14/08/2017 - 15h25

Comissão isenta pessoa com deficiência de taxa para renovação de carteira de motorista

A Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 6599/16, do deputado Paulo Azi (DEM-BA), que concede gratuidade às pessoas com deficiência na renovação da carteira de motorista. A proposta altera o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97).

Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados
Fórum: Instituir a Política Nacional de Prevenção do Diabetes. Dep. Carmen Zanotto (PPS - SC)
Zanotto: isenção é fato de inclusão social dos cidadãos com deficiência

O texto recebeu parecer favorável da deputada Carmen Zanotto (PPS-SC), que apresentou uma emenda para excluir o dispositivo que propunha a criação de uma multa para estacionamento irregular em vaga reservada a pessoas com deficiência. Zanotto explicou que uma lei do ano passado já regulamentou a questão (13.281/16).

Segundo a relatora, a isenção das taxas cobradas pelos Detrans na renovação da carteira é um fator de inclusão social das pessoas com deficiência, pois possibilita maior mobilidade aos seus portadores, facilitando a execução de tarefas rotineiras.

“Para alguns tipos de deficiência, esse processo de renovação é ainda mais caro, já que deve ser realizado em intervalos de tempo mais curtos do que o prazo exigido para os demais condutores”, disse Zanotto.

Tramitação
O projeto, que tramita em caráter conclusivo, será analisado ainda pelas comissões de Viação e Transportes; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Janary Júnior
Edição – Marcelo Oliveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Almir Gomes de Oliveira | 26/08/2017 - 08h48
Caros congressistas!Devo lembrá-los que qualquer assunto ligado aos portadores de deficientes vocês excluem constantemente outra categoria ligada diretamente ao deficiente que são os condutores de deficientes.Nem todo deficiente é habilitado!Os deficientes visuais,o menor incapaz,o autista,o que tem paralisia cerebral,etc.É notório que o assunto não é tratado por alguém que tenha conhecimento do assunto,visto o que não é habilitado por esses motivos precisa de auxílio de um terceiro para ser conduzido.Chega de Migalhas!Um Política Pública Séria e feita por pessoas capacitadas no assunto.É isso