23/10/2018 09h43

Levantamento mostra que mais de 3,4 mil pessoas foram assassinadas em agosto no Brasil

Já são mais de 34 mil mortes violentas no ano. Ouça a entrevista do pesquisador Bruno Paes Manso, do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo, sobre o assunto

Pelo menos 3.444 pessoas foram assassinadas no mês de agosto no Brasil. Esse número pode ser ainda maior, uma vez que quatro estados não divulgam os dados sobre mortes violentas, que incluem homicídios dolosos (ou seja, os intencionais), latrocínios e lesões corporais seguidas de morte.

O levantamento é do site G1, que faz o acompanhamento desses números, todos os meses, em parceira com o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

O estudo constatou que as maiores vítimas da violência são os jovens, negros e pobres. Esse também é o perfil dos que mais matam. O levantamento também revelou que os crimes, em sua maioria, estão ligados ao narcotráfico ou às milícias que querem exercer o poder. E que o descrédito da autoridade policial e a baixa resolução dos crimes, que não chega a 10% dos casos, são os grandes motivadores da violência.

Para comentar esses dados, o Painel Eletrônico convidou o pesquisador Bruno Paes Manso, do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo. Segundo ele, o importante para reduzir a violência no Brasil é fragilizar os grupos organizados. Para isso, sugere inteligência financeira e concentração do trabalho nos locais violentos. "É importante para a democracia uma política com capacidade de investimento frente aos tiranos armados", afirma o pesquisador.

Apresentação - Edson Junior e Elisabel Ferriche