24/03/2011 - 08h07

Comissão da Reforma Política realiza audiência pública nesta manhã

Internauta poderá participar pelo e-mail pergunte@camara.gov.br

Clique acima e assista ao vivo. Envie pergunta para pergunte@camara.gov.br

A Comissão Especial  da Reforma Política realiza hoje a primeira audiência pública para debater o sistema eleitoral brasileiro. Foram convidados o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Walter Costa Porto; o juiz Marlon Jacinto Reis, integrante do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral; o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante; e o vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), arcebispo dom Luiz Soares Vieira.


Os internautas poderão enviar antecipadamente perguntas para os convidados pelo e-mail pergunte@camara.gov.br. Os questionamentos serão feitos por intermédio dos deputados que participarão do debate.  A audiência será transmitida ao vivo pela Agência Câmara. O debate está marcado para as 9 horas, no plenário 2.

De acordo com o sistema de trabalho definido pela comissão, as reuniões de quinta-feira serão destinadas à realização de audiências públicas relacionadas ao tema que estiver sendo discutido no momento, enquanto as votações serão concentradas nas reuniões de terça-feira.

Além dos quatro convidados iniciais, foram aprovados convites a diversas outras pessoas que serão chamadas posteriormente: o diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), Antônio Augusto de Queiroz; os sociólogos Maria Francisca Coelho, Maria Victória Benevides, Francisco de Oliveira e Guacira Cesar de Oliveira; a filósofa Marilena Chauí; e o cientista político Bolívar Lamounier. Todos os requerimentos foram apresentados pela deputada Luiza Erundina (PSB-SP).

Sistema eleitoral
Na terça-feira (22), houve uma apresentação geral aos deputados sobre os modelos de sistemas eleitorais – sistema proporcional, voto distrital, voto distrital misto, voto majoritário da circunscrição (o chamado distritão, que corresponde a todos os eleitores de um estado), lista aberta de candidatos (como é hoje) e lista preordenada de candidatos.

Segundo o cronograma anunciado pelo presidente da comissão, deputado Almeida Lima (PMDB-SE), os debates seguintes tratarão de financiamento de campanha, de regras de campanhas e propaganda eleitoral, e de instrumentos de participação popular (como plebiscito, referendo e projetos de iniciativa popular). Paralelamente, a comissão vai realizar cinco audiências externas, em estados das cinco regiões geográficas brasileiras.

A intenção de Almeida Lima é apresentar, ao final dos trabalhos, três propostas legislativas de acordo com a natureza dos temas: uma proposta de emenda à Constituição (PEC), um projeto de lei e um projeto de lei complementar. O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) anunciou que o seu partido vai defender que a reforma política aprovada no Congresso seja submetida à aprovação popular, por meio de plebiscito ou referendo.

Conheça as principais propostas sobre reforma política em análise na Câmara

*Matéria atualizada em 24/03



Comentários

Adriano Santana | 27/03/2011 - 11h48
Acredito sim, ser necessário uma reforma política no País. Porém não adianta ficarmos aqui maltratando os políticos, afinal somos nós quem os colocamos no poder. A reforma trará a sua contribuição conforme os avanços que nossa sociedade adquiriu, porém o que ela não pode fazer é determinar em quem cada cidadão irá votar.
Ver.Marina Porto | 24/03/2011 - 14h26
Acredito que esta comissão ira tratar com ética e reponsabilidade este assunto que vai nortear os rumos da política, daqui pra frente. Nesta faze vale ressaltar que devem ser levado em conta a transparência,a democracia evitando que o poder do dinheiro e do poder prevaleça ,como na maioria das vezes, mas que possam ser eleitos pessoas com um conhecimento mínimo na administração publica.Gostaria de saber do Juiz Marlon,como seria o fortalecimentoe a maior participação da mulher na politica?
Julia Rosa | 24/03/2011 - 12h32
O primeiro passo na reforma politica é começar pelos politicos, é inadmissivel que indivduo mau carater, safados, criminos sejam representantes do povo, politico tem que ser homem serio, honesto e comprometido com o povo e o país e não com seus proprios interesses, alem do mais não podem ser analfabetos.