05/04/2019 09h42

Projeto de lei criminaliza jogos violentos no Brasil

A proposta é de autoria do deputado Júnior Bozella (PSL-SP). Em entrevista ao Painel Eletrônico, ele comentou detalhes do texto e os benefícios que a aprovação da proposta pode trazer

A Câmara dos Deputados analisa projeto de lei que criminaliza o desenvolvimento, a importação, a venda, a cessão, o empréstimo, a disponibilização ou o aluguel de aplicativos ou jogos eletrônicos com conteúdo que incentive a violência.

A proposta prevê mudanças no Código Penal com detenção de três a seis meses, ou multa. Se o crime for praticado utilizando a internet ou meios de comunicação de massa, a pena é triplicada.

O deputado Júnior Bozella (PSL-SP) é o autor da proposta e, em entrevista ao Painel Eletrônico, comentou os benefícios da criminalização de games violentos no Brasil.

O deputado afirma que apresentou a proposta a pedido de pais e psicólogos que o procuraram com a solicitação. Júnior Bozella acredita que há relação entre jogar games violentos e praticar agressões reais e violentas. O parlamentar também acredita que a criminalização dos jogos violentos vai surtir efeito no comportamento dos jovens brasileiros.

O deputado, no entanto, diz não ser dono da verdade e que vai ouvir autoridades no assunto, pais e especialistas antes de dar prosseguimento ao projeto. Na próxima segunda-feira, será feita a primeira audiência pública para discutir o assunto na Câmara dos Deputados.

Apresentação - Edson Júnior e Elisabel Ferriche



Comentários

Claude | 19/04/2019 19h54
Simplesmente uma vergonha, ridículo misturar mundo REAL com o mundo VIRTUAL, Faz o seguinte, pegue os estudos científicos atualizados e pare de ficar pegando pesquisas velhas desatualizadas !!
Felipe Poleza | 14/04/2019 12h48
Proposta simplesmente ridícula, vou até fazer uma sugestão aqui: Proíba séries, filmes, desenhos e inclua as notícias também! Afinal, tudo isso demonstra algum tipo de violência. Vivemos uma história dentro dos jogos, aprendemos a fazer escolhas muito mais conscientes, aperfeiçoamos o nosso cérebro a pensar de maneira estratégica e em equipe. A nossa diversão não é uma máquina de psicopatas! Jogos são fonte de informação e entretenimento, muito melhor que qualquer aula de história em sala de aula. Quem prefere ouvir a história da 1° guerra mundial quando se pode joga-la?
Atos Pedro Aguiar da Silva | 11/04/2019 16h03
Existe diversos problemas no Brasil e tem gente preocupada com jogos que geralmente existe uma classificação de idade mínima e rende milhões anualmente para o país. Simplesmente desnecessário.