10/12/2014 - 14h13

Relator reafirma envolvimento de André Vargas em esquema de corrupção

O relator do processo de cassação do deputado André Vargas (Sem Partido-PR), deputado Júlio Delgado (PSB-MG), relembrou o tempo que a Câmara está levando para ser votado o processo na Casa, oito meses. O processo foi aberto no dia 9 de abril e atravessou a Copa do Mundo, um recesso branco do Congresso, quando não houve sessões de votação, e as eleições.

Como exemplo das provas contra Vargas, Delgado disse que o deputado negou ter sido beneficiado pelo doleiro Alberto Youssef, e que havia apenas pegado emprestado um avião, mas pagaria o combustível. Mas a secretária de Youssef confirmou que foi o doleiro que pagou os R$ 107 mil de aluguel da aeronave.

Além disso, Delgado reafirmou haver provas concretas de que Vargas mentiu ao negar seu envolvimento no favorecimento de empresas junto ao Ministério da Saúde e outros órgãos. “O esquema encontrou no deputado uma chave para atuação junto ao poder público”, disse.

Tanto funcionários do ministério quanto testemunhas e o próprio Youssef foram convidados pelo Conselho de Ética, mas não foi possível ouvi-los porque o órgão não pode convocar depoentes. “Eu não tenho nada contra o deputado André Vargas, não fosse esse deslize dele contra a ética parlamentar”, disse.