 - Abre ao Ministério da Fazenda, o credito de 182:773$334, destinado a attender, no augmento de despezas em virtude de reorganização dos serviços de Seguro....................................  
 
 
...................................
     
 
 
182:773$334
    Decreto n. 14.724, de 29 de março de 1921 - Abre ao Ministerio da Fazenda o credito de 2:160$, para attender, ao pagamento de, gratificações addicionaes a que fez jús, nos annos de 1913 e 1914, o ex-servente da Inapectoria Agricola do 1º districto, no Estado Amazonas, João Francisco Fausto.  
 
 
 
...................................
     
 
 
 
2:160$000
    Decreto n. 14.747, de 23 de março de 1921 - Abre ao Ministerio da Fazenda o credito de 80:096$132, para attender ao pagamento de gratificações addicionaes, correspondentes aos exercicios de 1914 a 1916, a diversos funccionarios do Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio...........................................................................  
 
 
 
 
...................................
     
 
 
 
 
80:096$132
    Decreto n. 14. 802, de 11 de maio de 1921 - Abre ao Ministerio da Fazenda o credito de 1.574$920, supplementar á verba 11ª - Imprensa Nacional e Diario Official - do vigente orçamento do mesmo ministério..................................  
 
 
...................................
     
 
 
1.574:920$000
    Decreto n. 14.917, de 26 de julho de 1921 - Abre ao Ministerio da Fazenda, o credito de 362:621$300, para occorrer ás despesas com a installação da Inspectoria Geral dos Bancos, durante os mezes de junho a dezembro do corrente anno.......................................................................  
 
 
 
...................................
     
 
 
 
362:621$300
    Decreto n. 15.089, de 3 de novembro de 1921 - Abre, ao Ministerio da Fazenda, o credito de 2.000:000$, supplementar á verba 30ª, e Exercicios findos», do vigente orçamento do mesmo ministério............................................  
 
 
...................................
     
 
 
2.000:000$000
    Decreto n. 15.107, de 9 de novembro de 1921 - Abre ao Ministerio da Fazenda, o credito especial de 4:920$, para pagamento de garantificações a que fez jús Dagoberto de Castro e Silva, no periodo de 11 de abril de 1916 a 31 de maio de 1917, como ajudante da, Inspectoria de Protecção aos Indios, no Amazonas e Acre............................................  
 
 
 
 
...................................
     
 
 
 
 
4:920$000
    Decreto n. 15.181, de 20 de dezembro de 1921- Abre ao Ministerio da Fazenda o credito de 22:716$119, para pagar a D. Belmira Aurora Ferraz Cardeal, differeças de montepio relativas ao periodo de 19 de maio de 1898 a 31 de julho de 1914........................................................................  
 
 
 
...................................
     
 
 
 
22:716$119
    Decreto n. 15.223, de 29 de dezembro de 1921 - Abre ao Ministerio da Fazenda, o credito especial de 57:390$, para pagar aos correios e serventes na Imprensa Nacional a gratificação de 30% sobre vencimentos a que teem direito, em 1912, em face do disposto no art. 94 da lei n. 2.544, de 5 de janeiro do mesmo anno......................................................  
 
 
 
 
...................................
     
 
 
 
 
57:390$000
    Decreto n. 15.240, de 3 de janeiro de 1922 - Abre ao Ministerio da Fazenda os creditos de 280:000$, ouro, e réis 100:000$, papel, supplementares a verba 29ª, «Reposições e restituicões», do orçamento do mesmo ministerio para o exerccicio de 1921.................................................................      
 
 
 
280:000$000
     
 
 
 
100:000$000
    Decreto n. 15.336, de 27 de janeiro de 1922 - Abre ao Ministerio da Fazenda o credito de réis 2.165677, para occorrer ao pagamento do soldo relativo ao periodo de 9 de janeiro a 9 de fevereiro de 1915 o que o marechal graduado e reformado Rodolpho Gustavo da Paixão deixou de receber por estar funccionando o Congresso Nacional.........................  
 
 
 
 
...................................
     
 
 
 
 
2:165$677
    Decreto n. 15.373, de 11 de fevereiro de 1922- Abre ao Ministerio da Fazenda o credito de 35:077$419, para occorrer ao pagamento de differenças de pensões de montepio a que tem direito D. Casemira do Nascimento Navarro, relativos ao periodo de 20 de janeiro de 1898 a 31 de agosto de 1912................................................................  
 
