24/04/2015 - 17h16

Comissão especial discute piso de vigilantes de bancos e transporte de valores

Arquivo - Jorge Campos
Wellington Roberto
Wellington Roberto é o relator na comissão especial que analisa o piso salarial de vigilantes e dos trabalhadores em empresas de transportes de valores.

A Câmara dos Deputados discute proposta que fixa em R$ 800 o salário mínimo pago a vigilantes de instituições financeiras e aos que trabalham em empresas de transporte de valores.

Hoje, esses trabalhadores não têm direito a um piso definido em lei para todo o território nacional. A medida está prevista no Projeto de Lei 4238/12, do Senado, que estabelece três faixas salariais de acordo com riscos e responsabilidades.

Os seguranças com atividades com menos riscos receberão o mínimo de R$ 800. Para trabalhos mais arriscados, o valor é R$ 950, e pode chegar a R$ 1.100 para o trabalhador exposto ao grau máximo de risco e responsabilidade.

A convenção coletiva de trabalho vai definir quais atribuições tem grau mínimo, grau médio e grau máximo de risco profissional.

Pelo projeto, o piso será reajustado anualmente, de acordo com a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Autor do projeto, o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), avalia que o projeto vai corrigir as disparidades salariais existentes entre trabalhadores de cidades diferentes. “Qual a diferença de se fazer a segurança na capital ou no interior, quando os contratos de segurança são uniformes?”, questionou.

Tramitação
O projeto está sendo analisado por uma comissão especial. O relator é o deputado Wellington Roberto (PR-PB). Depois de votado na comissão, o projeto será analisado pelo Plenário.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Carol Siqueira
Edição – Newton Araújo

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Cristian | 20/07/2016 - 19h23
Deputado gasta 800,00 reais com ração de cão. Quer pagar 800,00 para um segurança...kkkkkk piso nacional senhores minimo 3000 mil.para vigilante armado ou não, aliás desarmado o risco e maior.