17/12/2013 17h01 - Duração: 00:51:24

O que esperar da economia em 2014?

O que esperar da economia em 2014? O programa de concessões de infraestrutura vai continuar bem-sucedido como nos últimos leilões? O que fazer para o país crescer com distribuição de renda? O governo fala em reforma tributária ano que vem. Será pra valer? Esse é o tema do Expressão Nacional.

Incorporar:
A visualização e/ou o uso deste material está condicionada pelos Termos de Uso do Câmara Notícias.

O Brasil deve começar 2014 com a economia desaquecida e, para alguns economistas, com a credibilidade da politica econômica desgastada. Mas quando comparado aos demais países emergentes, o País não está bem: a expectativa é fechar o ano com crescimento em 2,7%, contudo acima da média mundial.

O governo está enfrentando dificuldades para implementar os projetos de recuperação econômica que preveem soluções para os gargalos que afetam a infraestrutura: melhorar portos, ferrovias e estradas, entre outras medidas.

Em 2014, mesmo com o programa de concessões a pleno vapor e a Copa do Mundo, o governo vai ter de se esforçar para conseguir ampliar esse programa e ter apoio do setor privado. Alguns especialistas do mercado financeiro temem que a inflação continue subindo em razão da alta do dólar e que o Banco Central mantenha a tendência de alta de juros, comprometendo ainda mais os investimentos.

O que esperar da economia em 2014? O programa de concessões de infraestrutura vai continuar bem-sucedido como nos últimos leilões? O que fazer para o país crescer com distribuição de renda? O governo fala em reforma tributária ano que vem. Será pra valer? 

Esse foi o tema do Expressão Nacional de terça-feira, 17 de dezembro, apresentado por Fabiana Melo e exibido ao vivo na TV, na Rádio Câmara e também pela internet no www.tv.camara.leg.br. Confira a íntegra do programa.

Convidados: Roberto Ellery Júnior, diretor da Faculdade de Economia da UnB; Roberto Piscitelli, economista; Dep. Alfredo Kaefer (PSDB-PR); Dep. Carlos Zarattini (PT-SP).




Comentários

gilson | 11/01/2014 22h50
e só reduzir 27 deputados federais,27 senadores,27 deputados estaduais,3 ministérios 2 mil vereadores dobrar o SM, levar industria para as pequenas cidades para gerar empregos,o brasil não está a maravilha que o governo diz mas não está um caos o problema do brasil são os políticos