Página Inicial Notícias Ponto de Vista!

Ponto de Vista!

O Parlamento, após uma análise introspectiva, chegou à conclusão, e porque os novos tempos assim o exigem, que ele deve primar-se pela maior transparência. No caso vertente, estamos a nos referir ao relacionamento da Assembleia Nacional com os órgãos de Comunicação Social.

Note-se bem, ‘maior’, e como convém adicionar o útil ao agradável, podemos sugerir que não seja apenas maior, como também ‘melhor’.

Desde logo, uma das recomendações focalizadas no recente Plano Estratégico da ANSTP é no sentido de que haja uma divulgação dos trabalhos das Comissões Especializadas Permanentes. Mas as nossas intenções não se confinam por aí. Acreditamos que as condições podem ser reunidas no intuito de chegarmos mais além.

As pessoas que consultam a nossa página web, bem como radiouvintes e telespectadores, em suma, o grande público, têm o direito de saber mais acerca do nosso dia-a-dia.

É nessa mesma esteira, que ainda no decurso deste ano, contamos, em parceria com o Projecto Pro-PALOP-TL, fazer ressurgir o Programa audiovisual que, em tempos não muito longínquos, vinha sendo apresentado nos canais da Rádio Nacional e da TVS.

Mais ainda, a ANSTP ambiciona criar uma revista que retrate o que esse órgão tem vindo a fazer. Tudo isto, num esforço de inovação e de bem servir o público, uma boa parte da qual é constituída pelos eleitores que são a razão de ser do Parlamento.

Quando evocamos os eleitores, estamos a nos referir, incontornavelmente, à uma franja significativa da população que, ao exercer o seu direito de cidadania, tem depositado o seu voto nas urnas, na perspectiva de um amanhã melhor. A Assembleia, na sua função fiscalizadora às acções do Governo, pode contribuir significativamente para a melhoria, com críticas e sugestões ao Executivo e na aprovação de Leis que se impuserem como indispensáveis para alavancar o desenvolvimento da sociedade. E porque nada é estático, essa franja vai crescendo, na sequência dos recenseamentos eleitorais, trazendo para o seio gentes jovens, que, como sabemos, são em regra mais ávidas em saber porquê das coisas.

Espírito Santo