21/08/2017 12h51

Comissão de Educação discute se ricos devem pagar por universidades públicas

A iniciativa do debate é do presidente do colegiado, deputado Caio Narcio (PSDB-MG), que parte do princípio de que a educação brasileira está em crise

Ricos devem pagar para estudar em universidades públicas? Este será o tema de debate na Comissão de Educação da Câmara, na terça-feira (22). A iniciativa do debate é do presidente do colegiado, deputado Caio Narcio, do PSDB de Minas Gerais. Narcio parte do princípio de que a educação brasileira está em crise, evidenciada, entre outros fatores, na defasagem entre investimentos nos ensinos básico e superior. Outro aspecto da crise seria o que o deputado chama de "dicotomia", que leva a um grande número de alunos de renda familiar elevada matriculados em universidades públicas.

"Nós temos uma pirâmide invertida no que se refere ao financiamento: temos, no ensino superior, um investimento que, por vezes, chega a ser três vezes maior do que o da educação básica. Quer dizer que se tem uma formação na alfabetização e nos primeiros anos de escola totalmente prejudicada, com professores mal qualificados e mal remunerados. Depois, a gente observa que existe uma dicotomia na educação superior no Brasil: quem tem dinheiro está estudando de graça e quem não tem está pagando para estudar na privada porque não consegue ter acesso ao ensino gratuito".

Para debater o tema, a Comissão de Educação convidou a atual e a ex-presidente da União Nacional dos Estudantes, Marianna Dias e Carina Vitral, além do coordenador do Movimento Brasil Livre, Kim Kataguiri. Também foram chamados representantes da Ordem dos Advogados do Brasil, da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, e da Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior. O deputado Caio Narcio tem posição definida sobre o tema.

"Uma pessoa que seja muito rica não pode estudar de graça. Na minha concepção, essa pessoa precisa pagar a universidade e esse dinheiro pode ajudar tanto na ampliação de vagas para quem ainda não tem acesso quanto na compensação do ensino básico. Acho que a gente deve ter a coragem de enfrentar esse assunto, porque não é razoável que um cara pare uma BMW e vá estudar na universidade pública de graça".

O debate estará aberto ao público por meio do canal e-democracia, no portal de internet da Câmara dos Deputados.

Reportagem - José Carlos Oliveira