Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Página Inicial / Comunicação / Assessoria de Imprensa / Notas à Imprensa / 20/09/2018 - Câmara esclarece sobre registros equivocados de entrada de Adelio Bispo de Oliveira (Atualizada)

20/09/2018 - Câmara esclarece sobre registros equivocados de entrada de Adelio Bispo de Oliveira (Atualizada)

A Diretoria-Geral da Câmara dos Deputados esclarece que os registros em sistema da entrada de Adelio Bispo de Oliveira, autor do atentado contra o deputado federal Jair Bolsonaro, no dia 6 de setembro de 2018, foram objeto de ocorrência policial no dia 13 de setembro no Departamento de Polícia Legislativa da Casa, finalizada no dia 18 do mesmo mês. O aludido procedimento concluiu que os registros decorreram de equívoco do recepcionista da portaria onde se acessa o sistema de identificação de visitantes (SIVIS).

O recepcionista acessou o sistema por volta das 18 horas do dia 6 de setembro a pedido de dois policiais legislativos, que, tão logo tiveram notícia por meio da imprensa do atentado ao deputado Jair Bolsonaro e do nome do principal suspeito, buscaram verificar no sistema SIVIS possíveis registros de entrada de Adelio na Câmara.

Ao identificar dois registros de entrada de Adelio no dia 6 de agosto de 2013, com imagem arquivada do seu documento de identidade, o recepcionista achou por bem incluir o número do CPF de Adelio, que, até então, não constava do sistema, com a intenção de deixar o cadastro atualizado. Uma vez que seu perfil de usuário do sistema não lhe permitia fazer inserção de dados sem o registro de nova entrada de visitante, o recepcionista, com o objetivo de acrescentar a informação do CPF, acabou efetuando equivocadamente dois novos registros de entrada.

Tratou-se, portanto, de ação não entendida como dolosa pela Coordenação de Polícia Judiciária da Câmara, que decidiu pelo arquivamento da referida ocorrência policial no último dia 18. A ocorrência já foi encaminhada ao Ministério Público Federal, procedimento padrão adotado em todos os casos de arquivamento de investigações ou inquéritos conduzidos pela Polícia Legislativa da Câmara. 

Rotina

O procedimento de rotina para ingressar na Câmara dos Deputados é o seguinte: o visitante deve se identificar em uma das portarias, apresentar um documento nacional de identificação e declarar para onde está indo dentro da Casa. O recepcionista tira uma fotografia do rosto do visitante e do documento (frente e verso). O registro é feito no Sistema de Identificação de Visitantes (SIVIS).