 
 
 
...................................
     
 
 
 
 
35:077$419
    Decreto n. 15.414, de 25 de março de 1922- Abre ao Ministerio da Fazenda o credito de 50:399$820, para pagar a DD. Ottilia Caldas Ramalho, Joanna Tupy Caldas e Adautina Caldas Rodrigues a differença do montepio e meio soldo, deixados por seu fallecido pae, o tenente-coronel Antonio Tupy Caldas, referente ao periodo de 1 de outubro de 1897 a 31 de dezembro de 1908........................................  
 
 
 
 
 
...................................
 
 
 
 
 
 
50:309$820
        280:000$000  4.775:239$801

    MINISTERIO DA AGRICULTURA, INDUSTRIA E COMMERCIO

    

           Papel
    Decreto n. 14.674, de 16 de fevereiro de1921 - Abre ao Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio o credito de 8.000:000$, para completar o pagamento do pessoal encarregado dos serviços de collecta e revisão dos boletins censitarios nos diversos Estado e, tambem, para satisfazer ás despesas com os trabalhos de apuração do censo nesta capital, no corrente exercício............................      
 
 
 
8.000:000$000
    Decreto n 14.720, de 9 de março de 1921 - Abre ao Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio o credito de réis 1.335:350$800, para attender, no corrente anno, ao pagamento das percentagens dos funccionarios dos quadros do referido ministerio, estabelecidas pelo decreto n. 3.990, de 2 de janeiro de 1920......................  
 
 
1.335:350$S000
    Decreto n. 14.952, de 17 de agosto de 1921 - Abre ao Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio o credito de réis 2.000:000$, para attender ás despesas com o recenscamento no corrente anno......................................................      
 
2.000:000$000
    Decreto n. 14.958, de 31 de agosto de 1921 - Abre ao Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio o credito de 110:000$, para attender, no corrente anno, ao custeio da Superintendencia de Abastecimento e ás despesas previstas nos arts. 3º e 9º do regulamento annexo ao decreto n. 14.027, de 21 de janeiro de 1920........................................................................................................................      
 
 
 
110:000$000
    Decreto n. 14.989, de 10 de setembro de 1921 - Abre ao Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio o credito de réis 396:840$, para subvencionar, no corrente anno, o Serviço de Defesa do Algodão, mantido pelo Estado da Parahyba do Norte..................................................................................................................      
 
 
396:840$000
    Decreto n. 15.188, de 21 de dezembro de 1921 - Abre ao Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio o credito de 5.000:000$, para a realização de um emprestimo até o maximo dessa quantia a « The Anglo Brazilian Iron and Steel Syndicate, Limited », por si ou companhia brasileira que organizar, mediante contracto com o Governo para obtenção dos favores de que cogitam o art. 53, n. XXLV, da lei n. 3.991, de 5 de janeiro de 1920, revigorados pelo decreto legislativo n. 4.246.......................................................................................................................      
 
 
 
 
 
5.000:000$000
    Decreto n. 15.250, de 4 de janeiro de 1922 - Abre ao Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio, em titulos da divida publica, o credito de 400:000$, para emprestimos á Companhia Norte. Paulista de Combustiveis, destinado á construcção de um ramal ferreo ligando es minas de lignito da mesma companhia á linha da Estrada de Ferro Central do Brasil e á installação em suas usinas de um seccador.....      
 
 
 
400:000$000
    Decreto n. 15.369, de 16 de fevereiro de 1922 - Abre ao Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio o credito de 100:000$, para subvencionar, no anno proximo passado, o Serviço do Algodão, mantido pelo Estado do Maranhão......      
 
100:000$000
    Decreto n. 15.391, de 8 de março de 1922 - Abre ao Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio o credito de réis 33:347$771, para attender ao pagamento dos vencimentos que são devidos ao Dr. Joaquim de Lima Pires Ferreira, lente cathedratico da Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária.........................      
 
 
33:347$771
    Decreto n. 15.392, de 8 de março de 1922 - Abre ao Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio o credito de réis 81:120$, para attender ao pagamento das percentagens aos adjuntos e contramestres das Escolas de Aprendizes Artifices, a que fizeram jús no anno proximo passado..................................................................  
 
