11/07/2019 - 19h08

Bancada feminina pede apoio a mudanças na reforma da Previdência

Integrantes da bancada feminina pediram apoio para aprovação de uma emenda que altera três pontos da reforma: mantém na Constituição a proteção à maternidade; permite que trabalhadoras tenham um benefício maior a partir dos 15 anos de contribuição; e altera regras para pensão.

A coordenadora da bancada, deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), afirmou que a emenda dá “garantia e proteção às mulheres”.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) destacou que as mulheres tiveram prejuízos enormes com a elevação da idade mínima e, especialmente, com a nova regra para as pensões. “A maioria dos pensionistas são mulheres”, lembrou.

> Com 379 votos favoráveis, Câmara aprova texto-base da reforma da Previdência

A líder da Minoria, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), no entanto, disse que a emenda não resolve a situação das pensões inferiores ao salário mínimo. “A emenda, na busca de minimizar os danos, avançou em alguns itens, mas não deu solução para a pensão, para garantir que a pensão não seja menor que um salário mínimo. Perdemos qualquer chance de garantir o mínimo para as pensões das mulheres desse país”, disse.

Já a deputada Soraya Santos (PL-RJ) destacou que a emenda corrige pontos objeto de grande discussão. “Gostaria de registrar a unidade da bancada feminina”, afirmou.

> Veja os principais pontos do texto-base aprovado

No momento da negociação, o líder do PSL, deputado Delegado Waldir (GO), pediu atenção à votação dos destaques. “A cada mudança que desidrata a reforma, estão tirando dinheiro das pessoas mais pobres deste país, do Nordeste”, disse.

O deputado Otoni de Paula (PSC-RJ) disse que alguns pontos da reforma são “inegociáveis”.

> Entenda a tramitação da reforma da Previdência

Mais informações a seguir