01/01/2019 - 14h50 Atualizado em 01/01/2019 - 16h32

Deputados avaliam possibilidade de reforma da Previdência no governo Bolsonaro

A possibilidade de uma reforma da Previdência ser aprovada durante o governo Jair Bolsonaro foi abordada por parlamentares que acompanharam a posse do novo presidente da República. No seu discurso de posse, Bolsonaro destacou a necessidade de se fazer reformas estruturantes no País.

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Cerimônia de posse do presidente da República, Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro tomou posse como presidente da República nesta terça-feira (1º), no Plenário da Câmara dos Deputados

O atual deputado e senador eleito Major Olimpio (PSL-SP) ressaltou que alterar as regras de aposentadoria é prioridade para a nova gestão. Ele informou que a partir de 1º de fevereiro, quando o Congresso retoma os trabalhos, o Executivo deve enviar seu pacote de propostas.

“Essa reforma tem de acontecer. O governo não pode errar, e o Congresso, que decidirá o tema, não pode virar as costas para as necessidades da população”, afirmou Major Olimpio.

Por sua vez, o deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS), integrante de partido que fará oposição ao governo Bolsonaro, disse que, se o projeto de reforma da Previdência que vier ao Congresso for igual ao do governo Temer, o texto será derrotado.

“Agora, se a proposta vier para aperfeiçoar a Previdência, nós teremos a compreensão necessária, tudo dentro de patamares razoáveis”, ponderou. Conforme Pompeo de Mattos, a proposta defendida por Temer prejudicava os mais pobres.

Apoio
O deputado Arthur Oliveira Maia (DEM-BA), que já foi relator da matéria, propôs que se faça a reforma da Previdência de uma vez só, não de forma fatiada. Na opinião dele, é melhor pegar o projeto que já tramita na Câmara em vez de “reinventar a proposta e criar mais um desgate”.

A reforma, conforme Oliveira Maia, tem de abordar cinco pontos: idade mínima; regra de transição; isonomia entre as áreas pública e privada; aposentadoria especial de professores e policiais; e setor rural. “Bolsonaro tem todas as condições para mobilizar  o Congresso e fazer a reforma”, disse.

O deputado Domingos Sávio (PSDB-MG) destacou que o partido do qual ele faz parte está orientado a ajudar Bolsonaro a fazer a reforma, a fim de gerar mais emprego e qualidade de vida.

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Marcelo Oliveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Gilson | 02/03/2019 - 20h48
A regra de transição de cumprir pedágio de 50% do tempo que falta para quem tem até 2 (dois) anos para se aposentar é UM ABSURDO, pois deveriam considerar mais tempo pelo menos (uns 5 anos).
joão Ribeiro | 27/02/2019 - 13h21
essa proposta é terrível aos pobres,idade minima,BPC,ao trabalhador rural,e a pensão por morte pouco falada é terrível principalmente para as mulheres que receberá 60% do marido,a maioria são donas de casa e não são aposentadas,e os militares querem exigir demais,o rombo maior da previdência são causados por eles,tirar do trabalhador aposentado a multa do fgts,diminuir o valor do pis para só quem recebe 1 salário minimo,é muito desrespeito com o trabalhador,se a corrupção fosse combatida realmente não era necessário toda essa sacanagem com o pobre,mas o causador do rombo é o pobre né triste.
Elaine | 21/02/2019 - 07h36
A reforma se faz necessária, porém não se pode penalizar as pessoas que mais precisam, como a aposentadoria por invalidez. As pessoas não pediram para ficar doentes e no momento que mais precisa, o governo vira as Costa como que diz, se vira, você não é mais útil para a economia.