28/10/2013 17h08 - Duração: 00:10:35

Dep. Ricardo Izar (PSD-SP) quer a proibição de testes em animais

Incorporar:
A visualização e/ou o uso deste material está condicionada pelos Termos de Uso do Câmara Notícias.

No dia 18 de outubro, um grupo de dezenas de ativistas em defesa dos animais arrombou os portões e invadiu um instituto na região de Sorocaba, para libertar pelo menos uma centena de cães da raça beagle usados em testes de medicamentos. Eles encontraram um cachorro morto e outros com os pelos raspados. Parte das instalações foi depredada durante a invasão, e pesquisas em andamento foram interrompidas com grandes prejuízos para o instituto. O assunto gerou uma enorme polêmica Brasil afora. O deputado Ricardo Izar (PSD-SP) defende que o Ministério da Ciência e Tecnologia baixe portaria proibindo a utilização de animais em testes cosméticos. Ele afirma que testes em animais - já abolidos em países desenvolvidos, movem na América Latina uma indústria milionária de resultados que não trazem benefícios para seres humanos. O deputado Ricardo Izar, que lidera o movimento aqui no Congresso em defesa dos direitos dos animais, participa desta edição do Palavra Aberta.




Comentários

Ricardo Luiz Palhares | 02/11/2013 21h29
Concordo em parte. Sou contra testes em animais para cosmeticos, mas no caso de fármacos, infelizmente os melhores resultados obtidos ainda são em animais. Ou seja, enquanto não encontrarem um meio de se experimentar esses medicamentos, os animais ainda serão utilizados, No caso do rodeio especificamente, os rodeios sérios como o de Barretos, não tem maltratos aos animais, pelo contrário. Os leigos dizem que o touro pula por que o sedem aperta os testiculos, mas não, aperta a virilha. Os touros de rodeios serios sao muito melhor tratados que nós por exemplo.
GREYCE LOUSANA | 01/11/2013 00h44
POLÊMICA INÓCUA - É premente salientar que existe um esforço importante da comunidade cientifica para que métodos alternativos sejam utilizados no lugar dos animais. Mas, ainda é impossível o desenvolvimento de certos produtos, tanto para a saúde humana como animal, sem a fase de experimentação em animais. Há uma desinformação generalizada sobre pesquisas clínicas, tão necessárias para o desenvolvimento da biotecnociência e não deveriam ter essa visão caricata. Dra. Greyce Lousana é Veterinária e Presidente Executiva da SBPPC (Sociedade Brasileira de Profissionais em Pesquisa Clínica)
Hilda Maria Bueno de Oliveira | 30/10/2013 15h12
Dep Ricardo parabnes por sua atuação neste caso da libertação dos Beagles. Tenho medo que tudo acabe em pizza pois os deputados que não defendem a causa animal poderão postergar a votação de leis que proibam o uso de animais em testes de cosmeticos. Acho importante que se obrigue as empresas a usar o selo que indica se usam ou não animais em testes. É o selo do Coelho. Eu fui procurar nos cosmeticos que compro e não vi nenhum selo, em lugar nenhum. Porem se a lei for votada não haverá necessidade de se pedir a identificação nos produtos cosmticos, só nos outros.