Imagens do Brasil: Paul Garfunkel

A exposição "Imagens do Brasil: Paul Garfunkel" fica aberta à visitação até 27 de novembro no Espaço do Servidor - Anexo II da Câmara dos Deputados.
07/11/2019 13h45

A mostra é composta por 40 painéis meticulosamente produzidos pelo designer gráfico e fotógrafo Mauricio Vieira a partir das imagens originais de raríssimos exemplares de dois álbuns, um produzido em 1958 e outro em 1962, de propriedade dos herdeiros de Paul Garfunkel. Compõem os painéis 40 vinhetas, 20 desenhadas por Garfunkel em 1962 e outras 20 acrescentadas às imagens de 1958, peneiradas nos milhares de desenhos dos cadernos de esboços conservados pela família. 

Assim, a exposição é composta por duas séries produzidas por Paul Garfunkel. A primeira é constituída por 20 litografias aquareladas à mão, assinadas e acompanhadas de um comentário do autor. Elas integram o álbum Imagens do Brasil, que rememora as primeiras décadas do artista no país. Karlos Rischbieter resumiu da seguinte maneira esta série, que teve uma tiragem artesanal de 250 exemplares: “Buscando na memória as etapas de sua vida no Brasil, desde o Massilia (navio que os havia trazido da França, em 1927) passando pelo Rio, por São Paulo e Santos e pelo Paraná, ele fez como que um inventário de suas lembranças. Os textos que escreveu para acompanhar as litografias, de beleza poética inesperada, fazem supor que a poesia era a arte gêmea de sua arte primeira.” 

A segunda série foi apresentada pelo artista em 1962, em um novo álbum intitulado Novas Imagens do Brasil. Com uma tiragem também de apenas 250 exemplares, a publicação traz impressões das suas viagens pelo Norte e Nordeste do país, feitas em navios, barcos, ônibus e carroças.  São 20 serigrafias originais coloridas, acompanhadas por um comentário ilustrado do autor. Sobre o trabalho com serigrafia, Adalice Araújo destaca que Paul Garfunkel foi “um dos pioneiros no uso dessa modalidade no Paraná”. 

Além do enorme valor artístico, há uma grande importância documental nas imagens e textos de Garfunkel, por retratarem momentos únicos de nossa geografia humana e cultural. Aliás, foi essa a razão de Garfunkel ter sido chamado de “Debret do século XX” por críticos do porte de Pietro Maria Bardi que, pouco tempo após examinar pela primeira vez, em 1983, os dois álbuns apesentados nesta mostra, organizou uma exposição de Paul Garfunkel no MASP. Sobre os álbuns, Bardi ressalta que são “Um conjunto de trabalhos a ser definido patrimônio sem precedentes de anotações em que se notam, além da bravura excepcional do traço, a compreensão e o amor que conseguiu representar. [...] Quanto amor transparece no vagar pela inquieta imensidão da Terra, colhendo na natureza e entre os muros o pitoresco de um baile popular, de um curral de gado, um carregamento de café, saídas de navios, festas, passeios depois da missa e tantos outros episódios.”

Ao apresentar estas reproduções cuidadosamente preparadas, acompanhadas dos textos de Paul Garfunkel, divulgamos uma obra que, décadas mais tarde, tornou-se ainda mais importante em termos documentais e artísticos, ao tempo que fazemos um convite à exploração desse incrível “patrimônio sem precedentes”.

Confira aqui o catálogo virtual da exposição.

 

Imagens do Brasil: Paul Garfunkel

Visitação: de 6 a 27 de novembro de 2019, segunda a sexta, das 9h às 17h
Local: Espaço do Servidor - Anexo II da Câmara dos Deputados 

Imagens do Brasil: Paul Garfunkel
Fotos: Acervo Câmara dos Deputados

Foto: Acervo Câmara dos Deputados

Foto: Acervo Câmara dos Deputados

Foto: Acervo Câmara dos Deputados

Foto: Acervo Câmara dos Deputados

selecionado por edital novo

Ações do documento