Página Inicial Notícias Presidente da ANSTP esteve no ‘Fórum - RTP-África’

Presidente da ANSTP esteve no ‘Fórum - RTP-África’

O Presidente da Assembleia Nacional de S. Tomé e Príncipe, em entrevista ao ‘Programa Fórum da RTP-África’, afirmou que a persistente polémica em torno da sua eleição ou reconhecimento «não tem fundamentos, quer políticos, quer legais».

Alcino Pinto reconhece, por um lado, que foi eleito num contexto de crise, mas, recorda, por outro, de que teve mais votos que o seu antecessor.

Contrariou opiniões segundo as quais, o Parlamento está infuncional, e defende que a instituição é actualmente mais produtiva. «Nesses 4 meses e dias do meu consulado, a Assembleia Nacional tem estado a funcionar com muita velocidade do que no período em que estávamos todos os 55 deputados. (…) Para lhe dizer que eu fui presidente de uma comissão especializada e tive situações que, durante 2 meses não conseguia reunir os meus pares para reunir a comissão, tomar posição, ou emitir pareceres que eram solicitados quer pela plenária, quer pelo Presidente. De Novembro a esta parte, eu tenho recebido inúmeros pareceres pelos membros das várias comissões.»

Tal situação, segundo Alcino Pinto, derivava do facto de, nessa altura, os deputados faltarem ostensivamente às reuniões.

Acrescentou, no entanto, que, de Novembro até ao presente, tem recebido inúmeros pareceres, por parte dos elementos que integram as comissões especializadas.

O novo Presidente da ANSTP precisou que os deputados «que decidiram assumir a contenda estão mais interessados neste momento, porque as circunstâncias assim o exigem. Eu pessoalmente exijo dos meus pares, dos meus colegas deputados, maior entrega, maior disciplina e maior determinação no que concerne ao trabalho. Por isso mesmo, eu tenho que dizê-lo, e sinto à-vontade para o dizer, a Assembleia está a funcionar em pleno.»  

Relativamente ao seu reconhecimento internacional como Presidente do Parlamento santomense, Alcino Pinto realçou, a título de exemplo, as missões que o levaram a Seul, Coreia do Sul,  e a Quito-Equador, em representação deste Órgão de Soberania.

Entretanto, por se tratar de uma entrevista relativamente extensa, achamos por bem fragmenta-la, prometendo apresentar outros dos seus extractos nas próximas edições.

Espírito Santo