20/02/2017 - 21h33

Deputados aprovam cursos técnicos na área esportiva para jovens aprendizes

Zeca Ribeiro - Câmara dos Deputados
Sessão Extraordinária da Câmara dos Deputados
Texto aprovado pelos deputados é emenda do Senado a projeto original de deputado

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, nesta segunda-feira (20), emenda do Senado ao Projeto de Lei 742/11, do deputado André Figueiredo (PDT-CE), que permite às empresas contratantes de jovens aprendizes matriculá-los em cursos técnicos na área esportiva. O texto tinha sido aprovado pelos deputados em setembro de 2013. Agora a matéria será enviada à sanção presidencial.

A emenda dos senadores mantém a redação atual da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT - Decreto-Lei 5.452/43), que permite um tempo maior de contrato de aprendizagem, superior a dois anos, para aprendiz com deficiência. O texto da Câmara, um substitutivo do deputado Marcos Rogério (DEM-RO), retirava essa possibilidade.

Autor do projeto, o deputado André Figueiredo lembrou que a aprendizagem profissional ainda apresenta gargalos, já que muitas empresas ainda têm dificuldade de preencher a cota de 10% de jovens aprendizes. “Esse projeto vem ao encontro da formação técnico-profissional da juventude brasileira, uma vez que vamos poder destinar 10% da cota de aprendizes para formação esportiva”, disse.

Cursos
A CLT obriga as empresas a empregar aprendizes em um total de 5% a 15% de seus trabalhadores. Esses aprendizes devem ser matriculados em cursos de aprendizagem ofertados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem.

Pela proposta, até 10% dos aprendizes terão a opção de fazer cursos relacionados ao esporte em entidades de práticas desportivas de diferentes modalidades. Essa formação poderá incluir atividades de construção, ampliação, recuperação e manutenção de instalações esportivas e de organização e promoção de eventos dessa área.

Segundo a legislação, a preferência deve ser dada ao chamado Sistema S (Senac, Senar, Senai, Sebrae) na hora de fornecer vagas aos aprendizes nos cursos relacionados ao esporte.

Caso o Sistema S não tenha vagas suficientes, os cursos previstos no projeto poderão ser oferecidos por entidades de práticas desportivas filiadas aos sistemas de desporto nacional, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. Atualmente, a CLT prevê como alternativa apenas as escolas técnicas de educação e as entidades sem fins lucrativos dedicadas à educação profissional.

Íntegra da proposta:

Reportagem - Eduardo Piovesan
Edição - Newton Araújo

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Erasmo Neto | 21/02/2017 - 14h45
Contra a proposta.Século XXI sociedades buscando formar cientistas com capacidade para desenvolver novas tecnologias e registrar para conseguir explorar comercialmente países em desenvolvimento.O sistema de ideias com base no pão e circo só gera indivíduos fracos de mentalidade.Ex: são tão fracos que provocam homicídios incontáveis,nas arenas e fora.A turma da jogatina fez metamorfose para ocultar e iludir os jovens brasileiros?
pedro salvador | 21/02/2017 - 10h43
Falar em corrupção? é só acabar com impostos que não tem verba pra corrupção? e vai ter progresso ok? reforma não deveria ser da previdência? deveria ser reforma pra gastar só 200.00 com cada bandido preso, veja que hoje se gasta em media 3.500.00 a 7.000.00 com cada bandido preso. sem falar no bandido chanpinha que causa um gasto de 75.000.00 por mês. tem algum aposentado ou trabalhador ganhando este valor? este é o brasil que as igrejas os politico e judiciário gosta só dos bandidos e dos animais, mais não gosta de quem trabalhou ou trabalha, Uruguai argentina bom pra gente decente.