03/04/2019 - 20h00

Guedes diz que sistema atual é “fábrica de desigualdades”; acompanhe

O ministro da Economia, Paulo Guedes, colocou à disposição dos parlamentares as simulações feitas pela equipe técnica que analisou a reforma da Previdência. Durante debate na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, ele afirmou que há muita confusão sobre as mudanças propostas, especialmente sobre eventuais prejuízos causados por regras de transição.

Guedes insistiu que o atual sistema não é mais previdenciário, mas sim de assistência social, em que parte das pessoas conta com privilégios. “A população não tolera mais que a Previdência seja uma fábrica de desigualdades”, afirmou. “A reforma pretende evitar que o Brasil se torne uma Grécia ou Portugal”, disse o ministro, citando países que têm dificuldade em pagar aposentadorias.

O ministro afirmou que o sistema de capitalização individual, em que cada futuro trabalhador teria uma conta para as contribuições para aposentadoria, ajudaria a educar financeiramente os jovens, além de permitir que as próximas gerações se beneficiem dos juros acumulados.

“Quem acha que não é necessária a reforma é caso de internamento”, disse Guedes, causando reação imediata dos deputados que se opõem à reforma. Em seguida tentou se corrigir, afirmando que é necessário “internar” não quem recusa a atual proposta, mas sim a necessidade de mudanças no atual sistema. Deputados continuaram a reclamar do ministro. “Estou otimista, eu sei que vocês sabem que é necessário fazer uma reforma”, afirmou Guedes.

O debate prossegue no plenário 1.

Mais informações a seguir