04/06/2019 - 13h01

Bolsonaro entrega a Maia projeto que muda regras para obtenção e suspensão de CNH

"Essa agenda que atinge o dia a dia do trabalhador brasileiro também é importante que faça parte da nossa pauta”, afirma Rodrigo Maia

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Presidente Jair Bolsonaro entrega o projeto de lei que altera regras relacionadas à Carteira Nacional de Habilitação (CNH)
Rodrigo Maia recebe de Bolsonaro proposta elaborada com contriuições de parlamentares

O presidente da República, Jair Bolsonaro, entregou nesta terça-feira (4) ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, projeto que muda as regras para obtenção e suspensão da Carteira Nacional de Habilitação-CNH (PL 3267/19). O texto amplia de cinco para dez anos a validade da CNH e aumenta de 20 para 40 pontos o limite para a suspensão da carteira.

Bolsonaro explicou que o texto tira do Departamento Nacional de Trânsito (Detran) a exclusividade das clínicas para os exames de saúde para obtenção/renovação do documento.

“É um projeto que parece que é simples, mas atinge a todos, todo mundo é motorista ou anda de carro”, disse o presidente em coletiva após encontro com Maia.

Rodrigo Maia defendeu o projeto e afirmou que a medida é importante porque atinge os trabalhadores que vivem do transporte, como caminhoneiros e taxistas. “Temos uma pauta extensa de agenda macroeconômica que estamos tocando como a reforma da Previdência e a tributária, mas essa agenda que atinge o dia a dia do trabalhador brasileiro também é importante que faça parte da nossa pauta”, afirmou Rodrigo Maia.

Já o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, explicou que o projeto busca tornar mais fácil a vida do cidadão e desburocratiza a máquina pública. Freitas aproveitou a oportunidade para defender a atualização do Código de Trânsito Brasileiro. Segundo ele, os Detrans estaduais não conseguem operacionalizar os processos que suspendem o direito de dirigir. “É muito fácil que cidadão perca a carteira, isso tem se mostrado ineficaz. Também não faz sentido, se a saúde e a expectativa melhoraram, a gente impor a cada 5 anos para renovar a carteira”, disse o ministro.

Ouça esta reportagem na Rádio Câmara

Íntegra da proposta:

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

helvecio de sa menezes | 12/07/2019 - 19h46
Esse negocio de clinica credenciada, é a uma verdadeira ladroagem, voce fica nas mãos de clinicas, sendo obrigado a pagar por preços absurdos, em um serviço que qualquer médico do SUS ou posto de saúde, faria. Se já pagamos nossos impostos, qual a diferença entre médicos de clinica paga e de órgãos federais, estaduais e municipais? PARABÉNS MESTRE BOLSONÁRIO.
Mauricio Lopes | 11/07/2019 - 08h21
As mudanças precisam ser discutidas com os especialistas na área e os números de acidentes não podem ser ignorados. Nessa materia não apoio o Sr. Presidente, seria uma 'desoneração' que custaria muitas vidas e custos monstruosos para o já sofrido SUS e saúde complementar. Precisa ter fundamentação tal medida, o que já demonstrado pela OAB, ABRAMET e os organismos da segurança viária não ser o caso. Não é plausível que todos eles estejam errados.
Guilherme Aragao | 29/06/2019 - 21h06
Quanto menos humilhação e exploração desavergonhada o motorista tiver com um "profissional Psicologo" ao longo da sua vida melhorbuma vez que estes "credenciados" abusivos usam uma avalição que reprova desavergongadamente as pessoas para receber 2x a taxa usando uma metodologia absurda de riscos para avaliar a "capacitade motora e Intelectual" dos cidadãos. Eu infelizmente vou cair na mão da unica medica credenciada no meu municipio ano que vem para uma outra sessão de assalto a caneta armada.