23/11/2018 10h01

Dia Internacional pela Não-Violência contra a Mulher alerta para aumento de assassinatos de mulheres no País

Para falar sobre o assunto, o Painel Eletrônico convidou a coordenadora da Bancada Feminina na Câmara, deputada Soraya Santos (PR-RJ). Ouça a entrevista completa

Os dados de 2018 ainda não foram fechados, mas estima-se que, em média, doze mulheres são assassinadas no Brasil todos os dias. O levantamento é do site G1, que levou em conta dados oficiais dos estados relativos ao ano passado. E esses números podem estar subestimados, levando-se em conta que muitas mulheres não denunciam seus agressores, por medo ou pela ligação afetiva ou familiar com o agressor.

Para falara sobre a luta pela vida da mulher, o Painel Eletrônico convidou a coordenadora da Bancada Feminina na Câmara, deputada Soraya Santos (PR-RJ). A parlamentar atribui esse aumento da violência contra a mulher a uma questão cultural e ao machismo, que faz com que o homem veja a mulher como propriedade dele.

Soraya Santos defende a obrigatoriedade de um tratamento psicológico para o agressor, como também um protocolo de atendimento às mulheres em qualquer delegacia de polícia, já que as delegacias específicas para as mulheres ainda são insuficientes para atender àquelas que foram agredidas.

Na entrevista, a deputada também destacou a celebração, no próximo domingo, 25 de novembro, do Dia Internacional pela Não-Violência contra a Mulher. A data foi escolhida por conta dos brutais assassinatos, em 1960, pelo ditador da República Dominicana, Rafael Leónidas Trujillo, das irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa, conhecidas como "las mariposas”, que combatiam aquela ditadura.

Ainda segundo Soraya Santos, na próxima quarta-feira, 28 de novembro, haverá a discussão e votação de uma pauta feminina na Câmara.

Apresentação - Cláudio Ferreira e Elisabel Ferriche