25/05/2018 13h30

Especialista defende cumprimento de código sanitário para exportação de gado vivo brasileiro

Vânia Nunes, diretora técnica do Fórum Nacional de Defesa Animal, falou sobre o assunto em entrevista ao Painel Eletrônico

A Frente Parlamentar Ambientalista promoveu encontro para debater o projeto que veda a exportação de gado vivo por transporte marítimo. Segundo o autor da proposta, deputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP), a exportação dos animais, como bois, porcos e aves, implica sofrimento para eles e dificulta o cumprimento das normas de bem-estar.

Para falar sobre o assunto, o Painel Eletrônico convidou a médica veterinária e diretora técnica do Fórum Nacional de Defesa Animal, Vânia Nunes, que participou do encontro.

Segundo ela, é preciso uma legislação nacional e o cumprimento do Código Sanitário para Animais Terrestres, da Organização Mundial de Saúde Animal, do qual o Brasil é signatário. Ainda segundo Vânia Nunes, o interesse econômico é o principal motivo para que os empresários continuem usando embarcações inadequadas e desumanas para o transporte de animais. Segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, o Brasil exportou mais gado vivo nos dois últimos meses do ano, enviando 78.264 cabeças para o exterior em maio e junho. Isso significa uma alta de 30,2% em relação ao mesmo período do ano passado.

A médica veterinária também destacou que os animais são enviados principalmente para a Turquia, Líbano, Iraque e, mais recentemente, Egito, países onde o abate do gado é feito com cunho religioso. A médica também criticou o transporte interno de animais, que, segundo ela, precisa ser mais humanizado no Brasil.

Apresentação - Edson Júnior e Elisabel Ferriche