30/06/2014 00h02

Deputada Andreia Zito fala sobre aposentadoria integral por invalidez

Atualmente, a Constituição prevê aposentadoria por invalidez com proventos integrais apenas nos casos de acidente em serviço, moléstia profissional ou doença grave prevista em lei, como hanseníase, paralisia irreversível e mal de Parkinson. Se o servidor sofrer um acidente fora do trabalho e ficar inválido, por exemplo, pode ser aposentado, mas receberá remuneração proporcional ao tempo de contribuição. Mas a PEC, a Proposta de Emenda à Constituição 170/2012 garante que todo servidor público da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios receba seu salário integralmente no caso de ficar incapacitado para o trabalho, em decorrência de qualquer tipo de doença, e não só quando decorrente de acidente em serviço, moléstia profissional ou doença grave, contagiosa ou incurável. A deputada tucana Andreia Zito, do Rio de Janeiro, autora da PEC conversa nesta edição do Palavra Aberta.

Apresentação: Paulo José Cunha



Comentários

rosi | 25/01/2015 20h03
depuatada quero lhe agradecer pelo esforço em resolver o problema da aposentadoria por invalidez estou acompanhando e passando tudo para outros funcionarios obrigado
Luiza Galvão | 02/01/2015 17h08
Boa tarde Dep... venho aqui expressar minha situação de func. púb. munic. aposentada por invalidez e que não recebo meu salário integral... Aguardo boas notícias...
Luiz Alberto | 15/10/2014 12h37
Não só a integralidade dos vencimentos como também a paridade. A paridade é também um instituto muito importante para o aposentado por invalidez, não deixa de perceber a aposentadoria sempre atualizada com os demais servidores. Faz com que o aposentado tenha uma aposentadoria com possibilidade de compra e tranquilidade em sua vida material.