08/05/2019 - 17h25

Maia pede análise sobre decreto do porte de armas e nega mal-estar

J. Batista/ Câmara dos Deputados
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, no Ministério da Economia.
Rodrigo Maia: "Não tem mal-estar nenhum, isso é da democracia"

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que não haverá mal-estar com o governo se a Câmara entender que o decreto do presidente Jair Bolsonaro sobre porte de armas excede as prerrogativas do Poder Executivo. Maia pediu um estudo sobre o decreto à Consultoria Legislativa da Casa.

“Como pode haver mal-estar? Mesmo que tenha passado algo daquilo que a gente acredita, não tem mal-estar nenhum. Ele apresentou o decreto, publicou e, se a Câmara entender que há um excesso, vamos questionar, isso é da democracia”, ressaltou.

Maia citou o decreto do governo que ampliou a funcionários comissionados e de segundo escalão o poder de impor sigilo a documentos públicos e foi derrubado pelo Congresso no início do ano.

Área rural
O presidente da Câmara disse ainda que conversou com Bolsonaro sobre a parte do decreto relativa ao direito de porte para residente em área rural. Segundo Maia, a Câmara deve votar ainda hoje requerimento de urgência de projeto que permite a concessão de licença para o livre porte de arma de fogo para proprietários e trabalhadores rurais maiores de 21 anos (PL 6717/16).

Ouça esta matéria na Rádio Câmara

“É um texto que foi dialogado com outros segmentos da sociedade, e não só os que defendem as armas”, disse Rodrigo Maia.

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Wilson Silveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Carlos Santos | 09/05/2019 - 13h09
Maia é uma influência extremamente deletéria no Congresso. Lutarei no RJ para que ele não consiga mais se reeleger. Este senhor só pensa em seu próprio benefício , não havendo nada além disto.
marcus moreno neves | 09/05/2019 - 12h03
Deixa de mimimi, desde 2003 quando foi criado este famigerado estatuto do desarmamento o número de homicidios aumentou em progressão geométrica. Ainda temos um referendo onde a população não quer este maldito estatuto!!!! REVOGAÇÃO total da lei 10.826.
Decreto é Discricionário | 09/05/2019 - 09h59
Não continue sendo uma âncora para o Brasil.