15/04/2019 17h41

Câmara analisa três projetos que acabam com horário de verão no Brasil

O presidente Jair Bolsonaro já adiantou que este ano o Brasil não terá o horário de verão, e disse que a tendência é que a mudança nos relógios seja eliminada do calendário do País

Todos os anos é a mesma coisa: em novembro os relógios precisam ser adiantados em uma hora, e em fevereiro eles voltam ao normal. É o horário de verão. Ele foi criado em 1931, pelo então presidente Getúlio Vargas, com o objetivo de garantir o melhor aproveitamento da luz natural, e reduzir o uso da luz elétrica. Atualmente, a mudança de horário é adotada pelas regiões sul, sudeste e centro-oeste do país.

A discussão sobre horário de verão é antiga na Câmara, com propostas apresentadas desde 1999. Atualmente, os deputados analisam três projetos de lei que acabam com o horário de verão em todo o território nacional (PL 397/07, PL 1922/19 e PDC 839/17). O deputado Doutor Luiz Ovando, do PSL do Mato Grosso do Sul, é autor de um desses projetos (PL 1220/19):

"Com o passar do tempo, a gente percebe, com a evolução tecnológica, que as lâmpadas inicialmente que eram realmente a preocupação com o gasto energético, passaram de incandescente para fluorescentes e hoje nós temos lâmpadas tecnologicamente muito mais evoluídas com o gasto energético muito pequeno. E o que sobra dessa medida, que ano a ano se repete, é exatamente o prejuízo biológico."

O parlamentar é cardiologista e defende que o horário de verão causa sérios prejuízos à saúde da população, que necessita da luminosidade natural; além de ser submetida a uma situação de stress, já que levantar ainda no escuro libera uma quantidade maior de adrenalina, o que faz mal ao sono. Por isso, de acordo com o parlamentar, a economia de energia não compensa os prejuízos causados ao ser humano.

Em relatório publicado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico em 2018, foi observada uma ligeira redução do consumo de energia devido ao horário de verão, mas isso não significou mudança no custo da produção de energia. Ou seja, não houve economia.

Mas nem todos são a favor do fim do horário de verão. Jael Silva é presidente do Sidhobar (Sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes do DF) e conta que o fim do horário de verão terá impacto no comércio.

"Nós do setor de bares e restaurantes achamos que o horário de verão é muito bom, porque você começa o dia, o happy hour principalmente né, ainda com o dia claro, as pessoas se sentem mais felizes, mais tranquilas, mais animadas, e pra gente não é muito bom não, a gente preferia que permanecesse."

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) já adiantou que este ano o Brasil não terá o horário de verão, e disse que a tendência é que a mudança nos relógios seja eliminada do calendário do País.

Reportagem - Nicole Mattiello