19/03/2018 - 10h27

Relatora da comissão externa da intervenção diz que morte de Marielle é afronta ao Legislativo

Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Ordem do dia para discussão e votação de diversos projetos. Dep. Laura Carneiro (S.PART. - RJ)
Laura Carneiro: "A vereadora acabou virando um símbolo de um parlamentar morto em um combate"

Relatora da comissão externa da Câmara que acompanha a intervenção federal no Rio de Janeiro, a deputada Laura Carneiro (DEM-RJ) disse, nesta segunda-feira (19), que a morte da vereadora carioca Marielle Franco foi uma afronta ao Poder Legislativo.

A declaração foi dada à Rádio Câmara, antes da reunião conjunta da comissão e do Observatório Legislativo da Intervenção Federal na Segurança Pública do Rio de Janeiro (Olerj) com o general Braga Netto, interventor da Segurança no Rio, e o secretário de Segurança Pública do estado, general Richard Fernandez Nunes.

“A apuração tem que ser muito rigorosa”, afirmou a deputada. “Já na sexta-feira, estivemos com o general Braga Netto levando um documento dizendo que foi uma afronta à intervenção, uma afronta ao Poder Legislativo, uma afronta às instituições de uma forma geral”, completou. “A vereadora acabou virando um símbolo de um parlamentar morto em um combate.”

Para Laura Carneiro, a execução da vereadora – morta com quatro tiros na cabeça na noite de quarta-feira passada (14), no Rio de Janeiro – reforça a necessidade da intervenção. “Um dos objetivos da intervenção deve ser reestabelecer a qualidade necessária da política do Rio, retirando dos seus quadros aqueles que se envolveram com a milícia e se envolveram com o tráfico de drogas”, destacou a parlamentar.

Na reunião desta terça com o interventor no Rio, a relatora da comissão externa da Câmara vai cobrar os resultados das investigações sobre a execução de Marielle e de seu motorista Anderson Pedro Gomes. Além disso, quer saber “qual o planejamento da intervenção, a questão orçamentária e todas as outras ações que vão nortear a intervenção”.

Laura elogiou ainda o anúncio feito pelo ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, na noite de domingo (18), de que o governo federal destinará mais de R$ 1 bilhão para a intervenção no Rio de Janeiro e para o recém-criado Ministério da Segurança Pública.

Comissão sobre o assassinato
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, anunciou na última quinta-feira (15) a criação de outra comissão externa na Casa para acompanhar as investigações sobre o assassinato de Marielle Franco. A nova comissão externa foi proposta pelos deputados Jean Wyllys (Psol-RJ), Erika Kokay (PT-DF), Luiza Erundina (Psol-SP) e Wadih Damous (PT-RJ).

Reportagem – Lara Haje
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Erasmo Neto | 21/03/2018 - 12h06
"O Brasil,não esta preparado para conhecer o óbvio";frase de um dos entrevistados no programa,Encontro,apresentadora Fátima Bernardes,com a qual concordo.Motoristas de caminhão quase geralmente são classificados como estrangeiros,no próprio país de origem.Sugiro aos movimentos sociais que, estudem o comportamento de negros estivadores, para revelarem se é verdade ou mentira,época de 1970/80,amaçavam intimidavam até de morte,se motoristas não concordassem em retirar mercadorias desviadas e contrabando do cais do porto.Óbvio se a policia pegasse em flagrante;quem seria preso?A verdade liberta.
Erasmo Neto | 21/03/2018 - 09h20
Por gentiliza Brasileiros,vamos ter cautela e procurar estudar para discernir melhor de como funciona a nossa sociedade."Tudo informa e comunica";"Os autores sempre deixam indicações".Ex:No filme;Cidade de deus, a frase: a partir de hoje você se chama Zé pequeno.Procurem na literatura e vão encontrar pessoas com nomes religiosos e nomes civis que jamais revelam, a quem não é do grupo o nome religioso.Hoje devido a evolução tecnológica disponível a todos,com capacidade de gravar sons e imagens em movimento;existe a possibilidade de outros membros do grupo,desconhecidos,fazendo queima de arquivo
Erasmo Neto | 20/03/2018 - 11h13
Muitos ainda não perceberam quando começou a nova era na humanidade.Quando a França conseguiu reunir vários cientistas acadêmicos que iniciaram o sistema de unidades métricas internacional.Quando enciclopedistas revelaram através da palavra escrita os vários sistemas de criptografia usados pelas academias militares e religiosas,também usados por diplomatas Estatais,com possibilidade de formar autodidatas?Por Gentileza,Deputado Chico Alencar,não sustente ainda mais a violência,o Sr.sendo professor de história sabe que o meu pedido tem base profunda.O Tempo é senhor das verdades.Cautela.