21/05/2012 - 10h03

Ministro do STF decide hoje se Cachoeira deporá ou não amanhã

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello, relator do processo que investiga as relações do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com agentes públicos e privados, deverá decidir hoje se mantém ou não a liminar que permite a Cachoeira não depor na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) sobre o caso. Na quinta-feira passada (17), a defesa entrou com um novo pedido junto ao STF para a manutenção da liminar concedida anteriormente por Celso de Mello.

Divulgação/ Agência Senado - Geraldo Magela
CPI/ CPMI - CPMI do Cachoeira - Guarda de documentos sigilosos em sala especial para evitar vazamentos - Vital do Rêgo (presidente) e Odair Cunha (relator)
Vital do Rêgo (C) e Odair Cunha (D) guardam documentos sigilosos em sala especial.

Os advogados do contraventor alegaram que não teriam tempo suficiente para analisar todos os dados sigilosos em posse da CPMI, que havia remarcado depoimento de Cachoeira para amanhã (22). O principal advogado do contraventor, Márcio Thomaz Bastos, também encaminhou na última sexta-feira (18) uma petição à CPMI solicitando cópia dos documentos sigilosos em poder da comissão e requerendo três semanas para analisá-los.

Thomaz Bastos solicitou ainda que, no decorrer desse prazo, seja possível conversar reservadamente com o Cachoeira sobre os dados obtidos. Cachoeira está preso na Papuda, em Brasília.

Na quarta-feira (16), um dia após abrir os dados secretos para a defesa de Cachoeira, a CPMI havia protocolado no Supremo um pedido de reconsideração da decisão do ministro Celso de Mello, que agora terá que analisar as duas demandas.

"Mau uso do tempo disponível"
O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ), que integra a CPMI, esteve, na sexta-feira passada, na sala onde estão os arquivos secretos das operações Vegas e Monte Carlo da Polícia Federal. Ao sair do local, ele disse ter constatado que os advogados de Carlos Cachoeira não estão usando o tempo disponível para a análise dos documentos. Segundo registros da comissão apresentados aos jornalistas, os advogados só estiveram na CPMI na noite de terça-feira (15) e em parte do dia de quarta-feira (16), não retornando nem quinta, nem sexta.

Miro afirmou que o presidente da CPMI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), “está colocando o ministro Celso de Mello a par de todas as informações sobre o acesso dos advogados aos documentos”. Na avaliação do deputado, com o recurso para evitar o comparecimento de Carlinhos Cachoeira à CPMI amanhã, os advogados estão adotando uma atitude protelatória.

Saiba mais sobre a CPMI do Cachoeira

Da Redação/MM
Com informações da Agência Senado

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Herminia | 21/05/2012 - 21h02
NÓS ESTAMOS DESCONFIADOS DE TANTO ESCONDE ESCONDE PARA REVELAREM A VERDADE.O POVO ESTÁ COMENTANDO.CADA COMENTARIO PIOR QUE O OUTRO.MAS ESTÃO CERTOS.POIS FICAM NA DÚVIDA SE AUMENTAM OU NÃO OS PROFISSIONAIS.MAS METEM A MÃO NO QUE PERTENCIA AOS PROFISSIONAIS.SAI UNS MILHOES DAQUI E OUTROS DE LÁ E MINGUA AS FINANÇAS PUBLICAS.