 
81:120$000

    MINISTERIO DA VIAÇÃO E OBRAS PUBLICAS  

    

           Papel
    Decreto n. 14.725, de 16 de março de 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas o credito de 2.860:000$, em apolices, para despesas com o resgate da Estrada de Ferro Caxias a S. José das Cajazeiras, no Estado do Maranhão...........      
 
2.860:000$000
    Decreto n. 14.733, de 21 de março de 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas, o credito de 690:500$, para desapropriação, indemnização, acquisição e construcção de um edificio destinado á Administração dos Correios, na Parahyba, do Norte..................................................................................................      
 
 
690:000$000
    Decreto n. 14.790, de 2 de maio de 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas o credito de 80:000$, para occorrer ás despesas com os estudos definitivos do prolongamento do ramal de Santa Barbara, na Estrada de Ferro Central do Brasil Decreto n. 14.790, de 2 de maio de 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas o credito de 80:000$, para occorrer ás despesas com os estudos definitivos do prolongamento do ramal de Santa Barbara, na Estrada de Ferro Central do Brasil..............................................................................................      
 
 
 
 
 
80:000$000
    Decreto n. 14.799, de 5 de maio de 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas o credito de 968:503$685, em apolices, para despesas resultantes da rescisão do contracto de construcção e arrendamento da Estrada de Ferro Central do Rio Grande do Norte.................................................................................      
 
 
968:503$685
    Decreto n. 14.801, de 11 de maio de 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas o credito de 105:425$041, em apolices, para completar o pagamento das despesas com o resgate da Estrada de Ferro Caxias a S. José das Cajazeiras, no Estado do Maranhão.............................................................................................      
 
 
105:425$041
    Decreto n. 14.841, de 31 de maio de 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas o credito de 7.391:000$, em apolices para attender ás despesas relativas ao contracto autorizado pelo decreto n. 14.823, de 24 do corrente, a ser celebrado com a Companhia Geral de Melhoramentos no Maranhão...........................      
 
 
7.391:000$000
    Decreto n. 14.899, de 30 de junho de 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas o credito de 177:200$, para a, conclusão do edificio iniciado pelo Lloyd Brasileiro, na rua Visconde de Itaborahy, nesta Capital, e que ora se destina á Directoria Geral dos Correios....................................................................................      
 
 
177:200$000
    Decreto 14.914, de 20 de julho de 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas o credito de 1.000:000$, para occorrer ás despesas com a construcção do edificio destinado á Administração dos Correios da Capital do Estado de S. Paulo............................................................................................................      
 
 
1.000:000$000
    Decreto n. 14.947, de 16 de agosto de 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas o credito de 550:000$ (quinhentos e cincoenta contos de réis), para occorre ás despesas com a acquisição do terreno e construcção do edificio destinado aos Telegraphos e Correios de Petropolis, no Estado do Rio de Janeiro......      
 
 
500:000$000
    Decreto n. 14.950 A, de 17 de agosto de 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas o credito de 794:295$, para occorrer ás despesas com os trabalhos para conclusão da Estrada de Ferro Piquete a Itajubá.................................................      
 
794:295$000
    Decreto n. 14.951, de 17 de agosto de 1921 - Autoriza o Ministerio da Fazenda a emittir apolices da divida publica interna, do valor de um conto de réis, até á importancia de 44.000:000$, para occorrer ás despesas de construcção das estradas de ferro contractadas com a «The Great Western of Brazil Raihway Company, Limited », e dá outras providencias.............................................................  
 
 
 
44.000:000$000
    Decreto n. 15.053, de 19 de outubro de 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas o credito de cem contos de réis (100:000$), destinado a despesas necessarias ás installações dos serviços de captação de energia hydraulica para clectrificação da Estrada de Ferro Central do Brasil....................................................      
 
 
100:000$000
    Decreto n. 15.095, de 5 de novembro do 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas o credito do 1.000:000$ (mil contos de réis, para occorrer ás despesas com a continuação da construcção dos edificio destinado á Administração dos Correios da Capital do Estado de S. Paulo............................................................      
 
 
1.000:000$000
    Decreto n. 15.108, de 10 de novembro de 1921 - Abre ao Ministerio da Viação e Obras Publicas ó credito de 600:000$, (seiscentos contos de réis), para acquisição da cachoeira do Salto e fazenda do mesmo nome, pertencentes aos herdeiros do Dr. Saturnina, Ferreira da Veiga, para a producção de energia destinada á electrificação do ramal de São Paulo, da Estrada de Ferro Central do Brasil......................................  
 
