05/02/2019 09h21 - Atualizado em 05/02/2019 10h47

Deputados da oposição e de apoio ao governo comentam mensagem presidencial lida na abertura do ano legislativo - Bloco 1

Ouça, em dois blocos, as entrevistas dos deputados Orlando Silva (PCdoB-SP) e Delegado Waldir (PSL-GO), ambos líderes de seus partidos na Câmara

Nesta segunda-feira, na abertura dos trabalhos legislativos de 2019, na mensagem presidencial, o novo chefe do Executivo, Jair Bolsonaro, declarou guerra ao crime organizado. E, como já era esperado, destacou a importância da reforma da Previdência, para o equilíbrio das contas públicas, para que o Brasil volte a atrair investidores externos e para a retomada do crescimento econômico do País.

No texto, o presidente falou de esperança, criticou governos passados, lamentou os índices de desemprego, os casos de corrupção e os números crescentes da violência no Brasil.

Para comentar a primeira mensagem do presidente Jair Bolsonaro ao Congresso Nacional, o Painel Eletrônico convidou o deputado Orlando Silva, de São Paulo, líder do PCdoB na Câmara – um dos partido de oposição –; e o deputado Delegado Waldir, de Goiás, líder do PSL, partido do presidente da República.

Para o deputado Delegado Waldir, a proposta do governo de combate à corrupção será bem aceita no Parlamento, porque "são ferramentas para executar bem o trabalho do governo na área". Ainda segundo o parlamentar, não faltará diálogo do governo com o Parlamento e a proposta de Reforma da Previdência não é do governo, mas para o país, e precisa do apoio de todos, independentemente de cunho ideológico. O deputado Delegado Waldir classificou a mensagem do presidente como um "respeito à democracia e ao Parlamento".

Já o deputado Orlando Silva, considerou "rasa" a mensagem presidencial, sem propostas concretas e cheia de "proselitismos políticos", como se o presidente Jair Bolsonaro ainda estivesse em campanha eleitoral. Sobre a proposta de Reforma da Previdência, o deputado Orlando Silva disse que o governo precisa apresentar soluções objetivas e combater o privilégio dos militares e dos altos funcionários públicos. O parlamentar, também afirmou estar esperançoso quanto à nova legislatura, renovada com um parlamento jovem em idade e experiência. Quanto ao pacote de medidas de combate à corrupção, o deputado Orlando Silva acredita que ele será modificado no Congresso Nacional, onde precisa ser apreciado, e discorda especialmente da prisão em 2ª instância.

Ouça a íntegra das entrevistas em dois blocos.

Apresentação - Edson Júnior e Elisabel Ferriche