13/03/2019 09h53

Deputado comenta prisão de suspeitos pelos assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes

Marcelo Freixo (Psol-RJ) elogiou o trabalho dos envolvidos na elucidação do crime, e afirmou que o partido dele e ativistas vão pressionar o Estado para descobrir os mandantes do crime

Policiais da Divisão de Homicídios e promotores do Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro prenderam, na manhã de terça-feira, o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, apontados como suspeitos pelos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista dela, Anderson Gomes. Os crimes vão completar um ano nesta quinta-feira, 14 de março.

Para comentar as prisões dos dois suspeitos, o Painel Eletrônico convidou o deputado Marcelo Freixo (Psol-RJ). A vereadora trabalhou por dez anos como assessora do parlamentar.

O deputado considera muito extenso o tempo para elucidar o que ele chamou de "atentado à democracia", o que mostra que "gente poderosa está por trás do crime". O deputado elogiou o trabalho da Policia Civil do Rio de Janeiro e também a participação da Polícia Federal na elucidação do crime, mas que o Psol e ativistas vão pressionar o Estado brasileiro por uma solução mais rápida para elucidar quem foram os mandantes do assassinato.

Amanhã, quando o crime completa um ano, haverá manifestações em todo o Brasil. Na entrevista, o deputado Marcelo Freixo confirmou que a bancada do Psol vai apresentar um requerimento para criação de uma CPI para investigar a atuação das milícias no Rio de Janeiro.

Apresentação - Edson Júnior e Elisabel Ferriche