19/06/2018 10h57

Deputada defende proposta que limita juros cobrados por instituições financeiras

Zenaide Maia (PHS-RN) é autora de PEC que proíbe financeiras de cobrarem juros acima do triplo da taxa Selic. Impactos da medida é tema de debate na Câmara

Os impactos da proposta de emenda à Constituição que limita as taxas de juros sobre as finanças das famílias brasileiras vão ser debatidos, nesta terça-feira, na Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, com apoio da Comissão de Defesa do Consumidor.

A PEC proíbe que os juros das instituições financeiras sejam maiores do que três vezes a taxa básica de juros estabelecida pelo Banco Central, a chamada Selic. Ela é um instrumento usado para controlar a inflação e tem vital importância na economia, pois as taxas de juros cobradas pelo mercado são balizadas por essa ferramenta monetária. Atualmente, a taxa básica de juros da economia é de 6,5% ao ano.

Para falar sobre o assunto, o Painel Eletrônico convidou a autora da proposta e também do pedido de realização da audiência pública na Comissão de Defesa da Mulher, deputada Zenaide Maia (PHS-RN).

Na entrevista, a deputada disse que considera "absurdos" os juros cobrados por algumas financeiras e bancos, que chegam até 815% ao ano pelo crédito pessoal não consignado. Isso equivale a quase 60 vezes a meta da taxa básica de juros da economia. Para a deputada, a proposta de autoria dela vai ajudar a corrigir essas distorções e aliviar a situação financeira das famílias brasileiras.

Apresentação - Edson Júnior e Elisabel Ferriche