24/05/2019 - 18h21

Relator da reforma da Previdência reafirma meta de economizar mais de R$ 1 tri em dez anos

Samuel Moreira comentou declarações do ministro Paulo Guedes publicadas na imprensa sobre o risco de o Congresso aprovar uma “reforminha”

O relator da reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira (PDSB-SP), minimizou declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre o risco de o Congresso aprovar alterações na reforma da Previdência (PEC 6/19) que representem diminuição da economia prevista pelo governo, que seria superior a R$ 1,2 trilhão em dez anos. Em entrevista à revista Veja, Guedes chegou a dizer que renunciaria se a proposta virasse uma “reforminha”.

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre o Benefício de Prestação Continuada e Abono Salarial. Dep. Samuel Moreira (PSDB-SP)
Samuel Moreira: "A reforma não é do Paulo Guedes, do Samuel ou do Rodrigo Maia. É do Brasil"

Moreira afirmou que a declaração do ministro não influencia em nada seu trabalho e não contamina a discussão do tema. “Sempre tivemos a meta de mais de R$ 1 tri de economia, por convicção. Coincidiu com a meta do governo, porque faz sentido, é coerente. Vou continuar perseguindo essa meta porque é importante para o equilíbrio das contas públicas”, destacou.

O relator acrescentou que não se sente pressionado a aprovar a reforma exatamente como foi encaminhada pelo Executivo. “E tenho certeza de que os deputados também não se sentem pressionados. São poderes independentes, que devem ter harmonia”, disse. “Haverá alterações no projeto, sim, e vamos encaminhá-las ao País. A reforma não é do Paulo Guedes, do Samuel ou do Rodrigo Maia [presidente da Câmara], a reforma é do Brasil.”

Votos
Samuel Moreira confirmou a entrega de seu relatório no dia 15 de junho e ressaltou que é importante a partir de agora garantir votos para aprovar a proposta na comissão especial. “Junto com o governo, porque o governo tem votos e precisamos deles”.

Para o relator, também é preciso identificar a posição dos líderes e dos coordenadores de bancada dentro da comissão para construir maioria. “O governo tem de ter tranquilidade para conduzir isso e buscar votos”, completou.

Até o momento, a proposta de reforma da Previdência recebeu 42 emendas. O relator disse que está sistematizando e avaliando as sugestões, que podem ser encaminhadas até 30 de maio

Outras medidas
Samuel Moreira salientou ainda que a reforma sozinha não resolverá os problemas do País, mas, sem ela, será mais difícil. “A reforma não é ponto final, é ponto de partida.”

Íntegra da proposta:

Reportagem – Geórgia Moraes
Edição – Marcelo Oliveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Ronnie Adriani Moreira Ribeiro | 29/05/2019 - 10h22
Sobre as regras de transição relativas ao RGPS: porque o pedágio de 50% do tempo faltante para quem pode se aposentar por tempo de contribuição(com incid?ncia do FP) não é estendido para todos os que se encontram na transição? a proposta prevê esse pedágio somente para quem está a 2 anos da aposentadoria, sendo acrescido de 1 ano devido ao pedágio. mas quem está a 2 anos e 1 mês/ Neste caso seria acrescido cerca de 6 a 8 anos a mais de contribuição... uma penalidade excessiva. Porque não os 50% para todos os prazos faltantes|?
João Luiz Romão Pereira | 27/05/2019 - 14h14
O servidor publico que já está cumprindo a Regra de Transição dos 60 anos (de 2003) e falta menos de 1 ano ou pouco tempo para se aposentar (cumprindo o pré requisito da idade mínima), QUE É O MEU CASO, deve ficar fora dessa Reforma atual. Já cumpre um "pedágio". É uma questão de Justiça.
SÉRGIO FERREIRA | 26/05/2019 - 21h29
CAROS AMIGOS CONGRESSISTAS, A REFORMA DA PREVIDÊNCIA MAIS REVOLUCIONÁRIA QUE O GOVERNO PODERIA FAZER SERIA TRANSFORMAR CADA TRABALHADOR, FUNCIONÁRIO PÚBLICO E MILITAR EM INVESTIDOR, OU SEJA, SERIA DESCONTADO 10% DO VALOR DA REMUNERAÇÃO DE CADA TRABALHADOR E ESTE VALOR SERIA INVESTIDO MÊS A MÊS NUMA CONTA INDIVIDUALIZADA E EXCLUSIVA, PARA O TRABALHADOR SE TORNAR INVESTIDOR EM GRANDES EMPRESAS, COMPRANDO-SE BOAS AÇÕES QUE VALORIZAM AO LONGO DO TEMPO E QUE PAGAM BONS DIVIDENDOS, DE MODO QUE DEPOIS DE 15 ANOS, O TRABALHADOR PASSARIA DE SIMPLES TRABALHADOR A INVESTIDOR INDEPENDENTE FINANCEIRA.