13/12/2018 11h10

Adiamento da mudança de placas para padrão Mercosul trará mais transparência e segurança jurídica, afirma relatora

Ouça a entrevista da deputada Christiane Yared (PR-PR) sobre o assunto

A Comissão de Viação e Transportes aprovou um pedido para que o Conselho Nacional De Trânsito adie a vigência da mudança das placas de carros padrão Mercosul por seis meses até que sejam esclarecidas as dúvidas sobre o novo sistema.

A decisão de adotar um modelo único de placa para todos os países do Mercado Comum do Sul foi tomada em 2014. O sistema já foi implantado na Argentina e no Uruguai. Mas, no Brasil, o modelo já teve sua implantação adiada por pelo menos quatro vezes. A princípio, as mudanças deveriam ter entrado em vigor em janeiro de 2016.

O calendário estabelecido pelo Contran para a mudança nas placas dos veículos começou com o Rio de Janeiro. Até o fim do ano, as novas placas já serão obrigatórias em todos os estados, mas apenas para carros novos ou outras situações que exigem a troca de placa. Mas a implantação do novo sistema ainda tem provocado muita discussão.

Para falar sobre o tema, o Painel Eletrônico convidou a deputada Christiane Yared (PR-PR). A parlamentar é relatora na Comissão de Viação e Transporte de proposta que suspende a resolução que determina a troca de placas para o padrão Mercosul.

Na entrevista, a deputada defendeu o projeto como ótimo na questão de segurança contra roubos e clonagem de veículos, mas defendeu também o adiamento da medida, já aprovado pelo colegiado. O principal motivo para o adiamento, segundo a deputada, é que o sistema de leitura digital da nova placa ainda não foi implantado. Elas têm quatro letras e três números, um QR Code e um código de barras. Christiane Yared afirma que a espera de seis meses vai trazer mais transparência e segurança jurídica, além de evitar que o motorista tenha gastos desnecessários.

Apresentação - Edson Júnior e Elisabel Ferriche