11/07/2019 - 18h06

Líderes da oposição tentam acordo para aprovar destaques à reforma da Previdência

Líderes de partidos da oposição negociam a aprovação de dois destaques que alteram o texto da reforma da Previdência (PEC 6/19). O PSB propõe uma alteração que retira o aumento do tempo de contribuição – de 15 para 20 anos – exigido para aposentadoria dos homens. Já o PDT articula a aprovação do destaque que diminui a idade mínima de aposentadoria dos professores da ativa para 52 (mulheres) e 55 (homens). O substitutivo aprovado pelo Plenário ontem prevê aposentadoria para professores que estão trabalhando aos 55 (mulheres) e 58 (homens).

> Com 379 votos favoráveis, Câmara aprova texto-base da reforma da Previdência

O líder da oposição, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), acredita que a proposta do partido tem sensibilizado parlamentares. Ele explica que o trabalhador que se aposenta por idade contribui em média 5 meses por ano e, se for exigido dele 5 anos de contribuição a mais, isso significará 12 anos a mais de trabalho, ou seja, o trabalhador que já cumpriu a idade mínima só se aposentaria com 77 anos. Segundo Molon, a equipe econômica do governo avalia o impacto dessas alterações no texto.

> Veja os principais pontos do texto-base aprovado

“O trabalhador corre o risco de nem se aposentar nem poder acessar o BPC, ficar sem nada. Entendemos que é fundamental responsabilidade fiscal, mas é inaceitável que ela seja separada da responsabilidade social”, declarou.

Professores
O líder do PDT, deputado André Figueiredo (CE), afirmou que o acordo que beneficia os professores tem grande possiblidade de ser fechado.

> Entenda a tramitação da reforma da Previdência

“Já conversamos e dialogamos. O governo está percebendo que não tem como derrubar o destaque supressivo e essa alteração deve ser aprovada. Quem ganha são os professores e a educação do Brasil ”, comentou.

Mais informações a seguir