05/09/2013 - 11h27

GT de reforma política vai propor fim da reeleição e coincidência das eleições

Nos próximos 15 dias, o grupo tomará decisão sobre duração do mandato, fidelidade partidária, fim das coligações e sistema eleitoral.

Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados
Reunião ordinária para discutir sobre: Fim de coligação; Cláusula de desempenho; Voto facultativo e Reeleição. Coordenador do grupo, dep. Candido Vacarezza (PT-SP)
Vaccarezza prefere iniciar novas propostas legislativas a apoiar projetos já existentes.

O grupo de trabalho da reforma política definiu nesta quinta-feira (5) posição pelo fim da reeleição para presidente, governador e prefeitos e a coincidência das datas das eleições a cada quatro anos. Ambos os pontos serão válidos a partir de 2018 caso as propostas sejam aprovadas pelo Congresso. A partir dessa decisão, o GT vai elaborar uma nova proposta legislativa, que vai começar a tramitar na Câmara.

Hoje, as eleições ocorrem a cada dois anos. Isso significa que, caso a proposta seja aprovada pelos parlamentares, prefeitos e vereadores eleitos em 2016 cumprirão “mandato tampão” até 2018.

Deputados divergiram sobre coincidência das eleições

Próximas decisões
O coordenador do grupo, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou que o colegiado vai decidir na próxima quinta-feira (12) as seguintes questões: duração do mandato, fidelidade partidária e fim das coligações partidárias. No dia 19, os integrantes do GT tomarão decisão sobre o sistema eleitoral.

O relator do colegiado, deputado Alfredo Sirkis (PV-RJ), já apresentou uma primeira proposta. Ele sugeriu um sistema eleitoral misto, proporcional e majoritário, para deputados; limites para doações de pessoas físicas e jurídicas para campanhas; além de redução dos gastos na propaganda de rádio e TV.

Outras propostas em tramitação
A deputada Luiza Erundina (PSB-SP) lembrou que já existem várias propostas em tramitação hoje sobre todos os assuntos decididos pelo grupo de trabalho. Por exemplo, tranca a pauta do plenário da Câmara o projeto da minirreforma eleitoral (PL 5735/13); e também estão prontos para votação os projetos analisados pela comissão especial da reforma política - PECs 10/95 e 3/99; PL 1538/07 - , outro colegiado da Câmara que analisa o tema.

Há ainda a Frente da Reforma Política com Participação Popular, coordenada por Erundina. A frente está coletando assinaturas para um projeto de lei de iniciativa popular, nos moldes da proposta do movimento Eleições Limpas.

Além disso, diversas comissões especiais sobre reforma política já funcionaram no Congresso no passado, sem sucesso em aprovar propostas. Diante dessa complexidade de debates, Erundina acredita que a reforma política só será efetivamente aprovada por meio do projeto de iniciativa popular.

Reportagem – Lara Haje
Edição - Patricia Roedel

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Coincidência das Eleições em 2020 | 13/09/2013 - 03h45
2020 é o melhor ano para coincidir as eleições porque em um mandato de 2 anos tem-se que o primeiro ano é regido pelo orçamento do mandato anterior e no último ano se tem as limitações da lei eleitoral; então um mandato de 6 anos é uma opção melhor para coincidir as eleições e é mais indicado que esse mandato seja em nível estadual e federal pois uma administração estadual e a federal são mais complexas. Para isso os mandatos dos eleitos nas eleições estaduais e federais de 2014 devem terminar junto com os mandatos dos eleitos nas eleições municipais de 2016 para coincidir as eleições em 2020.
Matheus | 06/09/2013 - 15h24
Concordo com a coincidência das eleições nos três níveis, mas acredito que, se o povo quiser, não há problema em reeleger indefinidamente o prefeito, governador ou presidente.