01/10/2018 11h53

No Dia Internacional do Idoso, especialista comenta conquistas e desafios da terceira idade

Nesse 1º de outubro também é aniversário do Estatuto do Idoso, que completa 15 anos. Ouça a entrevista do presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Carlos André Uehara, sobre o tema

Hoje é o Dia Internacional do Idoso. A data foi instituída, há 27 anos, pela Organização das Nações Unidas, com o intuito de chamar atenção da sociedade para as questões do envelhecimento e, também, para a necessidade de proteger e cuidar das pessoas idosas.

Nas últimas décadas, o número de idosos, em todo mundo, quase dobrou. Mas a expectativa é de que, em 2050, a população mundial com idade superior a 60 anos atinja dois bilhões de pessoas. Segundo o IBGE, o Brasil já possui quase 30 milhões de idosos, mas a estimativa é de que essa faixa etária ultrapasse os 70 milhões, em 2060. Isso vai representar 33,7% da população do país.

Nesse 1º de outubro, o Estatuto do Idoso completa 15 anos. E para falar desta e de outras conquistas e desafios para os idosos, o Painel Eletrônico convidou o presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Carlos André Uehara.

Na avaliação do médico, a lei foi um grande avanço para o acesso do idoso a direitos e serviços, mas a aplicação desses direitos precisa ser melhor efetivada. Carlos André Uehara afirma que é preciso discutir melhor o futuro dos idosos para a população que hoje tem 30 anos, como a reforma da Previdência. Para os atuais idosos, o médico recomenda como prevenção para uma velhice saudável: atividade laboral, mesmo que voluntária; esporte; lazer; e convívio social. Uehara sugere, ainda, mudanças no atendimento ao idoso, hoje concentrado na doença aguda, para a prevenção; e sugere aumento no número de residência médica para a gerontologia, a fim de capacitar um maior número de profissionais.

Apresentação - Elisabel Ferriche e Edson Junior