21/02/2019 - 15h12

Secretário da Previdência defende modelo de capitalização

Deputado da oposição lembra que regime não deu certo no Chile, onde foi aplicado a partir dos anos 1980

Jefferson Rudy/Agência Senado
Trabalho -  previdência - reforma INSS aposentadorias aposentados contas públicas
As regras do modelo de capitalização para a nova Previdência serão definidas em lei complementar

No anúncio da reforma da Previdência (PEC 6/19), o governo também propôs as bases para um novo modelo de capitalização que será opcional e apenas para os trabalhadores que estiverem entrando no mercado de trabalho após a sua regulamentação.

De acordo com o secretário de Previdência, Leonardo Rolim, a ideia é que cada trabalhador tenha uma conta individual onde depositará suas contribuições e que também poderá receber contribuições dos empregadores. É o modelo de capitalização, no qual o trabalhador recebe o que contribuiu mais os rendimentos. O sistema atual é de repartição. Ou seja, independentemente do que foi contribuído, o trabalhador recebe o que foi definido em lei para o seu caso.

Para o deputado Glauber Braga (Psol-RJ), o sistema de capitalização não deu certo no Chile:

“E utilizam como um modelo para essa experiência e dizem que depois vai ter uma norma infraconstitucional para regulamentação. Mas o que eles não dizem é que no Chile de Pinochet, que fez essa reforma, orientado pelos “chicago boys” do senhor Milton Friedman, lá no Chile - e esses são dados oficiais - mais de 90% dos aposentados, se você faz a conversão para a moeda brasileira, ganham lá aproximadamente R$ 600. Com o salário mínimo no Chile, que também se convertido para a moeda brasileira, é de R$ 1.200”, comparou Braga. 

Pagamento mínimo
Mas o secretário de Previdência, Leonardo Rolim, disse que haverá um mínimo a ser pago:

“Um dos princípios gerais é a capitalização em regime de contribuição definida. Que quer dizer isso? As pessoas vão receber na sua aposentadoria de acordo com o que ela contribuiu ao longo da sua vida laboral. Porém, tem a garantia do salário mínimo. Se a pessoa contribuiu pouco ao longo da vida, não garantiu o mínimo para receber o salário mínimo, vai ter um fundo solidário que vai garantir que essa pessoa receba pelo menos o salário mínimo”, disse.

As regras do sistema de capitalização ainda serão definidas em lei complementar; mas Leonardo Rolim disse que também haverá a possibilidade de criação de um sistema de contas virtuais que teria a função de diminuir o custo de transição para o novo modelo. Neste sistema, as contribuições seriam geridas e registradas pelo Tesouro de maneira contábil; ou seja, não haveria a aplicação do dinheiro no mercado financeiro, mas o trabalhador teria a garantia da rentabilidade.

Íntegra da proposta:

Reportagem - Sílvia Mugnatto
Edição – Roberto Seabra

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Desindexação Total | 24/02/2019 - 01h15
Não aprove a reforma da previdência, senhores deputados, vamos aprovar o plano B da desindexação total. A base eleitoral dos senhores ficaria muito feliz! SQN
Resposta à Anfip | 22/02/2019 - 21h45
Google: Vídeo nas redes diz que rombo na Previdência é farsa; será mesmo?
Augusto Cesar | 22/02/2019 - 16h02
Faço a seguinte pergunta, quando não ocorre crises econômicas o trabalhador e a trabalhadora não percebem melhorias e que há as crises são sempre os trabalhadores e trabalhadoras que são penalizados com a degradação da qualidade de vida?