21/03/2019 - 14h54

Oposição cria frente contrária à reforma da Previdência

Seis partidos integram a frente, juntos têm 132 votos na Câmara, o que não é suficiente para barrar a reforma no Plenário. São necessários 308 votos para aprovar a proposta

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Presidentes dos partidos da oposição se reúnem na Liderança do PSOL na Câmara para discutir estratégias de enfrentamento à Reforma da Previdência. Dep. André Figueiredo (PDT - CE)
André Figueiredo: frente marca reunificação dos partidos de oposição

Seis partidos de oposição ao governo decidiram nesta quinta-feira (21) lançar uma frente contrária à reforma da Previdência (PEC 6/19) na próxima terça-feira (26). São eles: PDT, PT, Psol, PSB, PCdoB e PCB.

Para o líder do PDT, deputado André Figueiredo (CE), a decisão marca uma reunificação dessas legendas que formaram blocos separados logo no início da legislatura, sendo que o PCB não tem representação na Câmara.

Juntos, eles têm 132 votos na Câmara e são necessários 308 para aprovar a reforma em Plenário.

Entenda como será a tramitação da proposta de reforma da Previdência

A líder da Minoria, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), afirma que os votos necessários para barrar a reforma virão de outros partidos. "Buscando outros parlamentares, independentemente de suas legendas, além de uma grande articulação com a sociedade brasileira para construção de um grande movimento cívico nacional."

Para André Figueiredo, o saldo da reforma é bastante negativo para os trabalhadores em geral. "Da maneira como foi proposta, a reforma vai causar um grande malefício à base da pirâmide, às pessoas que não têm mais o que perder porque já perderam tudo. Então temos que fazer essa grande articulação e esses partidos estão extremamente unificados nessa ação."

Conheça os principais pontos da proposta de reforma da Previdência

Deficit público
Mas o governo tem afirmado que a reforma previdenciária não seria uma opção. O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem destacado a situação das contas públicas e alertado para necessidade da reforma. "Para retomar o crescimento econômico, recuperar a estabilidade fiscal e, principalmente, evitar o colapso do regime previdenciário brasileiro”.

Ouça esta matéria na Rádio Câmara

Guedes ressaltou ainda que todas as aposentadorias e até mesmo os salários dos servidores públicos estariam em risco. “Porque o Estado está em ritmo acelerado rumo à insolvência." A reforma da Previdência pretende economizar R$ 1 trilhão nos próximos dez anos.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Sílvia Mugnatto
Edição – Geórgia Moraes

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

RENATO | 25/03/2019 - 12h21
QUE A REFORMA SE FAZ NECESSÁRIA, ISSO TODOS NÓS SABEMOS. PORÉM É PRECISO QUE SE CRIE MECANISMOS DENTRO DESSA REFORMA QUE NÃO SEJAM TÃO DANOSOS AOS MAIS HUMILDES. QUE BUSQUEM COBRAR AS DÍVIDAS MILHONÁRIAS DOS BANCOS E EMPRESAS PARA COM A PREVIDÊNCIA. ESTANCAR A CORRUPÇÃO E FRAUDES NA PREVIDÊNCIA É OUTRA ALTERNATIVA.
Luiz Fernando Maximiano | 22/03/2019 - 18h01
Sugiro que esses partidos tirem de seus caixas 20% do que arrecadam mensalmente e contribuam para tapar o déficit da previdência.
antonio mantovani | 22/03/2019 - 17h29
Vamos resolver o problema da previdência assim: 13.000.000 de desempregados se todos estivessem na ativa teriamos a conta assim: 13.000.000xsalario medio 1500,00x8%+20%da empresa=: 1.800,00x13.000,000=R$23.400 bilx12 meses R$280 bilhões, pronto cobrimos a previdência. Não esquecendo a derrubar primeira a DRU. Vamos lutar para mais empregos e não para tirar dinheiro de circulação. Com essa reforma vai ser uma velharada desempregada e sem aposentaria sem fim.