 
 
600:000$000
        105.318:923$726

    MINISTERIO DA GUERRA

    

           Ouro     Papel
    Decreto n. 14. 661, de 1 de fevereiro de 1921 - Abre ao Ministerio da Guerra o credito de 895$152, para pagamento ao capitão da 2 linha José Joaquim Franco de Sá, pelo exercicio do cargo de auxiliar do Departamento da mesma linha.........................................................................  
 
 
 
.................................
     
 
 
 
895$152
    Decreto n. 14.702, de 2 de março de 1921 - Abre ao Ministerio da Guerra o credito da quantia de 30:099$053, para occorrer ao pagamento de soldo vitalicio a voluntarios da Pátria...............................................................................  
 
 
..................................
     
 
 
50:099$053
    Decreto n. 14.762, de 7 de abril de 1921 - Abre ao Ministerio da Guerra o credito de réis 26:950$685, para pagamento de soldo vitalicio a voluntarios da Pátria................  
 
.................................
     
 
26:950$685
    Decreto n. 14.763, de 7 de abril de 1921 - Abre ao Ministerio da Guerra o credito de 30:600$, para pagamento de despesas da Escola de Veterinaria do Exercicio, no corrente anno...................................................  
 
 
..................................
     
 
 
30:6000000
    Decreto n. 14.789 de 2 de maio de 1921 - Abre ao Ministerio da Guerra o credito de 168:150$ para attender ás despesas de Intendencia, durante o corrente anno.................  
 
.................................
     
 
168:150$000
    Decreto n. 14.951, de 1 de junho do 1921 - Abre ao Ministerio da Guerra o credito da quantia de 30.000:000$, em apolices, para attender, a despesas decorrentes da reorganização do Exercito.....................................................  
 
 
.................................
 
 
 
30.000:000$000
    Decreto n. 14.853, de 1 de junho de 1921 - Abre ao Ministerio da Guerra os creditos de réis 7:954$836, ouro, e réis 10:760$, papel, para pagamento ao 3º official da Secretaria de Estado da Viação e Obras Publicas, Gabriel Pinheiro de Almeida, de diaria e differença de vencimentos a que teve direito, durante o tempo em que serviu na commissão de estudos de operações de guerra e acquisição de material na França...........................................................      
 
 
 
 
 
 
7:954$830
     
 
 
 
 
 
 
10:760$000
    Decreto n. 14.891, de 29 de junho de 1921 - Abre ao Ministerio da Guerra o credito de 5:631$477, para pagamento do terço campanha a officiaes que estiveram na defesa fixa e movel do litoral da Republica..............................  
 
 
.................................
     
 
 
5:631$477
    (Rectificado pelo decreto de 3 de agosto de 1921).            
    Decreto n. 15.041, de 6 de outubro de 1921 - Abre ao Ministerio da Guerra o credito especial de 176:253$995, para pagamento de soldo vitalicio a voluntarios da Pátria................  
 
.................................
     
 
176:253$995
    Decreto n. 15.109, de 12 de novembro de 1921- Abre ao Ministerio da Guerra o credito de reis 10.000:000$, em apolices, para attender a despesas, decorrentes da reorganização do Exercito......................................................  
 
 
.................................
 
 
 
10.000:000$000
    Decreto n. 15.186, de 21 de dezembro de 1921- Abre ao Ministerio de Guerra o credito de réis 1:201$658, para pagamento do terço de campanha ao capitão Luiz, Gonzaga Borges Fontes o 1º tenente João Maria do Amaral..................  
 
 
.................................
 
 
 
1:201$658
        7:954$836  40.450:548$420

    Rio de Janeiro, 6 de janeiro de 1923, 102º da Independencia e 25º da Republica. - R. A. Sampaio Vidal.

    TABELLA B

    Verbas do orçamento para as quaes o Governo paderá abrir credito supplementar no exercicio de 1923, de accordo com as leis n. 539, de 9 de setembro de 1650, 2.348, de 25 de agosto de 1873, 429, de 18 de dezembro de 1890, art. 8º, n. 1, art. 23 da lei n. 490, de 16 de dezembro de 1897, e lei, n. 60, de 31 de dezembro de 1899, art. 54, n. 1

    MINISTERIO DA JUSTIÇA E NEGOCIOS INTERIORES

    Soccorros publicos.

