15/02/2019 - 15h18

Maia avalia que reforma da Previdência pode ser votada em junho pela Câmara

Presidente da Câmara tem participado de reuniões em busca de consenso em torno da proposta

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Presidente da Câmara dos Deputados, dep. Rodrigo Maia (DEM-RJ), concede entrevista
Rodrigo Maia está negociando a reforma da Previdência com governadores

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que a reforma da Previdência pode ser votada em junho. Maia deu a declaração ontem, em Teresina (PI), após encontro com o governador Wellington Dias. Ele tem participado de reuniões com diversos governadores para articular um texto de consenso sobre a reforma da Previdência. Nesta sexta-feira (15), Maia se encontrou com o governador do Paraná, Carlos Massa Junior.

"O que vai ser construído como solução vai depender da nossa capacidade diálogo. O que eu acho mais importante, e que não tinha visto, é que os governadores querem sentar na mesa e construir um texto”, afirmou.

“Se olharmos a tramitação da proposta do ex-presidente Temer, mais ou menos no mesmo prazo, vai dar ali no início de junho”, avaliou.

Lei Kandir
Em relação às mudanças na Lei Kandir, Maia voltou a defender uma solução rápida para a questão. Maia acredita que o ideal seja construir uma situação intermediária para garantir recursos aos estados, mas que haja um prazo para terminar.

“Cada estado tem que ter a liberdade de tributar ou não tributar. O ideal é fazer uma transição para que daqui a cinco anos possamos ter o fim da lei Kandir numa situação previdenciária melhor e tributária melhor”, afirmou.

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição - Wilson Silveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Juliana de Morais | 10/03/2019 - 03h30
Máia parece que não está interessado na reforma da previdência porque ela vai pegar mais para os cargos mais altos e para os que trabalham menos anos. Penso que propositalmente empurra a mesma para junho, pouco se importando com as consequências disso. Também não quer cortar privilégios absurdos que hoje existem e sai caro pro país. Tranqueira.
Fernando Fontenelle | 19/02/2019 - 17h17
Vejam a Lei nº13.808, de 15/01/2019, que estima a receita e fixa a despesa da União para 2019. Art. 2º, inciso III. Refinanciamento da dívida pública estimada em quase 759 bilhoes! 759 bilhões! Qual é a origem dessa dívida pública? A quem pagamos? A quem devemos? A auditoria da dívida está na Constituição federal e até hoje ninguém explicou isso para a sociedade. Oportunidade boa para esclarecermos esse absurdo! E a Previdência não está quebrada, até porque todos empregados e empresas pagam a ela e ainda tem a desvinculação das suas receitas.
CLAUDIA BATISTA | 19/02/2019 - 11h46
Não há deficit na previdência, como já provado por diversos estudos, entre eles o estudo da Receita Federal a a cPI da Previdência. O rombo está nos grandes devedores, nos desvios.Quanto à idade, essa já foi solucionada com o fator previdenciário, uma medida justa e eficaz. Não sei o porque de tanto bater na tecla dessa reforma, deve haver algum grande interesse por trás dessa reforma. E quanto ao funcionalismo público, já há o limite do teto do RGPS.A primeira coisa a ser feita é uma auditoria da Previdência, cobrar os devedores e combater as fraudes, pensões vitalícias para filhos solteiros.