    Subsidios e ajudas de custo aos Deputados e Senadores - Pelo que fôr preciso duraute as prorogações, sessões extraorinarias e devido ao preenchimento de vagas.

    Secretaria do Senadora da Camara dos Deputados - Pelo serviços stenographico e de redacção e publicação dos debates durante as prorogações e sessões extraordinarias do Congresso.

    MINISTERIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES

     Extraordinarias no exterior.

    MINISTERIO Da MARINHA

    Hospitaes - Pelos medicamentos e utensilíos.

    Classes inactívas - Pelo soldo de officiaes e praças.

    Munições de bocca - Pelos sustento e dieta das guarnições dos navios da Armada.

    Munições navaes - Pelos casos fortuitos de avarias, naufragios, alijamento de objectos ao mar e outros sinistros.

    Frete - Para commissão de saque, passagens autorizadas por lei, fretes de volumes e ajudas de custo.

    Eventuaes - Para tratamento de officiaes e praças em portos estrangeiros e em Estados onde não ha hospitaes e enfermarias e para despesas de enterramento e gratificações extraordinarias determinadas por lei.

    MINISTERIO DA GUERRA

    Serviço de Saude Pelos medicamentos e utensiIios a praças de pret.

    Sobre etapa e gratificações de praças - Pelas que accorrerem além da importancia consignada.

    Classes inactivas - Pelas etapas das praças invalidas e saldo de officiaes e praças reformados.

    Ajudas de custo - Pelas que se abonarem aos officiaes que viajam em commissão de serviço.

    Material - Diversos despezas pelo transporte de tropas.

    MINISTERIO DA VIAÇÃO E OBRAS PUBLlCAS

    Garantia de juros de estradas ferro e pontos - Pelo que exceder ao decretado.

    MINISTERIO DA AGRICULTURA, INDUSTRIA E COMMERCIO

    Transportes, alimentação, vestuario e tratamento dos alumnos, colonos, indigentes e immigrantes e forragem e tratamento dos animaes.

    MINISTERIO DA FAZENDA

    Juros e amortização e mais despesas da divida externa

    Juros da divida interna fundada - Pelos que occorrerem ao caso de fundar-se parte da divida fluctuante ou de se fazerem operações de credito.

    Juros e amortização dos emprestimos internos.

    Juros da divido inscripta, etc. - Pelos reclamados além do algarismo orçado.

    Inactivo, pensionistas e beneficiarios dos montepios Pelas aposentadorias, pela pensão, meio soldo montepio e funeral, quando a consignação não for sufuciente.

    Caixa de Amortização - Pelo feito e assignatura de notas.

    Recebedoria - Pelas porcentagens aos empregados quando as consignacões não forem sufficientes.

    Alfandegas - Pelas porcentagens aos empregados, quando as consinações excederem ao credito votado.

    Mesas de rendas e collectorias - Pelas porcentagens aos empregados, quando não bastar o credito votado.

    Fiscalização e mais despesas de impostos de consumo e transporte - Pelas pocentagens, diarias, passagens, e transporte.

    Ajudas de custo - Pelas que forem reclamadas além da quantia orçada.

    Lucros diversos - Pelas importancias que forem precisas e além das cosignadas.

    Lucros de bilhetes do Thesouro - Idem. idem.

    Commissões e corretagens - Pelo que for necessario além da somma concedida.

    Juros dos emprestimos do Cofre dos Orphãos - Pelos que forem reclamados, si a sua importancia execeder á do credito votado.

    Juros dos depositos das Caixas Economicas e dos Montes de Soccorro - Pelos que forem devidos além do credito votado.

    Exercicios findos - Pelas aposentadorias, pensões, Ordenados, soldos e outros vencimentos marcados em lei e outras despesas nos casos do art. 11 da lei n. 3.230, de 3 de setembro de 1884.

    Reposições e restituições - Pelos pagamentos reclamados, quando a importancia delles exceder á consignação.

    Rio de Janeiro, 6 de janeiro de 1923, 102º da Independencia e 35º da Republica. - R. A. Sampaio Vidal.


Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial da União - Seção 1 de 12/01/1923


Publicação:
  • Diário Oficial da União - Seção 1 - 12/1/1923, Página 1389 (Republicação)